Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Machado contra a paragem

Betumeleano Ferro - 22 de Junho, 2016

Tcnico do 4 de Abril do Cuando Cubango diz que a paragem do campeonato

Fotografia: Nuno Flash

O técnico João Machado revelou ao Jornal dos Desportos, estar a ver interesses alheios ao futebol na longa paragem do Girabola ZAP. A larga ponte, entre a primeira e a segunda volta, desagrada o consagrado treinador, "eu desconfio de alguma coisa, está claro que alguma coisa está a acontecer, não querem que se jogue por causa dos interesses televisivos, porque o Euro está a decorrer", lamentou.A paragem do campeonato "é descabida", assegurou João Machado, garantiu que alguém acautelou os seus interesses por recear perder audiência. "É o que me parece estar a acontecer, não querem jogar com as transmissões dos jogos do Euro, é este o interesse que está a ser salvaguardado", sublinhou.

O campeonato europeu é de inegável qualidade, mas o treinador de 66 anos de idade, é contra a abertura de precedentes desnecessários, pois concluiu que não se deu primazia ao interesse do público. "É prejudicial o que está a acontecer, é uma paragem muito longa que só traz prejuízos a quem participa no Girabola, os campos ficam vazios, porque as pessoas são livres de ir ver os jogos, mas nada justifica que se páre o campeonato durante muito tempo", garantiu.

O longo defeso do Girabola ZAP força João Machado e o seu 4 de Abril, a terem de usar muita imaginação para manterem a forma desportiva, para o segundo turno do campeonato. "As pessoas não têm capacidade nem imaginam, o quanto isto nos prejudica, a minha equipa não tem poder financeiro para aguentar este tipo de situações, infelizmente, nós é que temos de encontrar soluções", afirmou.

As sucessivas e às vezes longas paragens do campeonato, esgotaram em definitivo, a paciência do decano dos treinadores angolanos, este ano comemora 34 anos de carreira. "Em nenhuma parte do mundo, eu vejo a acontecer o que está a acontecer aqui, daqui à dias vamos ter de parar de novo, por causa do jogo da selecção, são muitas paragens que não beneficiam ninguém", alertou.

A primeira volta do campeonato angolano terminou no dia 12 de Junho, as férias simbólicas terminam a 9 de Julho. Até lá, o 4 de Abril dribla o defeso, para ter condições competitivas de receber bem o Petro de Luanda, "os outros porque têm poder financeiro, vão até ao estrangeiro fazer estágios, e nós vamos aonde? O que podemos fazer sem dinheiro? É esta a nossa verdadeira condição", ­deplorou.  

OBJECTIVO
4 de Abril lança apelo financeiro para manter objectivo


A época de estreia da equipa  4 de Abril na primeira divisão nacional, está a decorrer sem sobressaltos, mas o consagrado João Machado ambiciona ver os filhos e amigos do Cuando Cubango darem  a ajuda financeira possível à sua equipa. "Permitam-me por favor, usar as páginas do jornal para lançar um grande apelo aos empresários da província, e aos que estão fora dela, para que nos apoiem com o que puderem, estamos a precisar muito do vosso apoio financeiro", solicitou.

O clube das terras do fim do mundo, está acostumado a sobreviver com pouco, motivo por que João Machado espera, que as pessoas não sintam o receio de ajudar."O 4 de Abril não tem poder financeiro, é por isso que estamos a pedir ajuda, para colmatar algumas situações. Sem poder financeiro, não temos como resolver questões, que surgem no decorrer do campeonato", afirmou.

Por exemplo, para a longa paragem do Girabola ZAP, é boa oportunidade para fazer estágios ou jogos de preparação, mas o 4 de Abril está de mãos atadas porque está sem o mais importante, o dinheiro. "A província mais perto de nós, o Bié, está há mais ou menos 320 quilómetros de distância, mas temos mais chances de conseguir bons jogos de controlo se formos um pouco mais distante, mas sem poder financeiro não temos como ir e voltar", esclareceu.

PAUSA
Falta de dinheiro
dificulta estágio


O 4 de Abril é um clube modesto, a direcção, equipa técnica e plantel sabem quanto a casa gasta, e fazem os possíveis de evitar despesas desnecessárias. "Eu fiz uma planificação, em função da paragem do campeonato, mas é muito difícil sair do Cuando Cubango, porque falta-nos o tal poder financeiro, o dinheiro que temos não permite pensar em estágios ou convidar equipas, para virem disputar connosco jogos de controlo", lamentou.

A situação financeira do país está a afectar a todos, ainda assim, o sexagenário João Machado revelou que  vai sentir-se satisfeito se o seu apelo for escutado, por mãos caridosas e prestimosos. "Nós desejamos todo o tipo de ajuda, eu confesso que vou ter motivos de satisfação se aparecer uma pessoa singular ou colectiva, que nos dê algum dinheiro que chegue para realizarmos pelo menos três ou dois jogos de controlo, antes do início da segunda volta", reafirmou.

O 4 de Abril está habituado a driblar as adversidades, durante a fase de apuramento a equipa percorreu por estrada o país de uma extremidade à outra,  a subida de divisão deu um pequeno "luxo" ao clube do Cuando Cubando. "Agora, viajamos de avião, mas durante anos era tudo por estrada, as pessoas não imaginam quantos sacrifícios consentimos, para chegar ao Girabola", rematou.