Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares mantm domnio

Mrio Eugnio - 29 de Fevereiro, 2016

Gelson bisou e Ibukun deixou a sua marca no drbi que valeu pela emoo mas faltou mais futebol da parte das duas equipas

Fotografia: Santos Pedro

Depois de uma estreia pouco feliz, com derrota de 0-2 diante do 1º de Agosto, o Benfica de Luanda voltou a não sair-se bem na segunda jornada do Girabola Zap, disputada no fim desemana. Os encarnados da capital foram surpreendidos pelo primodivisionário 4 de Abril, do Cuando Cubango, com o qual perderam também por 2-0.

Para uma equipa cujo objectivo principal é a disputa do título da competição, a perda de seis pontos logo no arranque pode ter implicações negativas nas contas finais. Basta recordar o que sucedeu a época passada com o 1º de Agosto, que após um arranque desastroso, mesmo tendo feito uma recuperação extraordinária não foi capaz de atingir a meta.

Embora seja apenas uma previsão hipotética, esta de o Benfica de Luanda poder passar pelo mesmo cenário vivido pelos militares, a verdade é que se quiser acompanhar a passada dos demais concorrentes, a equipa de Zeca Amaral terá de reagir já no próximo jogo, quando se deslocar ao reduto da Académica do Lobito que já deu indicações que pode fazer do estádio do Buraco um verdadeiro inferno.

Mas na jornada número dois não foi apenas o Benfica de Luanda o único candidato que viu gorada a pretensão de somar os três pontos. O Petro de Luanda também não conseguiu evitar uma inesperada derrota diante da Académica do Lobito, por 2-0. Tal como no ano passado (1-3), os tricolores voltaram a sucumbir aos pés dos estudantes, atrasando-se também na corrida ao ceptro.

Com dois dos seis candidatos de folga, por força dos compromissos nas Afrotaças, nomeadamente Recreativo do Libolo e Kabuscorp, que coincidentemente se defrontariam nesta ronda, quem aproveitou o momento foram as equipas do Interclube  e do 1º de Agosto. Os dois conjuntos mesmo com resultados mínimos cumpriram com o objectivo, somando mais três pontos na caminhada rumo ao título.

Os polícias foram até ao Huambo vencer o Recreativo da Caála na casa deste, por 1-0, depois de terem feito o mesmo resultado, na estreia, diante do Progresso da Lunda Sul, em Luanda, números que, por enquanto, lhes vai garantindo o primeiro lugar do Girabola Zap.

Por seu turno, os militares apostados em inverter o quadro do longo jejum que já levam na prova, mantiveram a tradição nos jogos com os sambilas. Com triunfo folgado (3-0) e exibição notável do inevitável Gelson, o 1º de Agosto somou a sua segunda vitória após a primeira frente ao Benfica de Luanda (2-0).

Apesar de a competição estar apenas no começo, as seis equipas candidatas ao título procuram definir posições quanto antes, a julgar pela renhida batalha que vai envolver a disputa pelo lugar cimeiro do campeonato.  

Gelson brilha no dérbi

Os militares continuam a fazer a sua caminhada triunfante no Girabola Zap e ontem a boa disposição inicial do Progresso do Sambizanga não foi capaz de parar esta intenção dos rugro e negros. Gelson bisou e Ibukun deixou a sua marca no dérbi, que valeu pela emoção, mas faltou mais futebol da parte das duas equipas.

O jogo começou com uma apatia muito grande dos dois conjuntos, por um lado os militares tinham a maior posse de bola, mas não conseguiam tirar vantagem desta situação, pois o seu meio campo produzia pouco para servir o ataque.

Faltava aos jogadores mais tecnisistas do 1º de Agosto aparecerem no desafio. Eram poucas as bolas que chegavam aos pés de Gelson, em função da apatia de Ibukun, Milambo e Mingo Bile. Com o intuito de mudar o dos acontecimentos coube a Ary Papel assumir às rédeas e levaro perigo a defesa dos sambilas, com jogadas individuais.

Contudo, os pupilos de Albano César tinham a lição estudada e começaram a travar o ímpeto dos agostinos, controlando mais a posse de bola e jogando já no meio-campo adversário. Nesta altura, era a vez dos rubro e negros se defenderem e impedir que o seu guarda-redes fizesse alguma defesa.

Aos 29´Anastácio derruba Ary Papel dentro da área e o árbitro José Alvaro nada assinala e ainda adverte com o cartão amarelo o médio ofensivo militar. Caso visse o cartão amarelo nesta jogada Anastácio seria expulso por acumulação de cartões.

Os sambilas não foram ao estádio para ver jogar o 1º de Agosto e respondiam sempre que podiam, Nuno em boa posição rematou ao lado da baliza de Dominique aos 36´, podia ter feito melhor. Foi ai, que os agostinos despertam e Mingo Bile quase adiantou a sua equipa no marcador, mas o desvio embateu no travessão.

Um minuto depois, aos 41´, Gelson confirmou o seu estatuto de goleador ao marcar, através de uma excelente jogada individual, após entendimento com Ary Papel, o remate ainda foi desviado por Ndieu, que reencontrou os seus ex-companheiros de equipa.

No segundo tempo Gelson saltou mais alto do que os seus defensores, mas a cabeçada saiu por cima da baliza. Era uma boa oportunidade para bisar no desafio. Apesar de entrar melhor no reatamento os militares não conseguiram manter o mesmo ritmo e o desafio caiu ficou com bons momentos de futebol. Os jogadores dos dois lados faziam muitas faltas e o árbitro teve de facto de exercer o seu poder.

Todavia, Ibukun mostrou que estava presente no dérbi e num lance de génio abriu o caminho para a baliza de Niamei e só parou depois de mandar a bola para o fundo das redes. A vantagem de dois golos deu uma maior tranquilidade a formação agostina que foi gerindo o jogo tal como pretendia. Porém, Gelson não estava satisfeito e ainda bisou no desafio, levando a melhor sobre os defesas adversários, inclusive pelo guarda-redes Niamei.
Jorge Neto

Ficha Técnica

Filipe Nzanza
“Ganhámos nos detalhes”

“Ganhámos este jogo nos detalhes, emfrentamos uma boa equipa do Progresso, mas as individualidades conseguiram resolver o jogo. Dedico esta vitória ao nosso jogador, Buá, que a última da hora adoeceu e não foi possível estar presente neste jogo. Felicito igualmente as equipas angolanas que passaram nas Afrotaças. E dizer que estamos concentrados em cada jogo para seguirmos os nossos objectivos no campeonato”.

Albano César
“Falhámos na defesa”

“Penso que entramos bem na primeira parte, tivemos um certo equilíbrio, mas depois o adversário conseguiu marcar o seu golo. No segundo tempo, tentamos subir mais no terreno, chegamos com maior perigo a baliza adversária, mas o 1º de Agosto conseguiu novamente
chegar na zona de finalização e marcou dois golos, fruto da nossa desatenção defensiva. Está de parabéns o 1º de Agosto pela vitória”.