Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares cumprem misso com economia de golos

Jorge Neto - 23 de Dezembro, 2019

Tetra-campeo fecha a primeira volta com uma vitria convicente frente ao Wiliete

Fotografia: M.MACHANGONGO| Edies Novembro

A avalanche ofensiva apresentada, ontem, pelo 1º de Agosto, contrasta com a \"magra\" vitória de 2-0, sobre o Williete de Benguela, com golos de Mabululu e Ary Papel, mas serviu para fechar a primeira volta com um resultado positivo, mantendo assim a diferença de um ponto em relação ao líder do Girabola Zap. 
Tal como se previa, os agostinos assumiram as despesas do desafio, controlaram as acções em campo, com as presenças de Mário, Mongo e Atouba e ainda Kila, que serviam o ataque, chegando a importunar os defesas adversários, mas nem tanto o guarda-redes Mig.
Os pupilos de Agostinho Tramagal não assustaram ante a postura dos donos da casa e faziam o seu jogo, com as cautelas que se impunham. A medida que o tempo foi passando o maior poderio dos tetra-campeões os fez recuar e explorar o contragolpe.
A vitória do arqui-rival, Petro de Luanda, na véspera, aumentou a pressão da formação orientada por Dragan Jovic, que sabendo da perda da liderança no final da primeira volta, restava apenas vencer para encurtar a distância dos petrolíferos.
Contudo, o Wiliete nunca virou a cara a luta e complicou a vida ao 1º de Agosto, que a jogar em casa, sentia imensas dificuldades para transpor o guarda-redes Mig, seja, por Mabululu, Ary Papel ou o capitão Dany Massunguna, que ajudava o ataque nos pontapés de canto.
O técnico bósnio teve a contrariedade do médio camaronês Atouba, saiu lesionado, cedendo o lugar a Nelson da Luz, aos 27´, antes de ver anulado aos 21´, um golo seu, alegadamente por fora-de-jogo, pela árbitra internacional Tânia Duarte.
A comprovar o ditado que diz \"água mole em pedra dura tanto bate até que fura\", o 1º de Agosto marcou por Mabululu, aos 40´, a finalizar uma assistência de Natael, numa jogada bem elaborada do ataque agostino.
No reatamento, Agostinho Tramagal mexeu no xadrez da sua equipa, lançando numa só sentada dois jogadores, Razão e Caporal, o melhor marcador do conjunto benguelense, dando mostras de estar inconformado com a desvantagem.
Porém, os militares que mantiveram a equipa inicial, ampliaram a vantagem através de uma cabeçada certeira de Ary Papel, aos 51´, após um cruzamento de Mabululu.
O Williete acreditava que podia, pelo menos, encurtar a diferença no marcador e apostou numa postura ofensiva, correndo o risco de sofrer o terceiro golo, mas sempre com os sectores bem entrosados e com o guarda-redes Mig dando segurança aos seus colegas.
A pensar no jogo da Liga dos Clubes Campeões Africanos na próxima sexta-feira, diante do TP Mazembé, na ponta final geriu alguns jogadores do meio-campo e do ataque, carimbando o importante triunfo frente ao conjunto benguelense.

OPINIÃO DOS TÉCNICOS
Ivo Traça
(1º de Agosto)
\"Foi uma vitória
importante\"

\"É verdade que a vitória já estava nas nossas perspectivas, pois todos os jogos são para ganhar, mas não foi fácil. Jogamos contra uma equipa bem orientada e que soube complicar os nossos objectivos. Infelizmente, não gostamos de alguns gestos técnicos dos nossos jogadores, contudo, vamos continuar a trabalhar para melhorarmos.  Esta vitória foi importante porque precisamos de consolidar a segunda posição para pressionar o primeiro classificado\".

Agostinho Tramagal  
(Wiliete)
\"Perdemos com um digno adversário \"


\"Começamos bem e terminamos também bem. Sabemos que é complicado jogar contra o 1º de Agosto, ainda assim fizemos tudo para contrariar o favoritismo. Sofremos um golo em que a nossa defesa estava desconcentrada, mas procuramos o empate. Pena é que sofremos o primeiro golo, numa jogada em que foi precedido de uma falta, mas no computo geral, o 1º de Agosto foi superior, por isso lutam por objectivos mais ambiciosos no campeonato\".