Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Lees devoram aviadores e asseguram a manuteno

Joaquim Suami , em Cabinda - 13 de Maio, 2019

Estdio Chiaze testemunhou ontem a goleada dos donos da casa ante uma equipa desesperada e sem motivao

Fotografia: Edies Novembro

Com uma goleada, à moda antiga, o Sporting de Cabinda assegurou a manutenção na primeira divisão e sentenciou a despromoção do ASA, para o escalão inferior. Numa tarde, com final feliz para uns e tristeza para outros, o jogo teve uma direcção, a baliza aviadora.

Os golos da proeza dos leões foram apontados por  Fundo, aos 9m, Chouma aos 19m e 36m, Gláusio II aos 64m, Nzau aos 74m, Capita aos 87m, ao passo que do lado aviador, Tomé aos 36m e Odilon aos 89m, reduziram a desvantagem para evitar a maior humilhação. 

A cumprir apenas formalidades, para evitar males maiores, o ASA, equipa histórica na competição e a viver um momento crítico, com este resultado disse adeus à prova. O laranja, cor de alegria, vitalidade, prosperidade e sucesso, transformou-se no desespero e na agonia. 

Do lado oposto, o verde da esperança, liberdade, saúde e vitalidade sentiu-se no Estádio que mereceu a moldura humana, que testemunhou a manutenção do único representante da província mais ao norte do país, que soube driblar todas as dificuldades que enfrentou ao longo da época.

No final do desafio, o técnico do Sporting de Cabinda, Emena Kwazambi, felicitou os jogadores pelo empenho em campo e pelos três pontos que garantiram a manutenção, após longo de período marcado por vários dissabores. 

“Neste jogo, definimos a nossa permanência no Girabola. Os nossos jogadores cumpriram com as orientações do banco. Quero felicitar o governador de Cabinda e o seu elenco, pelo apoio que dão à esta equipa. Apesar da derrota, o ASA jogou de igual para igual”, reconheceu. 

José Kilamba, director técnico do ASA, admitiu que quando as coisas não são organizadas, dificilmente se consegue excelentes resultados. Conformado com o resultado e o futuro da equipa, aguarda o jogo da última jornada.

“Viemos a Cabinda repartidos em três grupos. A equipa não esteve junta em nenhum momento para este jogo, o que é mau. Viemos jogar para cumprir com os regulamentos da FAF, porque vale mais perder em campo do que por falta de comparência, pois, as coisas seriam mais difíceis para a nossa equipa. O Sporting de Cabinda ganhou bem, sem nenhum problema”, esclareceu.