Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Kabuscorp e Desportivo com situação complicada

Pedro Augusto - 19 de Outubro, 2009

Kabuscorp do Palanca e Desportivo da Huíla situação tremida

Fotografia: JOrnal dos DEsportos

Mesmo jogando com as faixas de campeão sobre os ombros, em função da derrota do Benfica de Luanda, sábado último, diante do 1º de Agosto, por 1-5, o Petro Atlético de Luanda foi bastante profissional na vitória ante o Atlético Sport Aviação (ASA), por 2-1, ontem, no fecho da vigésima-quinta jornada do Girabola.
A equipa de Pedroto, como que a dizer que o título foi conquistado sem favores do rival 1º de Agosto, mostrou ser um verdadeiro campeão. Melhor, os tricolores mostraram determinação diante de um adversário que quis suavizar a sua festa.
Se o triunfo do campeão é justo, por tudo quanto fez ao longo dos 90´, os laços vermelhos (champanhe da ordem) serviram e muito bem para regar o “frango” levado à Cidadela pelo guardião Nuno, do ASA, que no minuto 89 do jogo, permitiu com que a “flecha” disparada por Job passasse entre as suas mãos e… pernas!.
Porem, é bom que se diga isso, quer Job, quer o Petro não têm culpa da “oferta” de Nuno. O campeão completou apenas (porque não dizer muito bem) o excelente trabalho que vem desenvolvendo ao longo da temporada, o que resultou na conquista do seu 15º título, cuja festança, seguramente, será feita na cidade do Luena, no próximo fim-de-semana, quando defrontar o FC Bravos do Maquis no fecho do campeonato.
Se o Petro de Luanda conseguiu, sem a grande pressão vivida nas últimas três jornadas, reforçar a sua pontuação na classificação, o ASA nem por isso, pois, com a derrota de ontem, os aviadores do “comandante” José Miguel “Minhonha” baixaram dois lugares na tabela (5º para 7º).

LIBOLO
COMPLICA

O facto de o Benfica de Luanda ter jogado e perdido um dia antes, diante do 1º de Agosto, não serviu quase nada para o Recreativo do Libolo. Os libolenses, que jogaram sob pressão, repartiram pontos com o Interclube, num jogo em que a equipa de Mariano Barreto falhou inúmeras situações de golos, que concretizadas animariam ainda mais o despique com as restantes equipas que lutam pelo vice-campeonato.
Contudo, o ponto conseguido permitiu ao Libolo reduzir para dois (47-45) a diferença em relação ao Benfica de Luanda, embora tenha o mesmo número que o 1º de Agosto, outro candidato ao cobiçado segundo lugar do Girabola.
O empate dos polícias, embora permitiu-lhes somar mais um ponto, não trouxe qualquer alteração da sua posição na tabela classificativa, ou seja, mantêm-se no oitavo lugar.
De regresso às vitórias está a Académica do Soyo. O triunfo (2-0) sobre o confrade do Lobito, no estádio dos Imbondeiros, permitiu aos estudantes transitarem da sexta para a quinta posição.
O mesmo se passa com o Santos FC. A equipa de Mário Calado conseguiu aplicar um “KO técnico” ao Desportivo da Huíla, nos últimos 10 minutos, ao marcar três golos contra nenhum do adversário.
Se a vitória dos santistas provou a excelente recuperação que vêm efectuando na prova, por outra, atirou os militares da Região Sul para uma situação complicada. Ou seja, vão discutir na última jornada se ficam ou descem de divisão.

Caála e FC do Maquis
salvam-se "in-extremis"

Ontem foi dia de festa igualmente no Huambo e no Moxico. Tudo porque o Recreativo da Caála e o FC Bravos do Maquis, ainda que “in-extremis”, conseguiram garantir a permanência na fina-flor do futebol nacional.
A Caála, num jogo de nervos, vergou o Kabuscorp do Palanca, por 2-1, resultado suficiente para assegurar a manutenção no Girabola, ao contrario do Kabuscorp que terá que vencer o Libolo na última jornada para não precisar de recorrer à Liguilha para ficar entre os “grandes” do campeonato.
Situação idêntica ao da Caála viveu o Maquis. Os maquisardes que também faziam contas pela vida, conseguiram vergar o “moribundo” 1º de Maio de Benguela, em casa deste.  O triunfo por duas bolas a uma, com Massaro a bisar, permitiu a equipa de João Machado somar 31 pontos, suficientes para permanecer no Girabola, pois, ainda que perca na última ronda ante o Petro de Luanda, no Luena, e o CD da Huíla vença o Santos FC, este leva vantagem nos jogos entre si.
Vinte foi o número de golos marcados na 25ª jornada do Girabola, média de 2.8 por jogo, sendo o 1º de Agosto, com cinco, a equipa mais concretizadora. O jogo Recreativo do Libolo – Interclube foi o único em que não se registou golos.             PA