Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Libolo e Petro empatam com penltis inventados

Betumeleano Ferro - 19 de Julho, 2018

Juiz marcou dois Penltins inexistentes no principal duelo da 24 ronda do campeonato

Fotografia: Edies Novembro

Erros crassos do árbitro Rodrigo Aleixo, dos quais resultaram três grandes penalidades, duas delas inexistentes a favor do Recreativo do Libolo, foram determinantes para que o cartaz da jornada entrasse para a história do campeonato, por não haver memória de um jogo com quatro golos, todos eles de penálti, dois para os libolenses, igual número para os tricolores. 
O jogo entre libolenses e tricolores poderia ficar na história por outros motivos, porém, tão logo a mão visível da equipa de arbitragem começou a aparecer em campo, as duas equipas perderam atitude competitiva, deixaram de tirar as coisas boas do seu tesouro, para tentar tirar proveito da grave miopia que afectava o árbitro e seus assistentes.
Antes da polémica chegar ao jogo, havia um esforço do Libolo em forçar o andamento do jogo, porque o ar rarefeito iria fazer com que o Petro perdesse fulgor nos minutos finais. Ainda assim, foi o tricolor quem primeiro cheirou o golo mas Tiago Azulão desconfiou com a esmola do guarda-redes Maguete, por isso, o grito de golo ficou preso nas gargantas dos colegas e dos adeptos.
O equilíbrio era a nota dominante em campo, quando num ápice o caldo entornou, primeiro o árbitro assinalou uma falta inexistente de Herenilson à entrada da área, e, pouco depois assinalou o primeiro penálti do jogo, Magrão viu a sombra de Élio e mergulhou. Satisfeito com o empurrão do juiz, Magrão tirou o primeiro zero do marcador aos 38´, sendo que este lance acabou por ter consequências no jogo, como ficou evidente na segunda parte.
A etapa complementar começou bem para o Petro de Luanda, uma vez mais beneficiou da primeira chance de golo, mas Tony rematou fraquinho e permitiu ao guarda-redes Maguete de desempenhar o seu papel aos 61´, mas ele mal teve tempo de comemorar muito, pois aos 64´, Tiago Azulão empatou de grande penalidade.
A partir deste lance, todo o protagonismo foi assumido pelo trio chefiado por Rodrigues Aleixo, aos 70´, Mateus está bem adiantado, o árbitro assistente deixou seguir e quando o médio tricolor cruzou, o defesa Lopes fez carga nas costas de Tony, o árbitro deu penálti, um adepto do Libolo invadiu o campo para tentar agredir o árbitro assistente, o jogo parou 10 minutos, mas Tiago Azulão permaneceu com o pé quente, chutou para o mesmo canto para fazer o 2-1.
O Petro parecia ter a cabeça no lugar, para aguentar o derradeiro assalto do Libolo mas o juiz entrou outra vez em acção, até nas imagens televisivas dá para ver que a bola foi à barriga de Mira, mas o árbitro fez prevalecer o seu critério, em meio a isso ainda expulsou Wilson, na cobrança Magrão bisou aos 90+4´ e o jogo que tinha tudo para ser grande, acabou com os atletas das duas equipas a abusar das simulações.