Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Lugar de consolo

21 de Fevereiro, 2019

O Sagrada, no se deixou afectar pela ascenso do Petro e esboou uma boa reaco

Fotografia: Santos Pedro | Edies Novembro

O Petro de Luanda, não foi capaz de tomar de assalto à liderança do Girabola Zap, ao lado do seu rival 1º de Agosto, devido ao empate sem golos registado ontem, no Dundo, diante do Sagrada Esperança  da Lunda Norte, em jogo de acerto a 6ª jornada  do Girabola Zap.
O desafio ficou marcado pela intensa chuva, que começou precisamente na segunda parte, altura em que os contendores decidiram emprestar  maior dinâmica e  qualidade à partida.
O melhor que se pode dizer da primeira parte, é que o Sagrada Esperança   foi a  equipa que teve o domínio do jogo, mas não se traduziu em golos.
Os pupilos  de Agostinho Tramagal , por várias ocasiões, chegaram à baliza contrária, o que levou  o guarda-redes Élber a  intervenções apertadas.
Um dos lances mais perigosos, que podia colocar os donos da casa em vantagem, aconteceu aos seis minutos, quando o médio Luís Tati, rematou para o travessão da baliza dos forasteiros.
O fulgor ofensivo, demonstrado pelos comandados de Tramagal, criou muitas dificuldades ao último reduto dos visitantes.  Aos 22 minutos, o Sagrada reclamou penálti, quando um defesa do Petro desviou a trajectória da bola com a mão, após um remate do avançado Mussa.
Aos diamantífiros  faltou inteligência, para " furar" a muralha da organização defensiva petrolífera liderada por Wilson. Ou seja, o Petro de Luanda teve, de facto, capacidade de reacção, que lhe permitiu sair em transições rápidas municiadas por Herinilson, Manguxi e Job, porém com pouca clarividência.
O intervalo foi bom conselheiro para o Petr, que  regressou com outra dinâmica, depois da entrada de Mateus para lugar de  Manguxi. Bastaram 14 minutos, para que os petrolíferos conseguissem o que antes não tinham feito: o remate que obrigou o guarda-redes J.B Missanga à uma defesa de recurso. O autor da proeza foi Job, que mais tarde teve uma substituição forçada por lesão.
O Sagrada não se deixou afectar pela ascensão do Petro e esboçou uma boa reacção. A equipa do técnico Agostinho Tramagal intensificou a pressão, durante  vários minutos e cercou a baliza adversária, mas faltou sempre a eficácia no ataque.
Num lance de bola parada, naquele que seria o golo do Sagrada, como ficou à vista aos 80 minutos, Lépwa rematou com violência, mas o guarda-redes Élber deu "boa resposta",  justificando a aposta na baliza do Petro, com a melhor defesa da tarde.  O jovem, mais uma vez, mostrou segurança  entre os postes.
Aos 93 minutos, o árbitro António Dungula invalidou um golo de Petro, apontado por Wilson, que, na disputa  pela bola, saltou contra o guarda-redes do Sagrada.  Nem mesmo a intensa  chuva, que começou a abater-se sobre o Dundo, durante toda a segunda parte,  retirou qualidade  ao jogo.
Apesar do empate sem golos,  o desafio entre diamantíferos e petrolíferos, disputado ontem no Dundo, foi um autêntico hino ao futebol.

