Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Mrio Soares reprova arranque do Desportivo

22 de Fevereiro, 2018

Militares da Regio Sul trabalham para melhorar a finalizao em busca da primeira vitria esta poca no campeonato nacional

Fotografia: Mota Ambrsio | Edies Novembro

O técnico do Desportivo Huíla, Mário Soares ,“reprovou” ontem no Lubango, a avaliação dos analistas desportivos que dão nota positiva à equipa, pelos empates (1-1 e 0-0) frente a dois candidatos ao título, Interclube e Sagrada Esperança, nas duas primeiras jornadas do Girabola Zap 2018.
O treinador qualificou os empates como desaires. Argumentou que a equipa podia fazer mais e melhor. Consideramos como desaires os dois empates. Não foram resultados positivos”, lamentou.
Justificou que o golo aos 88 minutos, que deu a igualdade ao Interclube, resultou de “uma oferta” por distracção defensiva inadmissível de um defesa, que isolou e endossou a bola ao avançado contrário.
Quanto ao jogo com o Sagrada Esperança, Mário Soares disse que os atacantes revelaram ineficácia, displicência e incapacidade de concretizarem as inúmeras ocasiões de golos iminentes, que inviabilizou o triunfo.
“Não está em causa o peso e a dimensão dos adversários, ao contrário do que se ouve e se diz na imprensa. São candidatos, mas não nos podemos contentar, apesar disso. No final do campeonato, veremos se perdemos dois pontos ou ganhamos um, em relação aos dois resultados”, comentou.
Mário Soares admitiu que a equipa esteve bem, faltou o essencial. “Construímos várias situações de golo e podíamos ter marcado e garantir as vitórias, mas pecamos na finalização”, avaliou.
O \'comandante\'  dos militares da Região Sul revelou que neste momento estão preocupados com o sector atacante,  estão a trabalhar para elevar os níveis de concentração e a confiança na finalização.
O técnico espera que o Desportivo se apresente no domingo na recepção ao Cuando Cubango FC (KKFC) para a terceira jornada, no Estádio do Ferroviário, no Lubango, com níveis de finalização acima dos registados nas duas jornadas disputadas
“Estamos no início da época e melhorar é sinónimo de trabalho. A equipa cria situações de golo, e peca na finalização. Há um trabalho que está a ser desenvolvido, não só a pensar no próximo jogo, mas no resto do campeonato”, revelou.
A equipa afecta à Região Militar Sul soma dois pontos, encara o desafio de domingo com os olhos postos nos três pontos. Nas hostes dos comandados de Mário Soares reina a obrigação natural de triunfar, sem menosprezo ao adversário, de modos a afastar o espectro e a onda de empates que se apossou do conjunto neste arranque da prova.