Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Kangamba acredita no ttulo

Paulo Caculo - 21 de Julho, 2015

Presidente do Kabuscorp do Palanca avaliou rendimento da equipa frente ao Recreativo do Libolo onde perdeu por 1-2

Fotografia: Joo Gomes

A segunda derrota averbada pelo Kabuscorp, domingo, diante do Recreativo do Libolo, deixou a equipa do Palanca mais distante dos directos concorrentes à conquista do Girabola'2015.  Mas nem por isso, Bento Kangamba, acredita que Miller Gomes e pupilos devam “atirar a toalha ao tapete”.

O presidente do Kabuscorp lembrou, ontem, existirem grandes possibilidades da equipa recuperar da desvantagem de nove pontos, que enfrenta em relação ao conjunto de Calulo. Admite ter qualidade, e condições suficientes no plantel, para o conjunto contornar a fase complicada que atravessa no campeonato.

“O campeonato ainda não acabou e esperamos ganhar outros jogos. Esta derrota não aumenta a pressão da direcção, mas aumenta a pressão dos jogadores, porque a direcção tem feito o seu papel. O Kabuscorp é a melhor equipa do país, não tem dívida com jogadores e nem salários em atraso. Tem condições. Agora os jogadores têm de  contribuir com a sua parte”, assegurou Bento Kangamba, no final do jogo com o Libolo, no estádio da Cidadela.

O responsável da equipa do Palanca, avaliou a derrota, como a sofrida frente ao “rival” de Calulo, como  consequência de alguma facilidade evidenciada pelo conjunto, sobretudo, na primeira parte do jogo, em que pertenceu ao Libolo o domínio territorial da partida. Kangamba disse, que se fosse o treinador, entrava a jogar com o “onze” que acabou o jogo.

“Acho, que os treinadores pensam de uma forma,  a direcção do clube, pensou de outra forma. A equipa que entrou na primeira parte facilitou e se jogássemos como acabámos na segunda parte, acredito, que não iria existir o Libolo no jogo”, asseverou o presidente do Kabuscorp.

Durante a semana de preparação, recorde-se, Bento Kangamba chegou a assistir a duas sessões de treino da equipa, no relvado adjacente ao estádio da Cidadela. Na ocasião, o líder dos palanquinos aproveitou para emprestar o  calor aos jogadores, tal como habitualmente procede, sempre que em vésperas de um jogo de elevado grau de dificuldades. Foi a primeira derrota de Miller Gomes no comando técnico da equipa do Palanca.