Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Kabuscorp do Palanca acorda lder

10 de Maio, 2015

Equipa do Palanca voltou a vencer ontem pela segunda vez consecutiva e j o lder provisrio do campeonato

Fotografia: Jos Cola

O golo solitário do médio Mano no jogo de ontem, no estádio dos Coqueiros, na recepção aos polícias coloca os vice-campeões nacionais, temporariamente na liderança da maior prova futebolística nacional, numa partida que ao contrário do habitual, não teve casa cheia.

Se este era o tal jogo de cartaz na abertura da décima segunda jornada do Girabola, o mesmo acabou por defraudar as expectativas da reduzida falange de adeptos que ontem ousou preencher as bancadas. O desfilar da exibição pouco competitiva das duas equipas, cedo definiu o cenário do equilíbrio na partilha da posse de bola e a disposição de ocasiões de golo.

Partir do princípio que este duelo entre o conjunto do Palanca e a turma da Polícia, chegou a prometer muito nos primeiros 45 minutos, acabou por ser também marcante para as aspirações das duas equipas a história do jogo, embora as exibições não tivessem atingido o pico das cinco estrelas.

A batalha assistida, sobretudo, no "miolo" do relvado, com as interessantes lutas entre Paz e Lami, por um lado, Kibeixa e Paty, por outro, ganhou um contexto desigual a passagem da primeira meia-hora de jogo, período em que os "donos da casa" surgiram mais vezes a incomodar a área de Jota Bê.

Não foram muitas, as diferenças na dinâmica imprimida por uma e outra equipa ao seu caudal ofensivo. Ainda assim, apesar de o jogo ter apontado muito cedo para o equilíbrio, pertenceu ao Kabuscorp a ocasião mais flagrante de golo, aos 26', com o cabeceamento de Amarildo a provocar a sensação de a bola ter entrado na baliza.

A segunda parte começou com um golo do Kabuscorp. Mal o jogo retomou, no segundo minuto, precisamente aos 47', Mano Calesso inaugurou o marcador, ao concluir um cruzamento perfeito de Lunguinha.

Na resposta, o Interclube levou perigo à baliza de Mário, mas o autor do passe que colocou a equipa anfitriã a frente do marcador, evitou que adversário igualasse a partida ao interceptar o remate de Moco, que levava o caminho do golo.

A verdade é que os polícias reagiram bem a desvantagem no marcador. Como prova disso, os pupilos de Ilian Iliev gozaram de maior volume de jogadas ofensivas, mas o ataque continuou a desperdiçar uma "mão-cheia" de oportunidades para visar a baliza contrária.
Mas, aos 71', voltaria a ser os palanquinos a obrigarem Jota Bê a aplicar-se a fundo, na sequência de um remate de cabeça de Patrick, que entrara para o lugar de Meyong. O camisola 23 acrescentou o volume ofensivo dos palanquinos. No último terço do jogo o Interclube pressionou muito mais e podia ter chegado ao golo da igualdade, aos 79', não fosse a persistente ineficácia atacante. O Kabuscorp revelava, nesse período, dificuldade em suster a pressão do adversário, que explorou em demasia o seu último reduto e espreitou o golo por inúmeras vezes.


DECLARAÇÕES


Miller Gomes
Kabuscorp

"Importante foi os três pontos"

 "O campeonato ainda não terminou e agora o mais importante do que isso é termos conquistado os três pontos, diante de um adversário que nos complicou. Sabíamos que para vencer o Inter, teríamos de correr muito. Tivemos uma primeira parte menos conseguida e na segunda dominamos completamente, e as oportunidade que criámos facilitou o jogo. O mais importante é aquilo que a gente quer, mas consciente que este processo vai levar o seu tempo".


Ilian Iliev 
Interclube

"Não merecemos perder"

"Penso que por aquilo que produziram as duas equipas, não merecemos perder. No último terço do jogo falhámos na finalização e num lance no início da segunda parte hesitamos e sofremos o golo. Os dérbis não se ganham só com futebol, mas também com coragem e sorte. Não conseguimos marcar e perdemos, mas os pormenores do jogo vamos discutir na próxima semana, porque temos de melhorar a nossa finalização".


MELHOR EM CAMPO
Mano resolve


O camisola 18 do Kabuscorp voltou a ser determinante para a conquista dos três pontos. Ao marcar o único golo da partida, o médio da equipa do Palanca não só confirmou a sua importância fulcral na equipa, como sublinhou os créditos que o habilitam como um jogador habituado a exibir-se a um nível. A forma peculiar como desmarcou-se dos centrais do Interclube e posicionou-se em grande estilo para marcar o único golo da equipa, provam as suas qualidades. Com ele em campo, o futebol do Kabuscorp é muito mais veloz e acutilante. Grande exibição!.


ARBITRAGEM
Sem reparos


O árbitro internacional Pedro dos Santos, não deu motivos para qualquer comentário e muito menos o acusarem de ter favorecido esta ou aquela equipa. Num bastante complicado, mas que foi fácil de dirigir, o trio de arbitragem realizou um trabalho que não apresentou casos de monta, pois  conseguiram cumprir apenas com as leis do jogo. No capítulo disciplinar foram bastante coerente e praticamente sem percalços. Ainda assim, o  benefício da dúvida num dos últimos lances da partida, em que Issama parece ter empurrado Loló na área.