Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares abatem guia aptica

05 de Outubro, 2015

Mateus

Fotografia: Jos Soares

A entrada de rompante dos militares foi determinante para a conquista do triunfo, num jogo em que foi evidente a apatia exagerada e falta de resistência da águia luandense. O 1º de Agosto, ao marcar dois golos em quatro minutos, alcançou, num ápice, meia caminhada para a vitória, o que aconteceu, assim como manteve acesa a esperança da conquista do título.

Aos 2 minutos, numa jogada individual, depois de evitar três adversários,  Buá contou com a colaboração do central benfiquista Jeferson para inaugurar o marcador. Sem mesmo se refazer do golpe duro, a equipa de Zeca Amaral viria a sofrer o segundo, aos 4´, por Buá, que concluiu da melhor forma um cruzamento atrasado de Mateus Galiano. A bola embateu na barra transversal e resvalou para o interior da baliza de Elber.

A dura realidade com que o Benfica de Luanda se deparava fez com que Zeca Amaral operasse mudanças no seu xadrez, fazendo entrar o atacante Bena para o lugar do médio Osório,  na perspectiva de melhorar o seu jogo ofensivo. E assim de facto aconteceu. Os encarnados passaram  jogar mais afoitos, principalmente no meio campo, equilibrando as operações. Neste senda, teve inclusive algumas oportunidades de golo mal aproveitadas por Hélio, Pedro e Fabrício. A vantagem, folgava os militares de maior labor,  procurando, no contra-ataque,  surpreender o guardião Elber.

Na segunda metade, tal como se esperava, e ainda com a preocupação de chegar ao segundo lugar, os rapazes de Zeca Amaral entraram comandando o curso dos acontecimentos, mas com os militares entrincheirados e a jogar de forma inteligente. Infelizmente para os encarnados isso não passou de uma intenção porque, na verdade, a estratégia dos militares suplantou os intentos dos encarnados que, mal esclarecidos no meio campo e no sector defensivo, facilitaram as coisas para os agostinos que jogavam com imensa confiança.

Aos 50 e aos 62´, Mateus Galiano em jogadas quase idênticas, ampliou para 4-0. O mesmo Mateus viria a falhar escandalosamente aquele que seria o terceiro da sua conta pessoal, ao acertar no poste direito da baliza de Elber, aos 64´. Com inconformismo tosco, o Benfica de Luanda reagiu de forma tímida e aos 69´, Bena marcava o golo de honra dos encarnados que terminaram o jogo com dez unidades, por  O árbitro Ailton Carmelino realizou um trabalho sem influência no marcador. Apesar de  um e outro erro, esteve em bom plano na partida. 

ASA VS DESPORTIVO
David comanda goleada aviadora


O Atlético Sport Aviação (ASA) deu ontem provas da sua força colectiva e capacidade competitiva ao golear o Desportivo da Huíla, por 4-1, num jogo em que foram donos e senhores. Os aviadores justificaram os três pontos conquistados e a permanência no campeonato, perante um conjunto huilano incapaz de reagir às adversidades. Aviadores e militares huilanos entraram para o jogo a pressionar, dinâmicos e desde muito cedo lutaram pela posse da bola. Mas acabou por pertencer aos "donos da casa" o domínio parcial da contenda.

A jogar pressionado pela necessidade imperiosa de conquistar os três pontos, na discussão pelas posições de permanência no campeonato, não admirou que fosse partir do ASA a iniciativa de adiantar-se no marcador. David, aos 34´, viria a concretizar com perfeição uma jogada de belo efeito.
Muito bem povoado no seu meio-campo, os aviadores chamaram a si as despesas do jogo. Com Milex e Silva na missão de principais armadores do caudal ofensivo, o conjunto luandense não teve dificuldades em ganhar espaços em terrenos recuados do meio-campo do Desportivo.

Ora por Guelor, ora por David, o ataque dos aviadores criava quase sempre períodos de calafrios ao último reduto dos militares da Região Sul.
Pese as dificuldades em descobrir caminhos de acesso à baliza contrária, a equipa de Ivo Traça ainda teve pernas para fazer abanar as redes do ASA, com Beto a empatar, aos 42´. O golo nem por isso mexeu com a estrutura psicológica do conjunto de Robertinho, que precisou apenas de três minutos depois para restabelecer a vantagem no marcador, novamente por David, numa perfeita execução de cabeça.

Tal como no primeiro golo, realce para o facto do avançado não ter festejado. A segunda parte foi uma cópia da etapa inicial, com o ASA a tomar conta da maior posse de bola e o Desportivo a tentar sacudir como pôde a enorme pressão a que estava sujeito. O ASA mostrava que não estava para contemplações. A equipa de Robertinho viria a dilatar o marcador, aos 64´, por intermédio de Milex. O golo acabaria por ser, também, um prémio ao excelente labor patenteado pelo experiente médio. Mesmo a vencer por 3-1 a equipa da casa jamais tirou o pé do acelerador. Muito pelo contrário. Os aviadores ainda tiveram fôlego para cimentar a goleada, aos 86´, desta feita pelo central Jonhson, que foi dar um apoio ao sector ofensivo. Paulo Caculo

OPINIÃO DOS TÉCNICOS
Zeca Amaral
BENFICA


“Morremos nas transições”

"Fazemos uma avaliação negativa sobre o jogo. Acho que morremos nas transições do 1º de Agosto. Tivemos mal em todos os aspectos porque não é normal sofrermos quatro golos num jogo. Vamos continuar a trabalhar e corrigir tudo para o último jogo do campeonato".

Felipe Nzanza

“Ganhámos bem”



"Foi um jogo bem disputado. Aproveitámos bem as oportunidades que criámos. Entramos de rompante. Ganhámos bem. Achamos que o resultado não sofre contestação. Vamos continuar a trabalhar e acreditar nos nossos objectivos".