Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Kabuscorp falha tudo

19 de Outubro, 2017

Comandados de Kito Ribeiro foram mais forte nos dois jogos diante da equipa treinada por Romeu Filemon

Fotografia: Paulo Mulaza| Edições Novembro

Ainda não será desta vez que o Kabuscorp do Palanca vai conquistar o inédito troféu que falta à sua galeria. Os palanquinos depois de atingirem os quartos-de-final apontaram a final como meta, mas foram impotente para transporem o adversário.
O Progresso Sambizanga, formação que tem tido boas prestações na Taça de Angola, não deixou os seus créditos em mãos alheias e segue em frente na prova com mais uma vitória convincente, repetindo o feito da primeira mão.
Com uma entrada fulgurante as duas equipas cedo manifestaram o desejo de vencer. Os sambilas abriam bem o jogo pelas alas e obrigavam os palanquinos a esticar a sua defesa e não foi apor acaso que o primeiro golo da partida surgiu aos 28´, na sequência de um cruzamento do lado direito da baliza de Rubian, onde se encontravam vários jogadores, com Ebungá a fazer um auto-golo.
A equipa da casa não tinha tempo para respirar, já que estava em desvantagem na eliminatória, pois perdeu a primeira mão por duas bolas a uma. Contudo, teve forças para, os 35´, por Nary, na área cabecear forte para repor a igualdade.
A partir desta altura, o jogo ficou mais emotivo, com oportunidades de golos para o Kabuscorp, que em duas ocasiões esteve próximo de ficar à frente do marcador. O intervalo foi melhor aproveitado pelo Progresso, embora as duas equipas terem regressado dos balneários com a mesma determinação. Ainda assim, foram os sambilas a ampliar o marcador, aos 50´, numa jogada individual de Yano.
Aos 76 minutos, o estádio dos Coqueiros transformou-se num autêntico inferno, tudo por conta de um golo mal anulado a Fundo. O golo teve validade apenas por um minuto, pois quando o banco sambila reclamou que o jogador tinha antes controlado a bola com mão, o que não foi o caso, o árbitro João Goma aceitou e mal. Esta situação criou um mal-estar no seio dos palanquinos que arremessaram vários objectos para o relvado.
Reposta a ordem pelas forças policias no local, o jogo voltou ao seu curso normal com Vá, aos 90´, fazer o terceiro golo do dia, numa jogada entre Silva e Yano.
 A equipa de arbitragem pecou ao anular a jogada que resultaria do segundo golo dos sambilas.  De resto, o trio chefiado por António Caxala esteve bem. Acompanhou de perto as jogadas.

ROMEU FILEMON
KABUSCORP

“A equipa esteve mal na defesa”

"A equipa entrou bem no jogo e procurou sempre ter o controlo da situação. Sofremos três golos mas poderíamos ter marcado igualmente três ou quatro, o que não aconteceu. Do ponto de vista defensivo não estivemos bem, mas vamos procurar motivar a nossa equipa para os jogos que faltam na época".

DIOGO PEDRO "DIONE" 
Progresso

PROGRESSO
“Objectivo é a final"

"Temos de felicitar a nossa equipa pela exibição, entrega e a determinação ao longo da partida. Os atletas portaram-se muito bem e cumpriram com as orientações da equipa técnica. Vamos continuar a trabalhar porque o nosso objectivo é jogarmos a grande final".