Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Maquis o novo lder da prova

Jorge Neto - 22 de Março, 2010

Everton coloca maquisardes na liderana do campeonato

Fotografia: Jornal dos Desportos


O FC Bravos do Maquis assumiu o primeiro lugar do campeonato ao derrotar ontem, no Estádio 11 de Novembro, a formação do Interclube por uma bola sem resposta, com um golo de belo efeito marcado pelo brasileiro Everton a dois minutos do final da partida.A jogar em casa, a equipa da polícia dominou a partida, mas não soube tirar proveito das inúmeras oportunidades criadas ao longo do desafio.

O técnico Álvaro Magalhães bem pode queixar-se dos falhanços protagonizados pelos seus pupilos que lhes custou a perda dos primeiros três pontos no campeonato e, consequentemente, a liderança da prova. A vitória dos maquisardes não sofre qualquer contestação pela bravura que a equipa demonstrou desde muito cedo no jogo e pela excelente forma como o brasileiro Everton, lançado para o desafio aos 76´, resolveu a contenda.

O jogo em si, não foi um regalo para quem o assistiu, mas teve bons momentos, com as duas equipas a lutarem muito a nível do meio-campo, embora a equipa da casa comandasse as operações dentro do campo. Minguito, Paty e Manucho Barros movimentaram as acções ofensivas dos polícias que criaram muitos perigos à baliza defendida por Laurentino que se mostrou seguro entre os postes.Com pouco público a presenciar o jogo, ainda assim, o Interclube esteve bem apoiado pela sua claque que não se cansou de puxar pela sua equipa. Pena foi o balde de água fria que sofreram a dois minutos do final quando se pensava que o empate estava consumado.

João Machado veio à Luanda com objectivos bem definidos e num jogo bastante sofrível conseguiu levar a melhor que o seu adversário e amealhar os três preciosos pontos para o Moxico. A forma como jogaram os maquisardes num sistema quase que defensivo, dando a posse de bola ao adversário e explorando o contra-ataque rápido acabou por ser feliz. Na realidade, o resultado poderia ter sido outro se os pupilos do português Álvaro Magalhães concretizassem as oportunidades. De resto, uma situação que a equipa técnica terá de rever nos próximos treinos para que não voltem a repetir-se. O árbitro Manuel Francisco teve um trabalho regular sem qualquer influência no resultado final.

FICHA TÉCNICA
 
Interclube: 0
FC Bravos do Maquis: 1
(Everton 88´)

Estádio: 11 de Novembro
Árbitro: Manuel Francisco
Assistentes: Luís Miranda e Luís Mateus
4º árbitro: Cardoso Costa
 
Interclube: Mário; Paulito, Fabrício, Dias Caíres, Fisse; Capuco, Nari, Paty, Minguito (cap), Messi; Manucho Barros.
Treinador: Álvaro Magalhães.
Substituições: Capuco por Pedro Henriques, Messi por Zé Augusto e Minguito por Bala
Acção disciplinar: Minguito viu a cartolina amarela.

FC Bravos do Maquis: Laurentino; Tião, Edson, Nando (cap), Chora; Marcelo, Marlon, Leandro, Benvindo; Chole e Breco.
Treinador: João Machado
Substituições: Leandro por Arsénio, Breco por Everton e Marcelo por Igor. 
Acção disciplinar: Tião viu a cartolina amarela.


Caála e Desportivo acordam empate
 
O Clube recreativo da Caála e o Desportivo da Huila acordaram um empate, a dois golos, neste domingo no estádio dos Kuricutelas no Huambo. A divisão de pontos serve bem por aquilo que as duas equipas fizeram, uma vez que faltou  espectáculo e emoção.Não fosse os quatro golos marcados neste encontro, nada parecia ser uma partida do Girabola, se olharmos pela qualidade do jogo que ambas equipas patentearam diante de cerca cinco mil espectadores. 

O Recreativo da Caála abriu as hostilidades com golo de Jascó aos 33 minutos de jogo, numa primeira parte dominada pela equipa do planalto central. Até ai o resultado de um zero combinava com o espectáculo pobre que as duas equipas desenvolveram. No reatamento, a equipa do Desportivo da Huila acordou, com as entradas de André e Abega, que tomaram conta do meio campo. Os golos de Orlando, aos 69, empate a uma bola, e de Abega, aos 73, dois a um, veio mostrar à equipa caalanse que poderia perder se não tomasse mais cautelas. Feito o dois a um o técnico da Caála Rui Gregório, fez duas substituições tirando Mauro bastos para entrar Clauco (53).

