Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Nelson luz do campeão

Jorge Neto - 03 de Abril, 2017

1º de Agosto teve o domínio da partida diante do Santa Rita de Cássia mas esteve mal na finalização

Fotografia: V«igas da Purificação

O maior domínio do 1º de Agosto sobre o Santa Rita de Cássia não bastou para uma goleada, apenas para um serviço mínimo, golo de Nelson da Luz,  aos 86´, e a conquista dos ansiados três pontos, depois de tanto sofrimento dos seus adeptos que chegaram a apupar a equipa, em função de fraca capacidade de traduzir em golos as oportunidades criadas.

A formação visitante entrou atenta e fez pressão alta aos jogadores agostinos, que procuravam os melhores caminhos para chegar à baliza de Kissi. Aos poucos os pupilos de Dragan Jovic começaram a assumir o jogo e chegaram perto do golo, aos 12´, num remate desperdiçado pelo defesa-central Bobó, diante da baliza escancarada, atirou para cima.

Logo de seguida foi Diogo do Rosado quem rematou rente ao poste esquerdo defendido por Fissi. Estava, deste modo, lançado o maior poderio dos campeões nacionais, que pretendiam marcar o mais cedo possível, mas continuavam a falhar na finalização. Os exigentes e mais numerosos adeptos rubro-negros pediam mais da equipa que tardava em acertar no toque final. Do lado oposto, a claque da formação do Uíge não se intimidou e puxou sempre pelo seu emblema nas bancadas.

A jogar em casa, os militares queriam mais, Nelson da Luz e Guelor estiveram perto de marcar, mas o guarda-redes Kissi, em tarde de inspiração negou-lhes os golos. O tempo decorria e o Santa Rita de Cássia ia acreditando que era possível amealhar um ponto nesta deslocação ao campo do campeão nacional. Apesar de não criar grandes situações de perigo para baliza de Tony Cabaça, contudo, importunavam os defesas.

Com os três pontos em risco, no reatamento do jogo, o técnico Dragan Jovic não perdeu tempo e alterou o xadrez com as saídas de Mingo Bile e Diogo Rosado para as entradas de Natael e Medá, com o objectivo de dar maior dinâmica nas acções de jogo. Aos 50´, num lance de contra-ataque Guelor e Vado não tiveram arte nem engenho para bater Fissi. Aliás, Vado esteve muito perdulário.

Aos 60´, o 1º de Agosto marca através de Vado, mas o árbitro anula mal por alegado fora-de-jogo. Cinco minutos depois a equipa do Santa Rita responde com um remate de Gazeta, por cima da balia de Tony Cabaça. Os militares sentiam enormes dificuldades para marcar, inclusive os seus adeptos chegaram a apupá-los, num claro jeito de chamada de atenção.

Finalmente o golo que ditou à vitória dos militares aconteceu aos 86´, num remate de Nelson, à entrada da grande área, sem qualquer hipótese para Fissi.

O árbitro Rodrigues César pecou apenas no golo mal anulado a Vado por fora de jogo, condicionando o resultado final do jogo.