Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Kabuscorp factura no "buraco"

JLIO GAIANO, EM BENGUELA - 14 de Maio, 2018

Rapazes ordens de Srgio Traguil acabam com a

Fotografia: VIGAS DA PURIFICAO | EDIES NOVEMBRO

A Académica do Lobito falhou a pretensão de terminar a primeira volta em beleza. No desafio disputado ontem, no estádio de Ombaka, a equipa de Rui Garcia revelou-se incapaz de fazer jus à sua condição de anfitriã. Perdeu para o Kabuscorp do Palanca, por 3-1, numa partida marcada pelo regresso de Doctor Lamy que selou o resultado com um golo de calha.
Os estudantes foram os primeiros a marcar. Na sequência de um pontapé de canto cobrado por Loló, o atacante Lelas, no minuto 11, saltou mais alto que os defensores contrários e cabeceou triunfalmente para o fundo das malhas (mal) guarnecida por Élber, saiu aos papéis e facilitou o serviço, para a alegria do público que apareceu em número considerável ao estádio.
Todavia, o golo fez mal à equipa. Atrapalhou os anseios e a crença dos estudantes que acabaram por ceder a pressão do adversário. Um adversário que, diga-se de passagem, mostrou garra e determinação no jogo. Não se assustou e, mais do que isso, correu e provou em campo que estava aí para ganhar e, conseguiu, para a infelicidade dos anfitriões.   
Diante da situação decorrente, os palanquinos subiram as linhas e remeteram os estudantes, todinhos, ao sector mais recuado, de onde saíam de forma esporádica ao contra-ataque. Uma acção que não resultou por manifesta falta de estratégia montada pelo técnico que baralhou tudo. Deixou no banco as melhores unidades para apostar em jogadores em sub-rendimento de forma desportiva.
Os golos marcados pela equipa do Palanca - Nelito (26´), Magola (43´) e Doctor Lamy (90+1´) - resultaram de erros de marcação dos defesas da Académica do Lobito. Estiveram mal no jogo. Ou seja, foram impotentes ante a pressão submetida pela equipa treinada pelo português Sérgio Traguil.
O Kabuscorp do Palanca, isso deve ser dito, jogou o suficiente para quebrar a invencibilidade caseira dos comandados de Rui Garcia que, deste modo, viu a pretensão do grupo de trabalho de terminar a primeira volta em beleza esfumada. Tudo por “culpa” de um Kabuscorp que soube jogar a bola redonda e confirmou o teórico favoritismo diante de uma Académica que nada fez senão deixar o estádio aos choros.
A derrota de três golos a um, trouxe a nu o quão vale o potencial da Académica do Lobito na competição. Ou seja, atingiu o limite das suas forças, tanto é que mesmo já nos minutos derradeiros da contenda, deu tudo a perder com o clamoroso golo de Doctor Lamy que aproveitou e bem, a saída aos “trambolhões” do guarda-redes Ndulu, para selar o resultado em 3 a 1.

LIBERO EM GRANDE
O defesa central Libero, do Kabuscorp do Palanca, esteve em grande no centro da defesa da equipa visitante. O jovem jogador anulou por completo o atacante Jiresse, da Académica do Lobito, que se viu obrigado a recuar de posição. Apesar da baixa estatura física (1,62m), o atleta formado nas escolas do Estrela Clube 1º de Maio de Benguela,  não se deixou bater na disputa aérea e revelou frieza na disputa de bolas corridas com os dianteiros dos estudantes, tanto é que forçou a saída de Chiló no segundo tempo. Em suma, o pequeno/grande Libero,  evidenciou-se no triunfo (3 a 1) da sua equipa no fecho da primeira volta do campeonato.

ARBITRAGEM
Chitânio Francisco em bom plano

A actuação da equipa de arbitragem liderada por Chitânio Francisco, assistido por Jerson Emiliano e Rosário Kolembe, pautou pela regularidade. Entrou trémulo no jogo, para a irritação do público que se insurgia de forma insistente contra as decisões que tomava. Contudo, acertou na segunda metade da contenda. Mostrou autoridade e competência no ajuizamento dos lances susceptíveis de falta. Foi, justamente, nessa etapa que o jogo fluiu mais e o público deixou de reclamar. Pelo que merece da nossa parte nota positiva.

DECLARAÇÔES
“Realizámos
um jogo atípico”

 “Apesar de termos marcado primeiro, entrámos mal no jogo. O Kabuscorp esteve bem nas transições da defesa ao ataque, o que complicou a nossa situação em campo. Ainda assim, fizemos o possível para inverter o jogo, porém não foi possível. Portanto, nada está perdido, visto que o nosso objectivo é simplesmente manter-se no Girabola. Aí está virado o nosso foco. Creio que vamos chegar a este desiderato muito antes do término da prova”.

Júnior Paulino  (Académica)

“Foi uma
vitória merecida”

“Realizámos uma boa partida de futebol. Vencemos uma equipa que até à data não tinha perdido no seu reduto. Dominámos o jogo e desfrutámos das melhores oportunidades de marcar. O adversário soube bater-se até onde pôde. Felizmente fomos melhores e merecemos a vitória num campo onde fomos os primeiros a vencer. Por isso, estamos de parabéns”.

Sérgio Traguil 
(Kabuscorp)