Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares conservam liderana

06 de Março, 2016

1 de Agosto no teve dificuldade em vencer a formao do 4 de Abril com os atacantes a desperdiarem soberanas oportunidades para golearem o adversrio

Fotografia: Jornal dos Desportos

O 1º de Agosto desperdiçou ontem a oportunidade de fazer um resultado mais dilatado na recepção a formação do 4 de Abril, por falta de pontaria dos seus avançados e algum relaxamento face a facilidade como criavam as oportunidades para visarem a baliza contrária.

Os golos de Geraldo e de Isaac, deram mais três pontos aos militares, em igual número de jogos, confirmando o slogan deste ano “30 jogos, 30 finais”, rumo a conquista do título no campeonato nacional.

Os visitantes entraram melhor e cedo, aos 4´, levaram o primeiro sinal de perigo a baliza defendida por Dominique com um remate de Lelo ao travessão. O atrevimento dos pupilos de João Machado mereceu a pronta resposta do conjunto às ordens de Dragan Jovic, com um remate de Ibukun.

A ousadia dos visitantes teve uma reacção mais 'pesada' com Geraldo a passagem do minuto 19´, ganhar nas alturas aoguarda-redes Toni, que saiu aos papéis, após um cruzamento de Fissy,colocando os militares a frente do marcador.

Aos 31´, o atacante do 1º de Agosto podia ter bisado no desafio, mas não soube aproveitar a saída em falso de Toni, a cabeçada tomou um rumo diferente ao da baliza da formação do Cuando Cubango.

Apesar de enfrentar um adversário com maior experiência e com mais argumentos em campo, os visitantes nunca viraram a cara a luta e rematavam sempre que podiam, mas sem força e com pouco perigo para Dominique, com destaque para Manucho e Lelo que deram algum trabalho aos centrais do 1º de Agosto. Antes do intervalo Gelson, que não esteve nos seus dias, isolado atirou para defesa de Toni, desperdiçando uma boa oportunidade para dilatar o marcador. De seguida, o avançado rubro e negro direccionou mal o cabeceamento, demonstrando alguma ansiedade em marcar.

Todavia, Isaac mostrou que estava com a pontaria afinada e rematou a contar, aos 45´, não dando qualquer hipótese ao guarda-redes contrário, que teve uma tarde de muito trabalho, apesar dos avançados do 1º de Agosto serem perdulários no primeiro tempo.

No reatamento, o técnico João Machado efectuou duas mexidas de uma só sentada, procurando inverter o quadro negativo, com a desvantagem no placar. Contudo, faltou mais dinamismo na transição ofensiva, entrando no jogo que os militares desejavam.

Os agostinos marcaram o ritmo do jogo e em função da vantagem de dois golos que já tinham, não precisaram de carregar no acelarador, adormeceram o adversário, mas sempre que resolvessem acelerar, criavam sérios problemas a defesa da formação do 4 de Abril, que demonstrou pouca solidez.

A formação de João Machado pecou em muitos aspectos, tanto defensivo como ofensivo, onde no segundo tempo não deu trabalho a Dominique, que
foi um mero espectador, enquanto Gelsou dava um show de falhanços,num autêntico “dia das bruxas” para o atacante militar.

Ficha técnica

Arbitragem
Trabalho regular


O árbitro Paulo Talaia, não teve influência no resultado. Acompanhou de perto as jogadas e sempre teve o controlo do desafio, deixando claro que era ele quem mandava nas quatro linhas, não permitindo que os jogadores questionassem às suas decisões ou mesmo criar aglomerações ao seu redor. Apesar disso, teve tarde relativamente tranquila, pois, não complicou e apitou apenas as situações que assim o exigissem. Esteve bem no capitulo técnico e disciplinar.


Melhor em campo
Ibukun comanda
operação militar


O médio do 1º de Agosto, Ibukun, foi um dos destaques da sua equipa. O nigeriano ajudou a defender e esteve sempre presente nas jogadas ofensivas do conjunto orientado por Dragon Jovic. Pelo golo que marcouIsaac também disputou um lugar entre os mais destacados do desafio,mas de facto Ibukun comandar a formação militar ao triunfo, numa noite em que os falhanços fizeram impediram uma goleada histórica.


Filipe Nzanza
“Conseguimos o mais importante”


“Pensou que conseguimos o mais importante. Não fizemos o nosso futebol habitual, mas ganhamos o jogo e os três pontos que era o nosso principal objectivo. Enfrentamos um adversário que fez um bom jogo contra o Petro e ganhou ao Benfica de Luanda, mas conseguimos fazer a nossa parte. Queremos ter uma equipa regular e essas vitóriassão importantes”.


João Machado
“A equipa esteve  muito apática”
“Não sei o que se passou com a equipa, pois, esteve muito apática. Se aproveitássemos as oportunidades que tivemos na primeira parte, onde poderíamos ter marcado logo no início, mas não conseguimos. A equipa hoje (ontem) não esteve bem, esperávamos por uma outra dinâmica, mas não infelizmente isso não aconteceu”.