Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Maquis prepara "operao Calulo"

18 de Maio, 2015

O plantel maquisarde voltou ao trabalho

Fotografia: Jos Soares

A equipa técnica descontente com resultado, não concedeu folga aos jogadores e ontem, o plantel maquisarde voltou ao trabalho. Numa sessão muito concorrida, os jogadores não utilizados no jogo de sábado, incidiram a preparação nos aspectos técnicos e tácticos, enquanto os atletas que jogaram trabalharam na recuperação física.

Consciente do grau de dificuldade, que pode encontrar na visita ao campeão nacional, a equipa técnica dos maquisardes aposta numa preparação em que a concentração e o rigor táctico, vai ser a chave para alcançar um resultado positivo em casa do adversário.

As oportunidades criadas e não concretizadas, deixaram Zoran Macki e seus colaboradores, preocupados. E para não voltar a repetir as mesmas falhas, o Jornal dos Desportos apurou que ao longo das sessões que antecedem ao jogo, esses aspectos vai ser revistos com muita atenção.

Durante a semana, antes da deslocação a Calulo, o único representante do Moxico vai criar a estratégia convincente e demolidora, para conseguir alcançar a primeira vitória fora, uma vez que em 13 jogos, seis dos quais fora, a equipa ainda não venceu nenhum.

Facto curioso, é que das cinco vitórias conseguidas esta época no Girabola, todas são caseiras, assim como os dois empates, enquanto isso, as seis derrotas foram todas na condição de visitante. Uma safra que o conjunto maquisarde pretende inverter.


DÉRBI DO LESTE      
Técnicos descontentes com resultado


Esteve sem brilho, o dérbi da região leste de Angola, entre o FC Bravos do Maquis e o Sagrada Esperança, que terminou sábado, no estádio Mundunduleno, com igualdade a um golo, desfecho que não agradou aos técnicos das duas formações.

Os últimos dois resultados dos maquisardes no campeonato nacional, não foram de encontro aos objectivos traçados pela equipa técnica,  está a criar um certo inconformismo no seio do grupo, face aos objectivos traçados para esta temporada.

A equipa do Moxico, a jogar em casa, tinha como único plano vencer o desafio, mas não ganhou por pouco, ou seja, muito pela ineficácia do actual melhor marcador da equipa, Chole, que falhou uma grande penalidade, que podia colocar a formação da casa à frente do marcador.

Jorge Prisca, técnico-adjunto maquisarde, não comentou o caso,  considerou que o jogo foi muito bem disputado e se tivesse de haver um vencedor justo, era o FC Bravos do Maquis e  admitiu ainda que o empate não é mau de todo.

“Criamos muitas oportunidades de golo e podíamos ter ganho o jogo, sem grandes problemas, mas não foi possível. Vamos continuar a trabalhar à procura de bons resultados, sempre com a mesma força, determinação e coragem”, comentou com semblante triste.

Na formação diamantífera, Zoran Macki, com o mesmo discurso manifestou-se desapontado e afirmou que o empate não fazia parte dos planos traçados na deslocação ao Luena, no dérbi da região leste.

“Dominámos no 90 minutos, sobretudo no primeiro tempo, em que entrámos melhor que o FC Bravos do Maquis, infelizmente, não foi como prevíamos. Estou desapontado, mas vamos continuar a trabalhar”, disse à imprensa no final do desafio, que não teve o brilho e o espectáculo aguardados.

Admitiu ter havido muita apatia na segunda metade, onde os donos da casa se agigantaram e conseguiram chegar à igualdade logo aos 47m, e  por pouco podiam chegar a igualdade, se Chole, autor do primeiro golo, não falhasse a grande penalidade.

Ainda assim, Zoran Macki, felicitou os seus atletas e avançou que as atenções estão viradas para o jogo com o Sporting de Cabinda, no penúltimo desafio da primeira volta, jogo que antevê muito difícil, pois vai defrontar uma equipa que está com o orgulho ferido da goleada sofrida em casa.
Daniel Melgas-Luena