Treinador do Sagrada balanceia 1ª volta

O técnico do Sagrada Esperança da Lunda  Norte, Agostinho Tramagal, reconheceu que, dias antes do jogo de ontem com o Petro de Luanda , que ,apesar de ter havido  ausência alguma "falta de verdade desportiva" nalgumas jornadas, devido às faltas de comparência, que permitiram a atribuição de pontos de "bandeja" , a primeira volta do Girabola Zap foi bastante competitiva.
O treinador  realçou que é inadmissível num campeonato com 16 equipas ganhar-se pontos na secretaria por falta de comparência e que, apesar do grande salto dado pelo 1º de Agosto, o Petro de Luanda não está muito longe de lutar pelo título.
Tramagal destacou que  o  1º de Agosto está a fazer um bom campeonato porque tem uma equipa técnica antiga e que, para tal contou com o regresso do seu antigo treinador, Dragan Jovic,  responsável pela construção do actual plantel, e da conquista de dois dos três títulos
 A mesma vantagem se atribuiu ao Petro de Luanda cujo treinador Beto Bianchi, no seu dizer, orienta a equipa há quatro anos, aliado ao facto de manter a "espinha dorsal" do seu plantel.
O Desportivo da Huíla, para o treinador, também figura dessa lista porque conta com técnico Mário Soares está á frente da equipa técnica há três anos.
Tramagal considerou que, em função dos discursos cautelosos do treinador do Desportivo da Huíla, Mário Soares, que não fala em título, coloca aquela equipa no leque das que têm a possibilidades de conquistar a prova, sobretudo, pelo facto dos militares da Região Sul terem conseguido 28 pontos na primeira volta.
"Não podemos tirar o Desportivo da Huíla dessa luta, porque uma equipa que consegue 28 pontos na primeira volta  pode amealhar igual numero de e conquistar o título", disse o técnico, que  deu também nota positiva ao Kabuscorp do Palanca, porque, mesmo trocando  de  treinador, reforçou-se bem com jogadores de qualidade.
 Agostinho Tramagal disse que só não podem fazer parte do grupo de equipas capazes de lutar pelo título o Sagrada Esperança, Interclube e o Recreativo do Libolo, não só pelos fracos investimentos que fizeram, mas, igualmente, pelo pobre desempenho que tiveram na primeira volta.O campeonato, no geral, disse, está competitivo." A Federação Angolana de Futebol (FAF) deve apenas rever o problema da falta da verdade desportiva", sublinhou.
O técnico reconheceu que as dificuldades financeiras que o País atravessa afecta, de forma significativa, o futebol, pois, muitas equipas com menos recursos começam a perder patrocinadores. Nesse momento, segundo Tramagal, das 16 formações que estão no Girabola Zap, apenas cinco ou seis conseguem resistir .

MELHOR EM CAMPO
Femi mostra a sua classe


À semelhança do que protagonizou em muitos outros jogos disputados no Dundo, o médio do Sagrada Esperança destacou-se, mais uma vez, como a melhor unidade em campo. O nigeriano ao serviço dos diamantíferos da Lunda-Norte, deu nas vistas ao fazer jogar a sua equipa . Com o seu pé esquerdo, foi o responsável por todas as investidas da organização do jogo ofensivo do Sagrada.

TÉCNICOS
Sagrada Esperança
(Tramagal) "Merecíamos ganhar"


"Não conseguimos um ponto. Quem logrou um ponto é o Petro em nossa casa.  Pelo volume ofensivo que tivemos, merecíamos vencer o jogo.  Continuamos a pecar na finalização. Apesar de tudo, foi um grande jogo de futebol. Um hino ao nosso futebol, entre duas belíssimas equipas"

Petro de Luanda
(Beto Bianchi ) "Só faltaram golos"


"Jogamos num campo muito pesado com toda essa chuva, que caiu durante todo o jogo. Mesmo assim nós tivemos o controlo de jogo no segundo tempo. O desafio foi repartido,  porque o Sagrada esteve melhor no primeiro tempo, mas por aquilo que fizemos, no segundo tempo, merecíamos um golo”.

ARBITRAGEM
António Dungula mostra serviço


O árbitro António Dungula esteve bem em todos os aspectos. Desde o capítulo técnico, disciplinar, até ao físico. Mostrou cinco cartões amarelos ,por justa causa, a igual número de atletas. Três do Sagrada e dois do Petro. O Juiz tomou boa decisão ao não marcar o  penálti que o Sagrada reclamou a seu favor  assim como não  validou o  golo do Petro. Portanto  a sua actuação, a dos seus assistentes foi positiva.