Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Maquis e Cala jogam pressionados

19 de Julho, 2015

Caalenses tentam amealhar pontos no jogo frente ao Desportivo visando a fuga despromoo

Fotografia: Jornal dos Desportos

Contudo, o apelo maquisarde para se manter em prova tem de ser justificado com acções ou vitórias, uma tarefa nada fácil para quem deveria concentrar-se apenas em jogar.

As dificuldades por que passam os maquisardes vai a qualquer momento influenciar no rendimento dos seus jogadores, afinal eles também estão com o futuro indefinido. O brio profissional do plantel tem sido elogiado pela direcção, mas esta tarde vai precisar de muito mais para conseguir derrotar um adversário capaz de alternar o bom com o mau de uma jornada para outra.

O Petro esteve ao nível que nos habituou no campeonato na ronda passada, não convenceu, mas cumpriu a sua obrigação. O adversário desta tarde também passa por problemas financeiros, mas tem um plantel mais recheado do que o do Sporting de Cabinda.

O percurso dos contendores está a ser feito de muitos altos e baixos. Desta maneira torna-se muito difícil atribuir qualquer fatia de favoritismo a uma das equipas. O mais consensual é aceitar que ambas estão em igualdade de circunstâncias e podem, se estiverem inspiradas, exibir-se de acordo com a qualidade dos seus plantéis, que é boa, apesar da intermitência de resultados.

A luta pela fuga à despromoção vai animar toda a segunda volta do campeonato. Assim, é normal que haja muito interesse em ver o que o Clube Recreativo da Caála é capaz de fazer no terreno do Desportivo da Huíla.

Os militares da região sul demoram a engatar, mas estão em posição mais privilegiada que o adversário. A equipa caalaense tem de jogar com espírito de final para adiar a iminente descida. A pressão de vencer vai afectar muito o estado psicológico dos atletas que sentem a cada desaire, que estão mais próximos do fracasso.

A equipa de Ivo Traça também precisa de ganhar para afastar o espectro da despromoção, mas não necessita de comportar-se como se estivesse numa situação de vida ou de morte, como sucede com o seu adversário.