Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

No estamos pressionados

Edvaldo Lemos - 14 de Março, 2020

Tcnico dos lderes do campeonato reconhece que os prximos jogos sero decisivos

Fotografia: Contreiras Pipa| Edies Novembro

O ambiente no balneário do Petro de Luanda é dos melhores. O técnico Toni Cosano disse, que não existe nenhuma pressão no Catetão e a sua equipa goza de um bom momento para alcançar o objectivo que persegue.
O treinador espanhol afirmou estarem preparados para o dérbi de amanhã, às 17H30, no estádio 11 de Novembro em Luanda, frente ao Interclube a contar para jornada 24ª jornada.
"Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas, que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio, e até ao último jogo tivemos apenas uma derrota", exaltou
O clube tricolor vem de uma desaire no jogo de acerto da 18ª jornada, frente ao Desportivo da Huila, com quem perdeu por uma a bola sem resposta, mas Toni Cosano garante que, apesar da derrota, estão mais fortes para somarem os três pontos, de modos a continuarem na luta pela conquista do título.
"Jogamos diante de uma equipa muito forte, que frente ao Petro tem sempre um bom desempenho. Fez o que tinha de fazer e ganhou de forma justa, mas agora estamos fortes para defrontar o Interclube e somar mais três pontos. É certo que temos dois pontos de vantagem, mas faltam ainda seis jogos para o fim do campeonato", sublinhou.
Reconheceu, que ao longo das jornadas que faltam vão enfrentar as mesmas dificuldades e as mesmas complicações, a semelhança do seu adversário. Afirmou  que tudo pode mudar, se alguém escorregar. Salientou que o segredo é jogar seguro com o Interclube.
"Vamos jogar contra os mesmos adversários e vamos várias complicações, assim como o nosso principal concorrente. Temos ainda um confronto directo, por isso estamos com as mesmas dificuldades", referiu o treinador tricolor.
Cosano aponta os próximos dias como decisivos para a conquista do título. "Na próxima semana, se alguém escorregar, as coisas mudam. Cada semana é um jogo e vamos jogar seguro com o Interclube", prometeu
O Petro de Luanda vai defrontar uma equipa, que vem também de uma derrota, diante do 1º de Agosto, o que obriga o redobrar da concentração. Lamentou a falta de eficácia e apontou como uma das causas de certas derrotas.
"Pretendo que entremos bem no jogo, para conseguirmos fazer o nosso trabalho, dentro da nossa estrutura táctica e que sejamos objectivo. Sempre que perdemos um jogo esta época, foi por falta de eficácia, daí que temos de ter o controlo do jogo, para continuarmos na luta do campeonato, tendo em conta a vantagem que temos", frisou.

TRICOLORES
Yano ressente do desconforto físico


O avançado do Petro de Luanda,Yano, não treinou na manhã de sexta-feira, devido a um desconforte físico, após o jogo frente ao Desportivo da Huíla, disputado quarta feira, justificou o técnico Toni Cosano.
"O Yano ficou de fora do treino, devido a um desconforto, mas não está lesionado. Ele fez trabalhos de massagens,  mas os outros treinaram sem limitações e isso só mostra que estamos vivos, pois conheço bem a minha equipa", avançou
O espanhol assegurou, que apenas dois jogadores estão indisponíveis para o dérbi por lesão. Tratam-se de Ariclenes e Danilson. Disse que o defesa central queixa-se de dores musculares, enquanto o lateral apresenta desgaste físico.
"O Ariclenes e o Danilson são os dois jogadores que não podemos contar com eles para este jogo, pelo facto de não terem ainda recuperado dos problemas físicos que enfrentam", justificou.         

CARLINHOS
“Se marcar golo não vou comemorar”  
 

O  médio ofensivo Carlinhos mostrou-se ansioso, em defrontar a sua antiga equipa, o Petro de Luanda e espera no reencontro com os antigos colegas, jogar ao mais alto nível à procura de um resultado que satisfaça as ambições do clube.
"Dá sempre aquele frio, mas não é a primeira vez. Já defrontei a minha antiga equipa, na primeira volta e posso garantir que terão muitas dificuldades. Vamos fazer tudo para vencer o jogo, em mais um reencontro com os meus antigos colegas", destacou.
Admitiu ser "sempre motivo de ansiedade e satisfação, mas o certo é que agora, estamos vestidos de outras cores e como profissional, isso, obriga-nos a empenharmos a fundo, para levar os três pontos em disputa. Este é o meu objectivo primordial e acho, que isso é possível , dado o trabalho que temos estado a fazer", precisou.
 Reconheceu que não se apaga a convivência de sete anos, " vamos encarar este jogo, tal como temos feito com outros adversários. O Petro é uma equipa grande e vem de uma derrota, por isso, devemos ter muita concentração e estar unidos para sairmos dos 27 pontos, pois, faz muito tempo que não pontuamos no Girabola Zap," salientou.
 Carlinhos encara este jogo com a obsessão de marcar um golo à antiga equipa, mas promete não comemorar. "Como atleta, sinto -me na obrigação de fazer um golo em todos os jogos, mas não estou obcecado. Se jogar, espero fazer um golo, mas não tenho como comemorar, porque a minha vida foi feita toda no Petro", assegurou.