Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Kabuscorp vence Recreativo da Cala 3-1

Manuel Neto - 21 de Fevereiro, 2016

Kabuscorp do Palanca subiu todas as suas linhas de jogo para empurrar o adversrio ao seu ltimo reduto

Fotografia: Santos Pedro



O Kabuscorp do Palanca começou a luta pelo título com uma vitória "gorda" sobre o Recreativo da Caala, por 3-1.

A equipa do Palanca a jogar na condição de dona de casa foi a mais ousada  nos minutos iniciais do jogo, procurando cedo surpreender o seu adversário.

A Caála reagia com certa lentidão e, neste andar, numa  joga de contra ataque rápido da equipa palanquina, Shol à entrada da grande área sofreu um empurrão e o árbitro António Dungula não hesitou em assinalar penálti que, Lami, chamado a cobrar, fê-lo com categoria, corriam apenas quatro minutos de jogo.

A turma  que veio do Huambo não se coibiu. Partiu para cima do adversário, elaborando jogadas  de belo efeitos que provocaram grandes calafrios ao último terço deste.

Nesta fase do jogo os palanquinos  jogavam na contenção, e com passes longos, procuravam fazer o golo da tranquilidade, mas foi Caála que, ansiosa pelo empate, foi forçando a barra até que, aos 23 minutos, numa jogada de grande recorte técnico, Paizinho, numa rotação perfeita,  restabeleceu a igualdade.

O técnico do Kabuscorp, Miler Gomes, levantou-se e logo os seus pupilos perceberam que não estavam a cumprir. Despertaram , subiram as suas linhas de jogo, empurrando o adversário ao seu reduto. Trezor que veio do Congo Democrático,  com uma boa  execução técnica, aos 33 minutos elevou o marcador.

O Caála ainda assim não baixou os braços. Tentava a todo o custo o empate, mas, para a sua infelicidade, numa jogada individual, protagonizada por, que deixou o seu adversário estatelado, cruzou certeiro para Shole, aos 45 minutos. Este, na posição de ponta de lança, não claudicou, fazendo  o terceiro golo da equipa do Palanca.

Dos balneários regressou um Recreativoda Caála rejuvenescido, bastante irreverente, que foi batendo o pé ao Kabuscorp, à procura do segundo golo, mas esta equipa, atenta,  não arredava  o pé, pautando o seu jogo  pelos flancos onde Lami e Mano  não deixavam descansados  a defensiva contrária.

O jogo era cada vez mais equilibrados  com as duas equipas balançadas par o ataque mas o resultado já não sofreu alteração.