Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Nyame bate com a porta

J?lio Gaiano, em Benguela - 30 de Junho, 2017

Campeo africano rejeita ficar at Novembro prximo nos sambilas e rescinde contrato de trabalho

Fotografia: Santos Pedro |Edies Novembro

O guarda-redes  Nyame Patrick, que defendeu a baliza sambila na primeira volta do Girabola Zap 2017, já não faz parte do plantel do Progresso Sambizanga. O camaronês, segundo soube o Jornal dos Desportos d próprio atleta, rescindiu de forma amigável com a direcção do clube presidido por Paixão Júnior, quanto tinha contrato válido até Novembro  próximo.

Questionado sobre as razões que o levaram a tal decisão, Nyame Patrick afirmou que o clube não honrou até ontem, com o estabelecido no contrato, ou seja, o pagamento de Usd 130.000,00 (cento e trinta mil dólares) e a entrega de uma viatura  de marca Yundai, modelo I10.

"Toda pessoa que trabalha fora do seu país, a família espera dele em todos aspectos, sobretudo financeiro. Comigo não é diferente, pois tenho  família na minha terra (Camarões) que espera por mim. E quando não recebo aquilo que me é devido, as coisas não correm bem comigo, não estão a respeitar o contrato  da época em curso, que terminaria em Novembro próximo, num valor de130 mil dólares. Por esta razão, decidi pedir a rescisão de contrato", começou por explicar o atleta.

Nyame Patrick acrescentou que para além de falta do pagamento do contrato e da entrega da viatura, a direcção do clube sambila não honrou também com as rendas da  casa em que vivia, avaliada em Akz 150.000, 00 (cento e cinquenta mil) semestralmente.

"Em relação as rendas de casa, pagava-se a conta gota por razões que desconheço. Esta situação, levou muitas vezes a ter problemas com o senhorio que chegou mesmo a me pedir para abandonar a casa, alegando falta de pagamento das rendas, tudo isso por falta de pagamento apenas de um mês", esclareceu.

Quanto aos salários, Nyame explicou que não há problema, pois eram pagos por parcelas, tendo a direcção do clube honrado na totalidade. Com isso, o guarda-redes camaronês enalteceu esse lado dos dirigentes do popuklar clube do Sambizanga.

"O clube não tem qualquer divida de salários, pois o último mês que recebi foi em Maio e o Junho ficou para ser transferido para os Camarões, o que não foi ainda confirmado pelo facto de me encontrar em Angola", concluiu.

REACÇÃO DA DIRECÇÃO
Sambilas acusam jogador de má fé

O vice-presidente para o futebol do Progresso Sambizanga, Manuel  Dias dos Santos, confirmou ontem ao Jornal dos Desportos, por telefone, a rescisão do contrato de trabalho entre o guarda-redes camaronês Nyame Patrick e a direcção do clube liderado por Paixão Júnior, que deveria terminar em Novembro próximo, mas interrompido pelo facto de o atleta ter alegado incumprimento dos sambilas.

Manuel Dias dos Santos disse que o jogador agiu de "má fé" ao rescindir o contrato, pois o importante é que ele tinha os seus ordenados em dia, por isso tarde ou cedo, a questão do contrato seria resolvida, mas esse não foi o entendimento do jogador que  mostrou interesse em regressar ao seu país, Camarões, evocando situações familiares.

"O contrato é um acto formal, pois o jogador tinha todos os seus salários em dia. Tinha compromisso (contrato) até Novembro próximo. Ao meio do caminho, não sabemos porque carga de água, mostrou interesse em rescindir o contrato. Se ele não chegou ao fim do contrato, como pode reivindicar o pagamento de resto? pelo contrário, seria ele a indemnizar o clube", sublinhou o dirigente sambila.

O dirigente do clube sambila concluiu que em face ao pedido do jogador, a direcção do Progresso Sambizanga achou por bem partir por uma rescisão do contrato de forma amigável, sem prejuízo para ambas as partes. "A direcção do clube agiu de boa fé, partindo pela rescisão amigável, sob pena do mesmo indemnizar o clube" concluiu.

O camaronês Nyame Patrick, contratado no ano passado, representou os sambilas por época e meia - 2016 (completa) e meia (1ª volta deste ano) - e foi titular indiscutível na baliza da equipa às ordens de Albano César, na primeira temporada, e com Kito Ribeiro no primeiro turno do Girabola Zap 2017.                                      
AU

PRÓXIMA ÉPOCA
Camaronês pode
regressar a Angola


A rescisão do contrato trabalho apresentado e aceite pela direcção do Progresso Sambizanga pode não estar relacionada com a falta de pagamento evocado pelo atleta, mas pelo interesse demonstrado por outros clubes nacionais, segundo apurou o Jornal dos Desportos e confirmado pelo próprio jogador.

Nyame Patrick assegurou no contacto mantido com o nosso jornal, que existem clubes interessados nos seus serviços, mas não tem nada de concreto. "São muitos clubes angolanos que me piscaram olho, mas ainda não temos nada de concreto, embora, também esteja interessado em continuar a trabalhar em Angola e a jogar campeonato da primeira divisão", disse.

O jogador, de 30 anos, mostrou tristeza por deixar o Progresso Sambizanga, clube que o descobriu por altura da disputa CHAN de 2016, no Rwanda. "Deixo o Progresso com alguma insatisfação, pois foi o grémio que me trouxe para Angola, onde fiz muitas amizades", disse.

Realçou que o regresso ao seu país, Camarões, deve-se também a pressão da família em função da situação que viveu nos últimos tempos, com o não pagamento do valor do contrato, mas assegura estar tranquilo. "Depois da minha família tomar conhecimento deste facto, achou por bem que eu regressasse ao país. Na visão deles, eu não estava a fazer nada em Angola", desabafou.                                                                                     
AU