Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Libolo é campeão

Pedro Augusto - 06 de Novembro, 2011

Festa do Girabola 2011 será em calulo

Fotografia: Jornal dos Desportos

Tudo na primeira forma. É desta maneira triste que o presente Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão vai hoje dizer adeus. Ou seja, o Conselho Jurisdicional da Federação Angolana de Futebol (FAF), ao julgar procedente o recurso apresentado pelo Clube Académica do Soyo, anulando assim a decisão do Conselho Técnico Desportivo que tinha avaliado igualmente procedente o protesto apresentado pelos clubes Recreativo da Caála e FC Bravos do Maquis, torna o Recreativo do Libolo campeão da época. Com 56 pontos na classificação, mais três que o Kabuscorp do Palanca, o Libolo, ainda que perca o jogo desta tarde, às 15h30, em Calulo, diante do FC de Cabinda, e os palanquinos vençam o Santos FC, e ambos terminem com o mesmo número de pontos, os libolenses ficam em vantagem nos confrontos entre ambos.

Deste modo, o grande interesse do Campeonato Nacional reside agora no fundo da tabela classificativa, pois é hoje que se vai saber quem acompanha a Académica do Lobito na descida para a II Divisão. Do quarteto formado pela Académica do Soyo (34 pontos), Benfica de Luanda (32), FC de Cabinda (32) e 1º de Maio de Benguela (30), duas delas vão ser relegadas para o escalão secundário. Porém, das quatro, os estudantes são os que estão em melhores condições para se safarem, pois basta que empatem hoje, às 15h30, no campo dos Embondeiros, diante do Recreativo da Caála. Quanto ao FC de Cabinda, que vai decidir a sua sorte na prova em casa alheia, no caso em Calulo, o Libolo não tem nada a ver, pois acreditamos que a equipa de Zeca Amaral vai querer fazer a festa com uma vitória.

Contudo, a tarefa do Libolo, que vai ter pela frente um “aflito”, não se afigura nada fácil, atendendo à condição em que se encontra o Cabinda. Aliás, não é em vão que o técnico André Binda confia na ajuda de Deus para a salvação da equipa. Os olhos dos adeptos da bola já não vão estar focados, com o mesmo interesse, no duelo do estádio 22 de Junho, no Rocha Pinto, entre o Santos FC e o Kabuscorp, pois o resultado desse jogo pode apenas levar os santistas do 9º ao 7º lugar, caso saia vitorioso. Mas, para que isso aconteça, os santistas vão ter de correr muito, porque os palanquinos, certamente, vão jogar pelo prestígio.

Honra
Com Carlos Manuel a realizar o seu último jogo no Girabola como técnico dos militares, o 1º de Agosto mede forças com o ASA, na Cidadela, numa partida em que joga pela honra. Tudo porque a equipa do Rio Seco há muito que perdeu o trilho da consagração e nada melhor do que terminar a prova com uma vitória para suavizar os corações dos seus exigentes adeptos. Mas, do outro lado, está uma equipa que também quer fechar o Girabola com “chave de ouro” naquele que é o mais antigo duelo da prova, não fossem 1º de Agosto e ASA os únicos totalistas do Campeonato Nacional.

Com a equipa do Sambizanga livre da despromoção, depois de muitos apertos, advinha-se igualmente um bom jogo entre Petro de Luanda e Progresso no estádio 11 de Novembro. Sem muito a ganhar, as duas equipas vão bater-se pela dignificação e manutenção do terceiro lugar (tricolores) e melhoria do 11º (sambilas).

Duelos pela salvação

A expectativa a que se assiste agora na ponta final do presente Girabola resume-se agora em saber quem será o campeão. Com a Académica do Lobito já despromovida, a jornada de hoje vai determinar quem vai acompanhá-lo nessa triste missão. Académica do Soyo, Benfica de Luanda, FC de Cabinda e 1º de Maio de Benguela constituem o quarteto que pode dizer adeus ao Campeonato Nacional. Todas têm tarefa difícil, principalmente os gorilas do Norte que, como se disse, defrontam o já campeão Recreativo do Libolo. A Academica do Soyo é, das “aflitas”, aquela que está em melhores condições de permanecer na “fina-flor” do futebol nacional. Aos estudantes de Tramagal basta apenas um ponto para a sua manutenção, mas tem de fazer pela vida, porque o seu adversário, Recreativo da Caála, é o vice-campeão.

