Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Libolo sem meias medidas

Augusto Panzo, em Calulo - 28 de Abril, 2016

Libolenses mostram veia goleadora no duelo diante dos aviadores e ficaram por marcar mais uns tantos golos

Fotografia: Jornal dos Desportos

O campeão nacional deu ontem à tarde, em Calulo, uma basta à anormalidade de resultados no Girabola Zap 2016. Ou seja, o Recreativo do Libolo que estavam há três jogos sem vencer, descarregou a sua fúria no Atlético Sport Aviação (ASA), numa partida em que o resultado peca por defeito, pois os libolenses tiveram condições para marcar mais do que quatros golos.

Os golos de Brito, Fredy e Diawara na primeira parte do desafio, fazia prever que não havia condições favoráveis para o ASA "voar" em Calulo. Por isso, surpresa foi o facto de o Recreativo do Libolo ter marcado apenas mais um golo na etapa derradeira, quando tinha o "tapete" estendido para fazer história no duelo de campeões.

Com isso, a formação do Atlético Sport Aviação (ASA) continua amarrado à malapata  nos jogos que disputa na vila de Calulo, diante do Recreativo do Libolo. Pela segunda vez consecutiva, a equipa orientada pelo brasileiro Roberto do Carmo “Robertinho”, voltou a sair do relvado do Estádio de Calulo com um pesado fardo de 4-0. A primeira vez aconteceu na mesma data e mesma vila, mas em partida referente ao Girabola de 2015.

O pesado resultado começou com um golo madrugador apontado por Dário, aos 50 segundos, ao qual se juntaram outros, de Fredy aos 27´, Diawara aos 29´e novamente Fredy, aos 52´. 

A partida começou logo com um deslize da defensiva aviadora, que resultou no tento madrugador de Dário, o que espevitou completamente a formação caseira, que passou a atacar com maior agressividade.

Essa força atacante viria resultar ainda em dois golos consecutivos, marcados por Fredy, aos 27´e Diawara, aos 29´, tentos esses que tornaram ainda mais difícil a missão do ASA, que não conseguia chegar com facilidade à grande área do adversário.

Não obstante isso, os aviadores tentaram sempre remar, mas contra a maré, porque as suas jogadas não tinham a sequência desejada, porque a partir do meio-campo essa equipa não encontrava o entrosamento necessário.

Aliás, para piorar ainda mais a angústia do ASA, o treinador do conjunto ido de Luanda viu-se forçado a efectuar uma mexida obrigatória aos 30´, substituindo Minguito por Filhão, o que tirou certa consistência à zona intermédia, que já se apresentava fraca.

Assim é que, sem forças para atingir a baliza adversária, o Atlético Sport Aviação foi para o intervalo a perder por três bolas sem resposta.
No reatamento, os dois conjuntos voltaram com as mesmas peças usadas na primeira parte, mas aos poucos foram realizando as substituições achadas convenientes para os respectivos esquemas.

Foi mais feliz a formação de casa que, logo aos 52 minutos ampliou o marcador para 4-0, num lance em que a defensiva aviadora voltou a claudicar, não conseguindo impedir o ímpeto atacante dos libolenses.

A equipa de casa voltou a ter o domínio do desafio nos momentos que se seguiram, ante um ASA que se apresentou manietado, pois não conseguia desenvolver jogadas que lhe permitissem chegar ao golo.

Tirando proveito desse mau jogo que os aviadores fizeram, os homens de casa foram aparecendo com mais perigo na zona da equipa aviadora, porém a falta de algum discernimento na hora da finalização, bem como as qualidades que Maguette tem evidenciado ao longo dos jogos fez com que os libolenses não conseguissem ampliar ainda mais o placar.

ARBITRAGEM
Trabalho razoável


O árbitro António Caxala tentou fazer um ajuizamento equilibrado ontem, na partida entre o Recreativo do Libolo e o ASA, referente à conclusão da quarta jornada do Girabola Zap 2016. Tanto mais é que, em função desse equilíbrio a partida registou apenas uma admoestação com cartolina amarela, porque o juiz preferiu primar pela vertente de correcções verbais na maior das vezes. Isso acabou por complicar a sua actuação, porque houve faltas em que a exibição de um cartão seria ideal. O público afecto ao Libolo gritou por uma grande penalidade, mas o segundo assistente, Tomás Lima, que esteve próximo do lance achou que essa falta não existiu, ou seja, considerou que o atacante libolense fez uma simulação. Quanto ao primeiro assistente Júlio Lemos, teve uma actuação de isenção.

OPINIÃO

João Paulo - (Recreativo do Libolo)
"Estamos felizes
"
"Foi um jogo igual aos outros numa perspectiva de criação de número de ocasiões. Mais uma vez criámos mais oportunidades do que aquilo que a gente concretizou. Contudo, fomos felizes porque conseguimos concretizar alguns. Isso é bom para a estabilidade da equipa e aquilo que são os nossos objectivos”

Robertinho - ASA
"Libolo mereceu a vitória"

"Olha eu vou ser muito sucinto e objectivo na minha forma de analisar este jogo que disputámos hoje (ontem) aqui em Calulo, por ser um profissional. O Libolo esteve melhor e mereceu a vitória. De resto não tenho mais nada a dizer sobre essa partida".

MELHOR EM CAMPO
Brilho de Fredy


O árbitro António Caxala tentou fazer um ajuizamento equilibrado ontem, na partida entre o Recreativo do Libolo e o ASA, referente à conclusão da quarta jornada do Girabola Zap 2016. Tanto mais é que, em função desse equilíbrio a partida registou apenas uma admoestação com cartolina amarela, porque o juiz preferiu primar pela vertente de correcções verbais na maior das vezes. Isso acabou por complicar a sua actuação, porque houve faltas em que a exibição de um cartão seria ideal. O público afecto ao Libolo gritou por uma grande penalidade, mas o segundo assistente, Tomás Lima, que esteve próximo do lance achou que essa falta não existiu, ou seja, considerou que o atacante libolense fez uma simulação. Quanto ao primeiro assistente Júlio Lemos, teve uma actuação de isenção.