Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Mundunduleno acolhe aflitos

15 de Março, 2018

Maquisardes tentam triunfo caseiro depois do desaire em Caxito

Fotografia: vigas da purificao | Edies Novembro

O Girabola Zap está na sexta jornada, contudo, a fraca pontuação do FC Bravos do Maquis e a do Desportivo da Huíla falam por si, as duas equipas demoram a aquecer, motivo por que esta tarde às 15h00 no Estádio Mundunduleno têm de fazer pela vida,  para inverterem a má prestação nesta fase inicial.
As duas equipas  devem reagir, porque estão a fazer uma fraca colheita em relação a pontos, os quatro pontos dos maquisardes e os seis dos militares são a amostra de que os dois contendores estão sem liberdade de escolha, têm de manter o foco na vitória e nos pontos, porque a demora na reacção pode ser fatal nas jornadas seguintes.
Tanto o Maquis quanto o Desportivo têm plantéis experientes, acostumados a lidar com a pressão, alguns deles já estiveram em balneários que lutam pelo título, sabem o que têm a fazer para provar que merecem suar as camisolas que envergam. É nas dificuldades que se vê de que material, resistente ou não, são feitos os atletas, pelo que cada um dos 22 artistas têm de tirar o que de melhor possuem para ajudar o seu emblema a somar três pontos.
Mesmo a jogar diante dos seus adeptos, há poucos motivos para centralizar os olhares no FC Bravos do Maquis, a intermitência de resultados é real que nem mesmo o jogo em atraso justifica o marcar passo. Os maquisardes têm consciência que o momento está longe do ideal, mas o que os adeptos anseiam é ver obras em vez de palavras, a vitória tem de fazer parte da equipa, caso contrário, vai ser necessário fazer um campeonato de recuperação.
O mesmo se aplica ao Desportivo da Huíla, que tem obrigação de ter outro tipo de ambição, uma vitória extramuros está ao  seu alcance, porém, fica claro que a boa ou má atitude competitiva no Mundunduleno pode significar sucesso ou fracasso. Não importa que postura adoptar, o mais importante é que os militares consigam a eficácia de 100 por cento na luta pelos pontos, para começar a afastar a pressão.
Um empate podia ser um mal menor se o campeonato estivesse adiantado e os contendores folgados, mas a realidade é contrária, Maquis e Desportivo ainda estão frios que ninguém sabe quando é que vão despertar para correrem atrás dos bons resultados.
Sem margens de erro,  espera-se que maquisardes e militares olhem para o passado e mostrem alguma das coisas boas que têm e que já se viu no campeonato, de nada adianta guardar os trunfos para depois, porque o momento da acção é agora. Ainda falta muito para chegar à meta, é verdade, mas se Maquis e Desportivo ambicionam outro tipo de desempenho, têm de pensar diferente para que doravante, as pernas não pesem mais do que o normal.

DESPORTIVO DA HUÍLA
Militares têm ambição elevada

O Desportivo da Huíla pode despertar e apostar hoje à tarde às 15h30, no Estádio Mundunduleno, no Moxico, numa actuação acima da que apresentou na jornada  diante do 1º de Maio de Benguela, para que aumente a possibilidade de vencer o FC Bravos do Maquis, jogo a contar para a sexta jornada do Girabola Zap 2018.
“Esperamos um desempenho melhor do que a equipa teve no jogo anterior. Tivemos oportunidades, não conseguimos fazer golos. Então, corrigimos o que esteve mal para ver se convertemos as oportunidades que a equipa cria e estarmos mais próximos de ganhar o jogo”, disse Hélder Cruz, técnico -adjunto de Mário Soares, em antevisão ao desafio. Indicou  especificamente para este desafio, que o sector atacante mereceu a atenção da equipa técnica durante a semana de preparação, pois, revelou-se estar aquém das suas reais capacidades e dos níveis de concretização no desafio com o 1º de Maio de Benguela.
O objectivo do trabalho desenvolvido, foi o de elevar os índices de concentração e confiança dos avançados.
Reforçou que foi incutido, nas unidades mais avançadas da equipa, a premissa segunda a qual para se ganhar jogos é preciso marcar golos, daí, a preocupação dos responsáveis técnicos.
“Os atacantes continuam a não marcar golos. Essa, é a nossa doença. Trabalhámos para corrigir e incutir na cabeça dos nossos avançados que para ganhar jogos, temos de marcar golos”, referiu.
Hélder Cruz confessou que a equipa técnica espera que o desempenho do Desportivo esta tarde, esteja ao nível do rigor, objectivo e do trabalho efectuado durante a preparação.
Indicou que o empate caseiro (0-0) na jornada diante do 1º de Maio, faz parte do passado, e a equipa deve enfrentar o FC Bravos do Maquis com alma e mente pura.Sem situações clínicas de realce, a equipa está desde ontem de manhã no Luena, motivada para o que der e vier.
BN - LUBANGO