O central Tana saiu para entrada de Buba, 73 minutos,  e Jacó deu o lugar a Osório. O golo do empate veio da cabeça de Buba que, dentro da área, finalizou com êxito cruzamento da esquerda de Clauco. Um resultado justo pelo desempenho das duas equipas, que facilitaram o trio de arbitragem chefiado pelo senhor Manuel Alberto de Luanda. A Caála somou o seu quinto ponto na tabela classificativa, enquanto o Desportivo da Huila conseguiu o segundo ponto no Girabola de 2010, depois de quatro jornadas realizadas.

                                                                          João Constantino| no Huambo

Sporting de Cabinda soma
primeira vitória no Girabola

"Leões" do norte venceram ontem o Santos Futebol clube por 1-0. Com um golo solitário do atacante camaronês, Joseph, apontados aos 55 minutos na etapa complementar, a formação do Sporting de Cabinda, venceu, ontem, nesta cidade, o Santos FC, por uma bola a zero, em jogo disputado no Estádio Nacional do Chiazi, pontuável para a quarta jornada do Girabola.

Com a conquista dos três pontos, o Sporting de Cabinda comandado pelo técnico Albano César, somou a sua primeira vitória no Campeonato Nacional de Futebol, vulgo Girabola. Os leões do norte perderam nas três primeiras jornadas com o Sagrada Esperança, Recreativo do Libolo e Petro de Luanda, por uma bola a zero. Na etapa inicial do desafio, as duas equipas entraram em campo a jogarem de forma cautelosa, devido às péssimas condições em que se encontrava a relva por causa da chuva que caiu, ontem, nesta cidade.

O jogo começou a desenrolar-se sem ritmo adequado devido a água acumulada na relva, o que não permitia que os jogadores dos dois conjuntos jogassem à vontade. Contudo, apesar das dificuldades da relva, o Sporting de Cabinda organizou-se criando perigos na baliza de Jota Bé. O Santos FC, a jogar fora do seu habitat não quis cruzar os braços subiu no terreno do adversário e conseguiu ter o controlo do jogo, o que impediu os “leões” do norte de fazerem o seu jogo habitual.

No segundo tempo, os leões do norte entraram com outro dinamismo, tendo criado nos minutos iniciais perigos de golo. A formação do Santos FC também entrou com outra postura, criando dificuldades à equipa da casa, que esteve a jogar sob uma grande  pressão dos seu adeptos que pediam golo e aos 50 minutos o atacante camaronês Joseph inaugurou o marcador.

Após o golo, os leões do norte subiram no terreno incomodando o sector defensivo do Santos FC. Com a expulsão do defesa Nzau, o técnico Mário Calado ficou com sector defensivo enfraquecido, o que permitiu ao Sporting de Cabinda aproveitar-se da situação. Com vista a dar maior produtividade ao jogo, o técnico Albano César fez entrar em campo o médio Lami que deu outra velocidade ao sector ofensivo dos leoninos. O Santos FC que veio a Cabinda para conquistar a vitória tudo fez para conquistar os três pontos, mas os “leões” do norte não permitiram que a formação da capital do país marcasse na sua baliza.

FICHA TÉCNICA

Sporting de Cabinda: 1
Santos FC: 0
Estádio: Chiazi
Árbitro: Hélder José
Assistentes: Miguel Luvumbo e Orlando Pimenta
4º Arbitro: Ismael Nionge
Sporting de Cabinda:  Manucho; Eduardo, Gastão, Binda, Nani; Abó, Malik, Folha (Lami); Fefé (Guelo), Joseph e Fiston (Vemba).
Técnico Principal: Albano Cesar.
Santos FC: Jota Bé; Edú, Solange, Nzau; Zezão (Rainho), Chico Caputo, Buanza, Tunga (Didi), Micki (lebo Lebo); Paz e Sawu.
Técnico Principal: Mário Calado.
Acção Disciplinar: foram mostrados cartões vermelhos aos Kalik (Sporting de Cabinda) e Nzau (Santos FC).
Foram advertidos com a cartolina amarela: Nani e Binda (Sporting de Cabinda).

                                                                                      Joaquim Suami| em Cabinda