Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares huilanos mantm marcha lenta

Benigno Narciso, no Lubango - 28 de Junho, 2018

Fotografia: Edies Novembro

O Clube Desportivo da Huíla foi incapaz de concretizar os seus intentos ante o Progresso Sambizanga, ao empatar ontem, no estádio do Ferroviário, no Lubango, sem golos. Longe de uma actuação de encher os olhos, a formação afecta à Região Militar Sul revelou-se improdutiva no seu próprio reduto, diante da força dos seus adeptos, e somou o sétimo empate consecutivo.
O lance de maior perigo e de golo protagonizado pelo avançado camaronês Lionel, aos 57´, revela bem a postura e actuação descolorida dos comandados de Mário Soares.
Na segunda parte, Mário Soares, ambicioso e com o objectivo de inverter o quadro, procedeu alterações. Fez entrar Manucho Dinis, Alé e Mendes, este último na frente de ataque, contudo sem os efeitos desejados que passavam por conferir outra dinâmica e postura ofensiva aos seus comandados que foram incapazes de violar a baliza contraria. Com a lição bem estudada ou talvez não, o Progresso bateu-se de peito aberto e cumpriu a sua missão, fazendo jus ao adágio segundo o qual antes um na mão do que os dois a voar e somou um ponto num terreno difícil e diante de um adversário também sempre difícil de defrontar.
Contudo, caracterizado por um futebol pouco vistoso, o desafio pautou-se pela pobreza dos artistas em campo que não demonstraram e justificaram a dimensão e peso da competição.
Nem as alterações efectuadas por Hélder Teixeira, técnico da formação sambila, trouxeram alma ao jogo e à sua equipa. Aliás, o mesmo resultado registou-se do lado da equipa caseira.
Neste sentido, e como sem golos não há vencidos e vencedores, Desportivo e Progresso abandonaram o relvado do estádio do Ferroviário da Huíla tal como entraram, ou seja, empatados.
O árbitro Chitano Francisco, bem fisicamente e condescendente disciplinarmente, teve uma actuação aceitável. Mais pedagógico do que sentenciador, advertiu disciplinarmente com a cartolina amarela em duas ocasiões e a sua actuação não teve influência no resultado final do jogo.