SAGRADA
Femi em observação


O médio Femi, do Sagrada Esperança, vai ser submetido a exames médicos, em Luanda, na sequência de um choque na cabeça que o deixou inconsciente no sábado, no Dundo, durante o jogo a contar para a 5ª jornada do Girabola Zap, diante do Cuando Cubango FC.
A Angop apurou ontem naquela cidade, de fonte do grémio diamantífero, que apesar de registar melhoras, o atleta encontra-se desde domingo na clínica Sagrada Esperança para continuar os tratamentos médicos até à recuperação efectiva, sem adiantar pormenores.
O jogador de 28 anos ficou inanimado, aos 20 minutos do jogo, depois de um choque com um adversário numa disputa de bola, quando os donos de casa venciam por 1-0.
O encontro ficou paralisado durante oito minutos, enquanto a equipa médica reanimava o médio nigeriano, que depois foi levado para uma unidade hospitalar da capital da Lunda - Norte.
De recordar que no estágio de pré-época realizado em Benguela,  Ntaku Zibakaka, de 23 anos, morreu durante uma sessão de treinos, na praia morena. O atleta caiu cinco minutos depois do início dos trabalhos, o que criou pânico  entre os colegas.
Zibakaka, de nacionalidade congolesa, jogava como lateral esquerdo e ingressou nos diamantíferos em 2015, proveniente do Style do Congo da RDC.

KABUSCORP
Sérgio Traguil
revê a estratégia


O técnico do Kabuscorp do Palanca disse ao Jornal dos Desportos, que aproveita o adiamento do jogo com o Petro de Luanda a contar para  a 6ª jornada do Girabola, para rever a estratégia para as próximas partidas.
Sérgio Traguil não gostou da atitude da equipa na derrota com o 1º de Agosto, a terceira em cinco partidas, disputadas na presente edição do Girabola Zap. Revelou trabalhar para inverter o quadro.
Admitiu, que os atletas acusaram a responsabilidade do dérbi, e respeitou em demasia o campeão nacional. \"Fomos para o relvado com um respeito exagerado pelo adversário\", desabafou.
\"Não tiro o mérito ao 1º de Agosto, pela qualidade de jogo que apresentou, sobretudo na ala direita, em que pontificam jogadores com  boa qualidade técnica. Tivemos poucas hipóteses de contrariar o adversário, que contou com os atletas castigados\", destacou.
Não obstante o mau resultado, o português ao serviço dos palanquinos acredita na capacidade do grupo que dirige para inverter o quadro, e regressarem às vitórias nos próximos desafios.
\"Foi um jogo com um certo grau de dificuldade, ainda assim, considero que os meus atletas bateram-se bem. Por isso, dou-lhes os parabéns e prometo trabalhar muito mais para melhorar\", disse.
Por outro lado, o atacante camaronês Arouna um dos reforços  está a justificar a aposta da direcção do Kabuscorp do Palanca. No segundo jogo e no primeiro como titular, o possante atleta marcou  dois golos, em média um em cada partida.
O ponta de lança mostra-se  um \'matador\' na área adversária. Ao relegar o melhor marcador da equipa para o banco, é prova evidente da sua qualidade e da aposta do técnico Sérgio Traguil.
O técnico da formação da rua F do Palanca reconhece o grau de dificuldade da sua equipa pelo facto de defrontar em duas jornadas consecutivos dois crónicos candidato em título. Ainda assim, acredita que frente ao Petro de Luanda a história do jogo será de certeza outra e descarta a possibilidade de mais um desaire.
Com a derrota na jornada anterior e o adiamento do jogo de recepção aos petrolíferos, os palanquinos perderam algumas posições na tabela de classificação, mas mantém-se numa posição tranquila para os objectivos que perseguem no campeonato nacional.
Manuel Neto