Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares revelam optimismo

Jorge Neto - 02 de Junho, 2017

Adjunto de Dragan Jovic refora desejo de revalidao do ttulo de campeo

Fotografia: Jornal dos Desportos

O técnico -adjunto do 1º de Agosto, Ivo Traça, reconheceu que o segundo lugar conquistado no final da primeira volta do Girabola Zap 2017, com menos um ponto que o líder Petro de Luanda (34-33), não era o objectivo dos militares nesta fase da competição, mas está optimista quanto à melhoria da prestação no segundo turno. 

O adjunto de Dragan Jovic prevê mais dificuldades na segunda volta do campeonato, mas mantém a confiança na revalidação do título de campeão nacional. 

"Terminámos a primeira volta numa posição em que não gostaríamos (segundo). Infelizmente, não tivemos capacidade de ganhar o Kabuscorp no último jogo, e acabamos na segunda posição com menos um ponto que o primeiro classificado. Vamos iniciar a segunda volta com muita força, mas vai ter um grau maior de dificuldades, em relação à primeira", reconheceu.

Falando ontem  em conferência de imprensa, realizada no ex-RI20, que serviu de balanço do primeiro turno do Girabola Zap, o antigo médio agostino reforçou a meta da sua equipa.

"Os objectivos do 1º de Agosto são do conhecimento de toda a gente, que só luta pelo primeiro lugar, até agora, é o detentor do título e luta para defender o troféu que está em sua posse até à última jornada", afirmou.

O plantel rubro -negro esteve assolado por constantes casos de lesões, na primeira fase do campeonato, uma situação lamentada por Ivo Traça que desejou um cenário diferente para a recta final da prova.

"É bem verdade que não gostaríamos que acontecesse o que aconteceu na primeira volta, tivemos muitos problemas de lesões, é um problema que fez a direcção do clube reunir com o departamento médico e o nosso técnico-principal. Foi uma reunião muito árdua, onde tentaram descobrir o que se passou para que este ano tivéssemos estas lesões", analisou, em função das lesões de Dominique, Tony Cabaça, Isaac, Geraldo, Ibukun, Guelor, Dany Massunguna, Natael, Paizo, Diogo Rosado e Nandinho.

 O auxiliar de Dragan Jovic acredita que apesar dessas vicissitudes, os jogadores  desempenharam o seu papel para manter a equipa nos lugares cimeiros, e faltou apenas vencer na última jornada da primeira volta do campeonato, por isso, a equipa ocupa o segundo posto.

REFORÇOS
As únicas caras novas que podem ser vistas na equipa do 1º de Agosto, na segunda volta do Campeonato Nacional, são jogadores saídos da equipa B, clara aposta dos militares na valorização nos escalões de formação.

O vice-presidente para o futebol do clube, Paulo Magueijo, defendeu que a prioridade "é olhar para dentro", de modos a atingir os objectivos que se pretende. 

"Temos um trabalho coordenado com a equipa técnica, que nos faz olhar para dentro e ao fazer isso, vamos ter a certeza de que estamos a formar os nossos jogadores, e isso vai valorizar o Girabola, o 1º de Agosto e a Selecção Nacional. O 1º de Agosto tem uma formação, uma equipa B e uma equipa sénior muito bem estruturada", referiu Paulo Magueijo.

 O dirigente garantiu que iam ter dificuldades ,nesta altura, para encontrar jogadores no Campeonato Nacional para suprir às necessidades que o plantel apresenta, daí a aposta nos jovens forjados no clube.

DURANTE DEZ DIAS
Férias serviram para recuperação

As curtas férias que o plantel do 1º de Agosto concedeu aos jogadores, na pausa que se observa no Girabola Zap face aos compromissos da Selecção Nacional de honras, serviu para recuperar alguns atletas lesionados, uma situação que agrada bastante a equipa técnica rubro-negra, de acordo com Ivo Traça.

"Depois de dez dias de repouso, recebemos de bom grado e demos as boas-vindas aos jogadores. Recuperar alguns jogadores que terminaram a primeira volta lesionados, estamos a fazer os primeiros treinos de recuperação que termina este ciclo amanhã (hoje) e voltamos ao trabalho na segunda-feira, para atacarmos os aspectos físicos, técnicos e tácticos", disse.

O auxiliar do técnico-principal Dragan Jovic, explicou que em função das saídas de alguns jogadores fundamentais, a equipa técnica teve de moldar uma nova forma de jogar, apoiada no colectivo, contratou atletas que se encaixavam no perfil que se pretendia.

"A nossa equipa é diferente, em relação a do ano passado, perdemos dois jogadores muito bons, que eram dos melhores do campeonato nacional, hoje estão fora, é claro que o 1º de Agosto foi buscar alguns jogadores, que para os adeptos e alguns jornalistas não são os mais ideais, mas  para a comissão técnica achamos que sim, por isso, foram contratados. Naturalmente, queríamos criar um esquema diferente ao do ano passado,  até agora resultou", analisou Ivo Traça. O peso da camisola de campeão nacional, faz com que joguem aqueles que estejam no seu melhor, pois como referiu, "continuo a dizer que no 1º de Agosto não há lugar para os jogadores, tem jogadores para os lugares onde o treinador achar que ele pode meter. E, é assim que nós devemos trabalhar para atacar a segunda volta e a luta do título, que é o nosso objectivo", disse.  

                                                                              
LUTA PELO TÍTULO VICE-PRESIDENTE
“Temos metade do percurso feito”


O vice-presidente para o futebol do 1º de Agosto, Paulo Magueijo, considerou ontem em conferência de imprensa, no ex-RI20, que a equipa já fez metade do percurso, com  vista o principal objectivo que se resume na revalidação do título do Girabola Zap.

No balanço feito pelo dirigente do conjunto militar, apontou a organização defensiva como o principal esteio dos campeões nacionais, mas também destacou a melhoria que o ataque mostrou no decorrer da competição.

"Temos um 1º de Agosto consistente, com uma defesa organizada e com um ataque que aos poucos  começa a surgir, e a dar os resultados que pretendemos. Tem se dito que os ataques ganham os jogos, as defesas ganham os campeonatos, e se olharmos para a classificação, vemos metade do percurso feito, dá-nos  garantias de que a outra metade não seja diferente da primeira", analisou.

Paulo Magueijo recuou a época anterior, para fazer a comparação com os números alcançados nesta fase, pelos campeões nacionais.

"É quase impossível fazer este balanço, sem nos remetermos à primeira volta do ano anterior, em que naturalmente fomos os campeões da fase. Os números estão aí dispostos, e todos pegamos neles, para analisá-los e ver que realmente há um trabalho que estamos a fazer. Hoje, nós fazemos a mesma análise,  vemos que o 1º de Agosto no ano de 2017 fez 33 pontos, 10 vitórias, dois empates e três derrotas. Vemos que temos um gol - average positivo de 17 golos, naturalmente, que há diferença e vimos que sofremos menos golos esta época", enumerou.  
JN