Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Militares "tampam" Buraco

Jlio Gaiano, Lobito - 13 de Março, 2016

Agostinos tiveram uma primeira parte irrepreensvel mas decaram na etapa complementar do desafio diante dos estudantes reforando a sua condio de lder do campeonato

Fotografia: Jornal dos Desportos

A malapata que acompanhava o 1º de Agosto nos últimos anos, sempre que defrontava a Académica do Lobito, no estádio do Buraco, teve um fim ontem. Ou seja, os militares conseguiram colocar os estudantes no devido lugar. A vitória por 3-1, conseguida nos primeiros 45 minutos do desafio, acaba por ser pouco pela pressão exercida pelos rapazes de Dragan Jovic.

A história do jogo, que começa com o golo de Buá, aos 12 minutos, poderia ser escrita com mais páginas, pois o 1º de Agosto jogou e produziu jogadas suficientes para sair do Buraco muito mais abastado, embora na segunda parte, os estudantes acabaram por ter um relativo domínio. 

Ainda assim, os três golos apontados contra um dos estudantes, permitiram aos militares conquistar não só mais três pontos, como também, manter a invencibilidade e reforçar a liderança do campeonato.

E é bom que se diga: aquele 1º de Agosto que vimos ontem contra a Académica do Lobito está uma senhora equipa. A primeira parte foi esclarecedora. Jogou o suficiente para triunfar, num reduto, onde há mais de década e meia não ganhava, por isso deixou maravilhado grande parte dos aficionados da bola que lotaram, por completo, o estádio do Buraco.

Os militares entraram a “matar”. Não deram tempo ao adversário pensar na estratégia que montara para a contenda. Os primeiros 15 minutos foram decisivos e acabaram por arruinar os intentos dos lobitangas que foram, simplesmente, desorientados. Deixaram-se bater no seu reduto e viram o seu técnico apupado pelo público que o responsabilizou pelo desaire.

Ouviram-se os assobios em contestação as opções operada no jogo. Na óptica dos lobitangas, Vaz Pinto foi responsável pelo fraco desempenho da equipa na derrota diante do 1º de Agosto.

Na verdade, as coisas foram evidentes. A vitória do 1º de Agosto não merece reparo algum. Quando precisou, marcou e no fim, fez o que lhe competia. Jogar a bola redonda, como mandam as regras do futebol. Ou seja, não precisou de se empenhar ao fundo para confirmar as tendências que pesavam a seu favor.

A Académica deve contentar-se pelo facto de ser a primeira a violar as redes agostinas com golo de Nelito.

O tridente do ataque militar formado por Ary Papel, Gelson e Geraldo foi “maldoso” para os gostos do português Carlos Vaz Pinto que, na véspera da contenda, prometera surpresa agradável aos adeptos e sócios do clube. No terreno, as coisas deram-se ao torto.

O médio ofensivo Buá (12´) e atacante Gelson (16´ e 32´) foram os obreiros da façanha protagonizada no estádio do Buraco.


ARBITRAGEM


Trabalho limpo
O trio de árbitros que dirigiu ontem à tarde, no estádio do Buraco, no Lobito, o desafio entre as equipas da Académica local e do 1º de Agosto, referente à quarta jornada do Girabola Zap não comprometeu. Mauro de Oliveira, coadjuvado por Luís Matos e Domingos Francisco, esteve a altura do jogo. Apesar de alguma timidez que revelou nalguns momentos da partida, fez um trabalho digno de realce. Esteve bem do ponto de vista técnico e disciplinar. Boa actuação. 


Melhor em campo

Dany Massunguna
Comandante da defesa militar

O central do 1º de Agosto, Dany Massunguna, destacou-se ao longo da partida, mostrando raça na disputa da bola com os avançados da equipa contrária. Frio e com muita maturidade, transmitiu segurança e acabou por anular por completo o nigeriano Famy que em função disso, teve de recuar para o meio campo para dar o lugar ao Chiló que também acabou “neutralizado”. Foi um verdadeiro líder e patrão no sector defensivo.


DECLARAÇÕES

Vaz Pinto Académica do Lobito
"Entrámos mal no jogo"


“Foi uma derrota não esperada. A equipa entrou mal e o adversária soube tirar proveito disso. Podíamos fazer melhor, não fosse os erros cometidos na zona do rigor pelos nossos defesas. Infelizmente, os jogos têm disso, hoje (ontem) estivemos mal e quando assim acontece, a derrota é inevitável”.




Filipe Nzanza 1º de Agosto
"Foi uma vitória merecida"


“Apesar de termos ganho, a Académica ofereceu alguma réplica que acabou por valorizar a nossa vitória. Só tenho a lamentar a forma como o árbitro actuou em campo. Expulsou, injustamente, o nosso jogador, numa altura em que o jogo estava equilibrado. Conseguimos aguentar e vencemos o jogo, por isso, dou os parabéns aos meus jogadores pela forma como se bateram em campo”.