Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Liderana condio

Paulo Caculo - 12 de Maio, 2017

Petrolferos reassumem condio o comando do campeonato nacional

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Nouvembro

Quando tudo parecia que o jogo frente ao Santa Rita seria favas contadas, a julgar pela excelente exibição patenteada pelo Petro de Luanda na recepção ao Sagrada Esperança, a historia foi completamente diferente. Foi necessário um pénalti duvidoso para os tricolores deixarem o Uíge com os três pontos.

Tiago Azulão foi feliz no seu regresso marcando o único golo da partida e que deu o triunfo da sua equipa no jogo de abertura da 14ª jornada, um resultado que se ajusta perfeitamente aos tricolores pelo maior volume de situações de perigo criadas.

A jogar em casa e diante dos seus adeptos, não admirou que fosse pertencer a iniciativa de tomar de assalto o último reduto contrário aos anfitriões. Embora a atitude fosse valer algumas jogadas de perigo junto à baliza de Gerson, as investidas protagonizadas pelo ataque dos católicos não passou disso mesmo, de meras intenções, pois, esbarravam sempre na grande muralha montada por Beto Bianchi.

A abordagem ao jogo feita pelos tricolores revelou-se determinante para a consolidação do propósito de conservar a posse de bola e, por via disso, criar ocasiões de golo. Umas vezes por Job e outras por Tony e Manguxi, a equipa do Petro mostrou-se capaz de descobrir as vias de acesso à área contrária e provocar calafrios à defesa.

E a despeito de ter criado inúmeras ocasiões para marcar, a primeira grande situação flagrante de golo rubricada pelos petrolíferos surgiu aos 21 minutos, por intermédio do avançado brasileiro Tony, num remate enquadrado para a baliza contrária, com a bola a embater no poste. O Santa Rita procurava ripostar da melhor forma os insultos do adversário, tendo apostado por remates à longa distância. E, diga-se, nesse aspecto, que era, na maioria das vezes, por iniciativas de Simão, Vemba e Gazeta que o caudal ofensivo ganhava curso para seguir em frente.

A segunda parte foi um autêntico paradigma da etapa inicial, tendo predominado o equilíbrio, embora tivesse pertencido ao Petro as situações de golo mais flagrantes. Aos 72', o desperdício de Carlinhos, na cara do guarda-redes contrário é uma prova disso mesmo. Insatisfeito com o empate, Beto Bianchi mexeu na equipa e esgotou as substituições, tendo as entradas de Diógenes, Tiago Azulão e Herenilson ajudado a acrescentar muito de novo ao futebol da equipa.

Fruto da grande pressão imprimida junto ao último reduto do conjunto da casa, os tricolores viriam a beneficiar de um penálti, aos 75', por alegada mão à bola do defesa do Santa Rita. Chamado a marcar, Tiago Azulão não desperdiçou, tendo cobrado com categoria. A vencer por 1-0, o Petro tomou conta da situação e passou a jogar mais próximo da baliza dos donos da casa.