O Benfica de Luanda e o 1º de Maio de Benguela, que actuam na condição de visitados, defrontam o Interclube e o FC Bravos do Maquis, respectivamente. Tanto as águias, como os proletários, principalmente os segundos, estão obrigados a vencer caso queiram continuar a sentir o “perfume” da I Divisão. Assim, dos quatro candidatos à despromoção, Benfica de Luanda, FC de Cabinda e 1º de Maio de Benguela são obrigados a vencer para não dependerem de terceiros. Por último, no Dundo, o Sagrada Esperança recebe a Académica do Lobito, lanterna vermelha, num jogo em que é favorito. Contudo, os diamantíferos têm de se entregar a fundo, caso queiram sair vitoriosos da partida, porque os estudantes lobitangas também almejam fechar a competição com “chave de ouro”. PA   

“Título representa
muito para nós”
 
O presidente do Recreativo do Libolo, Rui Campos, assegurou ontem ao Jornal dos Desportos que a conquista do Girabola 2011 representa muito para o colectivo. O responsável máximo da equipa de Calulo, que falava no âmbito do desfecho oficioso de um dos casos mais polémicos do campeonato nacional, fez questão de assegurar que está apenas à espera de saber com quantos pontos de avanço vão ser campeões do Girabola. “O título representa muito para nós, mas não podemos falar sobre isso ainda, porque sabemos que o Soyo recorreu da decisão da federação e que a Comissão Jurisdicional está a analisar o assunto. Sabemos também que quando isto finalizar, a FAF vai emitir um comunicado com a decisão final”, começou por frisar Rui Campos, para em seguida acrescentar:

“Esperamos que seja reposta a verdade desportiva. De qualquer forma estamos expectantes, porque este é um assunto que não nos diz directamente respeito, porque tem a ver com os clubes que protestaram.”Mas o presidente do Libolo não tem dúvidas quanto ao desfecho do jogo desta tarde diante do FC de Cabinda. O presidente do Recreativo do Libolo afirma, sem receios, estar tudo preparado em Calulo, para que o título seja muito bem festejado. “Estamos a encarar este jogo com responsabilidade e com dever de ganhar.

Preparámos a equipa para ganhar este jogo e penso estar tudo preparado para vencermos o FC de Cabinda amanhã (hoje) e nos sagrarmos definitivamente campeões nacionais”, disse, de forma categórica, o responsável máximo do conjunto de Calulo, sublinhando ser este o objectivo de todo o grupo de trabalho. “É este o objectivo da equipa, é esta a vontade da direcção, dos atletas, técnicos e adeptos. Os jogadores estão motivados, a grande maioria deles nunca foi campeão. A motivação é grande e é suficiente para levarmos de vencido o FC de Cabinda”. O presidente dos libolenses descarta qualquer possibilidade dos gorilas do norte “roubarem” pontos em Calulo.

“Será algo inédito na história do clube. Começámos este projecto há cinco anos, jogámos na II Divisão e este é o quarto Girabola em que participamos. Quando iniciámos a nossa participação no campeonato, colocámos como objectivo sermos campeões nos primeiros cinco anos e vamos ser ao quarto ano. É bom. Vamos agora sustentar o projecto, para que possamos ganhar mais vezes e lançar o projecto da internacionalização do clube”, assegurou. A finalizar, Rui Campos pediu aos adeptos do clube que não deixem de apoiar a equipa do principio ao fim do jogo e que continuem, por muitos anos, a estar ao lado da equipa, mesmo naqueles em que nada corra bem, porque assegura estar convicto de que “ninguém ganha sempre”.
Paulo Caculo, em Calulo

Prémio para campeão
no segredo dos Deuses

A direcção do Recreativo do Libolo pode já ter preparado um prémio aliciante para a equipa, em caso de conquista inédita do Girabola. O nosso jornal apurou, aqui em Calulo, que além de um valor monetário, os pupilos de Zeca Amaral podem ser igualmente recompensados com residências, fruto de alguns patrocínios angariados pela direcção do clube. Mas, prognósticos à parte, Rui Campos recusa avançar a dimensão dos prémios que a equipa receberá, em caso de consagração do título. O presidente dos libolenses limita-se a esclarecer que o clube tem um regulamento de prémios interno e que deve respeitar.

“Temos prémios consoante as dificuldades e temos um por objectivo. Amanhã (hoje) é o último jogo do campeonato e este confunde-se com o objectivo. Digamos que falta pouco para se alcançar o objectivo e os atletas poderem ter o prémio de campeão nacional e é isso que está a motivá-los”, disse. Questionado se podia revelar o valor do provável prémio de campeão nacional, Rui Campos recusou-se a fazê-lo, justificando ser uma questão interna do clube, pelo que, não ficava bem-estar a desvendar. “O nosso código de conduta estipula que as questões de balneário fiquem connosco”. PC

Enoque reintegra onze

O regresso de Enoque ao “onze” é a grande novidade na equipa do Recreativo Libolo tendo em vista o jogo desta tarde, às 15h30, no estádio de Calulo, diante do Futebol Clube de Cabinda. O lateral recupera o lugar no quarteto defensivo dos libolenses, depois de ter cumprido castigo federativo na jornada anterior, por acumulação de cartões. A reintegração do experiente jogador no núcleo forte de Zeca Amaral não deixa de representar uma boa-nova para o conjunto de Calulo que, em face disso, volta a dispor de condições para reeditar diante dos gorilas do norte a habitual linha defensiva.

