Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares assumem liderança

Benigno Narciso, no Lubango - 11 de Março, 2017

1º de Agosto com a vitória de ontem diante do Desportivo da Huíla ascendeu a primeira posição

Fotografia: Jornal dos Desportos

O 1º de Agosto com a vitória de ontem passa o fim-de-semana “relaxado” no comando do campeonato nacional, enquanto aguarda pelo desfecho do jogo do Kabuscorp do Palanca, segunda-feira, na visita ao Santa Rita de Cássia do Uíge.

Numa partida sem muita história a artilharia militar voltou a confirmar que continua afinada neste arranque de época. Dez golos em cinco jogos, uma média de dois por partida é a demonstração da eficácia do ataque rubro negro. Ainda assim, deu-se o luxo de falhar inúmeras oportunidades. Diego aos 05´ e 20´, Bua aos 26´ e Gogoró aos 38´e 45´, em situações de golo feito, foram perdulários.

O 1º de Agosto comandou o jogo, controlou a bola à espera que o tempo passasse, enquanto o Desportivo não criava qualquer perigo. Com esta postura era difícil que o resultado se alterasse. E não mudou, claro até ao apito final da primeira parte.

Na etapa complementar Dragan Jovic foi mais feliz e inteligente na leitura correcta e redefinição da estratégia para a fase decisiva do jogo. Alterou algumas posições em campo.  A entrada de Mingo Bile e o golo apontado no minuto seguinte, logo no primeiro contacto que teve com a bola, desfez o nulo no marcador.

Abalados na sua estrutura defensiva, com o tento sofrido no reinício do desafio, os comandados de Mário Soares, como que surpreendidos com a “artilharia pesada” do adversário, viram diante de si uma outra equipa e transfigurado, com ruptura completa da postura apresentada nos primeiros quarenta e cinco minutos.

Motivados e com um futebol mais criativo e objectivo, em que se destacava o nº 7 militar no “comando” das jogadas ofensivas gizadas a partir do meio-campo, a equipa campeão nacional revelou ambição de querer mais. Duplicou aposta nas investidas ofensivas que desestabilizaram o adversário.

Fruto desse embalo e numa jogada ofensiva individual, bem conduzido por Isaac a partir da linha divisória, galgou metros, superou adversários e à entrada da grande área, descaído pela direita com um passe em forma de cruzamento curto, serviu Bua, que na pequena área, com um remate colocado bateu Nuno I e fixou o resultado final em 2-0.

Na reacção, o Desportivo, digno vencido, bateu-se com hombridade e vendeu cara a derrota. Teve oportunidades para marcar e mudar o rumo dos acontecimentos. Contudo, a falta de profundidade nas últimas acções das investidas ofensivas e a fraca capacidade de finalização, por culpa também da bem montada muralha defensiva contrária, impediram a glória dos visitados que caiu aos pés do 1º de Agosto, superior em todos os aspectos.


DECLARAÇÕES


Mário Soares Desportivo
“Faltou concentração”

“Faltou-nos concentração, bloqueio e frieza nos momentos de finalização. Essa foi uma das razões que estiveram na origem da nossa derrota. O Desportivo da Huíla é uma equipa jovem em crescimento. Por isso, vamos continuar a trabalhar para que erros verificados não voltem a acontecer.


Ivo Traça
Adj. do 1º de Agosto
“Valeram os dois golos”


 “Não foi fácil jogar na Huíla perante um adversário forte como é o Desportivo, mas valeu apenas os dois golos marcados na etapa complementar frente a uma equipa que sabe jogar com as grandes formações do país. Dar os parabéns aos nossos jogadores e a equipa adversária que apresentaram-se bem\".