Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Lder com prova de fogo

Paulo caculo - 07 de Abril, 2018

Lder enfrenta palanquinos pressionado a corrigir os ltimos resultados

Fotografia: KINDALA MANUEL|EDIES NOVEMBRO

Interclube e Kabuscorp do Palanca protagonizam hoje, às 16h00, no estádio 22 de Junho, um duelo de gigantes, entre dois candidatos ao título mas com percursos diferentes na competição.
A cumprir uma época que muito faz lembrar o memorável ano de 2008, o da conquista do primeiro título no Girabola, os polícias espelham sinais claros de um conjunto que assume o desafio de regressar às grandes conquistas do passado.
Depois de alcançar em várias temporadas posições modestas, a formação do Rocha Pinto está apostada em regressar às grandes conquistas. Os pontos conquistados, a determinação e a qualidade de jogo que tem patenteado falam por si, razão pela qual não desarma a liderança da prova isolado.
Diante de um adversário de peso e que luta pelos mesmos objectivos, como é o Kabuscorp, o Interclube tem a obrigação de justificar as razões pelas qual é o comandante do campeonato.
Mas, para tal, precisam de redimir-se da derrota averbada na jornada passada, ante o já rotulado \"tomba gigantes\" Académica do Lobito, com quem perdeu por 1-2.
Não se adivinha, no entanto, fácil a tarefa de ambos os conjuntos  para ficarem com os três pontos em disputa. Se, por um lado, os polícias, em caso de derrota, podem hipotecar à sua posição para o \'carrasco\' da ronda passada em caso de vitória deste, por outro, os palanquinos estão pressionados após o desaire consentido em casa frente ao Desportivo.
Uma nova derrota da formação orientada por Sérgio Traguil pode antecipar a sua demissão. A posição que ocupam na tabela de classificação, aliada aos últimos resultados e exibição fez accionar o alarme de \'emergência\' na Rua F do Palanca.
Separados por seis pontos, Interclube (1º/16 pontos) e Kabuscorp (4º/12), as duas equipas encaram este embate com as maiores precauções para evitarem um novo dissabor. Equilibrados em termos de plantel, esta partida pode ser decidida nos detalhes.
A jogar em casa, os polícias entram em campo com uma relativa dose de favoritismo, embora não se deva esquecer o facto dos palanquinos ostentarem uma massa associativa em maior número. Ou seja, se o desfecho do jogo depender do apoio dos adeptos, o triunfo não deverá escapar ao conjunto visitante.
Prognósticos à parte, aguarda-se por um jogo intenso, extremamente disputado, com divisão da posse de bola e oportunidades de golo, sobretudo com um elevado índices de dificuldades para ambos os conjuntos.
Para um embate entre formações do mesmo nível torna-se complicado vaticinar um desfecho, aliado ao facto de que num dérbi tudo pode acontecer. Ainda assim, quem joga em casa tem sobre si mais responsabilidade em assumir as despesas do jogo. Contudo, é um duelo com desfecho imprevisível e espera-se por um equilíbrio ao longo dos 90 minutos.
Longe da expectativa das épocas anteriores, o Petro de Luanda recebe amanhã, às 17h00, no Estádio 11 de  Novembro, o Recreativo da Caála, outro duelo de campeões mas que esta época estão distante de proporcionarem uma partida altura do estatuto que detém na competição.
Tratando-se de duas equipas com tradição no campeonato nacional espera-se por um embate bem disputado com sinal mais para os petrolíferos que auguram manter a perseguição aos líderes do Girabola.
O 1º de Agosto a atravessar uma fase critica vai ao Huambo ao encontro do Recreativo da Caála, num terreno em que não tem sido muito feliz. A sua condição de campeão confere-lhe um relativo favoritismo, mas terá de provar em campo.
De resto, é um jogo em que militares tudo vão fazer para redimirem-se dos últimos resultados, mas sem descurarem que a missão não será fácil, pois, os caalenses em casa têm por vezes criando dissabores aos seus visitantes.

INTERCLUBE
Polícias prontos para quebrar o enguiço


O Interclube defronta hoje às 16h00 no Estádio 22 de Junho,o Kabuscorp do Palanca, a contar para a 9ª jornada do Girabola Zap. A equipa da polícia está determinada e com vontade de voltar às vitórias.
O Interclube é 1º classificado da tabela com 16 pontos, fruto de cinco vitórias, duas derrotas e dois empates,  em oito jogos realizados. 
A equipa está sem vencer há duas  jornadas, por esse facto, os polícias querem a todo custo regressar  às vitórias  e continuarem a lutar pelo  sonho  da conquista do campeonato nacional de futebol.
O técnico do Interclube, Paulo Torres, disse que a equipa interiorizou fazer um bom resultado no jogo de hoje em casa,  diante dos seus adeptos.  "Temos trabalhado para vencer, e para este jogo fizemos a mesma coisa. Temos a equipa pronta diante  do Kabuscorp", salientou.
Quanto ao adversário, o técnico  dos policias foi categórico. " É um adversário difícil , uma boa equipa, vem de uma derrota, como nós, por isso, é necessário muita cautela", disse .
Paulo Torres  elogiou o trabalho que  a equipa técnica está a fazer . " O Kabuscorp do Palanca  é uma equipa forte com bons  jogadores e está  muito motivada  em função dos resultados que  está a fazer  nesta  competição, é treinada  por um  homem que conhece  bem o futebol  nacional,  independente  de qualquer situação,  o mais importante é vencermos  este  jogo . Por isso, trabalhámos com muita prudência para este jogo", sublinhou.
O técnico dos  polícias  disse que teve uma semana animada, em que a entrega  dos jogadores  foi boa, a vontade e a determinação  de conquistar os três pontos é grande. "Querem sair desta situação em que estão, e têm capacidade para  isso", ressaltou.
A derrota na jornada anterior  diante do Académica do Lobito, por 1-0,  trouxe à ribalta problemas antigos,  no que toca à finalização, pelo que o treinador Paulo Torres trabalhou fortemente  neste capítulo , no sentido  dos seus atacantes  regressarem aos golos, pois, há duas jornadas  que não marcam .
Face  ao alinhamento do último  treino, os polícias podem alinhar com o seguinte "Onze": Landu , Chonene,  Fabrício, Baca, Tó Carneiro, Ito, Dany , Paty, Karanga, Mano Calesso e Pedro.                           
VALÓDIA KAMBATA