Apesar de no jogo desta tarde estar em causa a conquista inédita do campeonato nacional, o treinador do Libolo não deve efectuar grandes alterações ao conjunto, devendo manter intacto o “esqueleto-base” da equipa. No último treino, realizado ontem de manhã, Zeca Amaral deixou transparecer a ideia de querer apostar num futebol pragmático, baseado na execução de jogadas ofensivas rápidas, troca e posse de bola e jogadas envolventes pelos extremos.

Reeditar onze 
Embalados pela ambição de festejarem hoje o primeiro título no Girabola, os jogadores do Libolo mostram-se todos disponíveis para o embate com o FC de Cabinda. Embora o plantel não possa integrar todo a convocatória, a equipa técnica salvaguardou o direito de chamar para o jogo da provável consagração todos os jogadores que esta época ajudaram a dar corpo ao conjunto.A equipa técnica acredita que a presença de todos será fundamental para a importante corrente de apoio e incentivo que se espera para a equipa. Motivação é a palavra de ordem no seio do balneário às ordens de Zeca Amaral.

E como não se vislumbram grandes novidades em relação ao onze que defrontou o Progresso na jornada anterior, apesar da derrota, o Libolo deve actuar com Ângelo à baliza, devendo a muralha defensiva ser composta por Fernando, Gomito, Enoque e Manuel Lopes. O sector intermédio, salvo alterações de última hora, deve voltar a ser povoado por Pedy, Adawa, Hugo e Vado, ao passo que a linha atacante deve estar à responsabilidade da dupla formada por Aguinaldo e Rasca.

O sonho é laranja

Paira no céu o laranja, a cor do Recreativo de Libolo. Em cada pedaço de Calulo desfralda uma bandeira, a marca da esperança de um campeão. Em cada coração, o sentimento está enraizado num desejo. O título. Nas ruas magras do vilarejo, um sorriso de felicidade esconde-se nas almas dos adeptos de todas as idades. Velhos, adultos, jovens e crianças. A crença no título está cravada no Girabola que se afunda nos anais da história de 2011. De um lado, a frustração corrói os desejos, alegrias e encantos de outros. Desespero e apreensões não fazem morada entre os adeptos e população de Calulo. Mas todos amam o futebol.

O desporto rei tem uma dimensão especial este fim-de-semana. Em 36 anos de existência de Angola,  Recreativo de Libolo tem a oportunidade de se inscrever na história do futebol nacional. Este é o sentimento de cada agente do desporto: adeptos, atletas e dirigentes. A festa vai começar hoje e vai arrastar-se até o dia da dipanda, que se comemora a 11 de Novembro. O bairro Capopa alberga um salão de 100 metros quadrados, erguido propositadamente no meio do campo 11, junto à fortaleza de Calulo, para a festa de logo. Ninguém pensa noutra coisa senão no título. Matondo João Cláudio, funcionário público e adepto do Recreativo da Caála, deslocou-se de Luanda para assistir à “consagração do Libolo”. O jovem explica as razões da sua crença.

“Tenho futebol no sangue e estou convencido de que o Recreativo do Libolo é campeão do Girabola. Tudo o que fizeram ao longo da época, vai terminar em glória. Por isso, vim testemunhar a consagração da equipa local”, disse. Matondo revelou outra razão de fundo: “Apostei com os meus amigos e quero ganhar dinheiro. Libolo é campeão nacional”. Guilherme Sambo, adepto e residente em Calulo, foi mais peremptório. “A consagração vai ser com uma vitória de 2 a 0, porque jogamos em casa e diante da grande massa humana. A claque não vai calar-se ao longo de toda a partida para empurrar os miúdos para a vitória. Nada o vai deter”, disse.

Isabel Velares Machado, adepta do 1º de Agosto e residente em Viana, Luanda, está desde sexta-feira nesta localidade para testemunhar a consagração da equipa da terra da sua mãe. A estudante do ensino médio diz que tem algum afecto pelo Recreativo de Libolo, razão que a vai levar hoje a gritar alto, no encerramento do Girabola.“O meu grito é reservado, tendo em conta a pressão que o Libolo vai ter diante do FC Cabinda, equipa que luta para se manter na alta-roda do futebol nacional. Por isso, digo que estou um pouca céptica quanto ao título. Estou mais para a consagração do que falhar”, disse. Marisa Isabel é comerciante e residente em Calulo. Adepta confessa do clube, diz que “é uma questão de hora para se testemunhar o primeiro título de uma grande equipa de África”.
 Francisco Carvalho, em Calulo