Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Lder baixa Guarda

Augusto Panzo - 19 de Março, 2018

Comandados de Paulo Torres caram em pleno estdio 22 de Junho

Fotografia: Jos Cola | Edies Novembro

Quis o destino que fosse o FC Bravos do Maquis, que até ontem estava na condição de moribundo, travasse a \"onda\" vitoriosa do Interclube no presente Girabola Zap. O golo marcado por Éric, aos 20´, foi suficiente para os maquisardes darem um murro na mesa e, deste modo, tirarem a barriga da miséria. 
A julgar pelas boas exibições nos últimos jogos, tudo indicava que os polícias iria superar a equipa do Maquis com muita facilidade. Puro engano. Os pupilos de Zeca Amaral entraram para o jogo determinados e com vontade de estancar a crise de resultados que afectava a equipa, pois há três jornadas que não venciam, por isso e sem receio assumiram o controlo do jogo.  Porém, o primeiro grande sinal de perigo pertenceu aos polícias por intermédio de Paty, que à entrada da grande área rematou forte, só que a bola passou por cima do travessão da baliza defendida por Mig.
Contudo, a resposta maquisarde não tardou. Aos 19 minutos, Éric passou por todos os defesas do Interclube e numa tabelinha com Zé fez o golo do jogo.
Após sofrer o golo, os polícias perderam-se em campo,  não conseguiam dominar o jogo, elevando assim a auto-estima da equipa do Moxico.
O técnico Paulo Torres, vendo a sua equipa sem soluções para desfazer-se da teia montada pelo Maquis, fez entrar o avançado Kaporal para o lugar de Karanga, ainda na primeira parte, só que o ex-proletário não entrou bem na partida. O controlo que o FC Bravos do Maquis teve no jogo fez com que terminasse a primeira parte em vantagem.
Na segunda parte tudo indicava que os polícias entrariam com outra disposição para darem volta ao resultado. nada disso. A equipa do Moxico continuou a mandar no jogo.
Zeca Amaral estrategicamente recuou a equipa, para então sair em contra ataque, porém o Interclube não soube aproveitar, pois na frente de ataque os dosi avançados, Kaporal e Pedro, não se entendiam.
Nos últimos minutos de jogo Paulo Torres mandou toda equipa subir e conseguiram  criando várias oportunidades de golo, porém, a pouca inspiração dos seus atacantes e as boas defesa do guarda-redes Mig levaram a equipa maquisarde a conseguir três valiosos pontos em casa do adversário.

BOA  ARBITRAGEM
A equipa de arbitragem  liderada pelo Paulo Talaia esteve bem. Controlou a partida do principio ao fim. Mostrou em seis ocasiões a cartolina amarela, sendo duas para os  jogadores do Interclube e quatro para os do FC Bravos do Maquis. 
A par disso, esteve sincronizado com os seus auxiliares. Com isso não teve qualquer influência no resultado.

OPINIÃO DOS TÉCNICOS
Paulo Torres (Interclube)

“Não entrámos bem”"Hoje (ontem) não entrámos bem no jogo. Na primeira parte fomos muito permissíveis e lentos. Sabíamos  que jogar com uma equipa que vem de três resultados negativos era fundamental na primeira parte entrarmos bem. Não conseguimos fazer e contra uma equipa que defende muito baixa, como é o Bravos do Maquis, e com o golo sabia que iriam se sentir mais cómodos. Na segunda parte corremos muito, trabalhámos muito mas não conseguimos concretizar. O que fica para história é um resultado negativo".

Ivo campos (Maquis)
“Esta vitória sabe muito

"Para nós esta vitória sabe muito bem, pois viemos de três resultados negativos. Vir jogar com um dos três grandes, um dos candidatos ao título e a praticar bom futebol, é óbvio que nos deixa satisfeito. Mas isso não passa de três pontos e se nas próximas jornadas não conseguirmos outros três pontos, esses pontos aqui conquistados não valerão não . Nesta altura só posso dizer que estamos satisfeito com estes três pontos".