Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Olhos nos olhos

Betumeleano Ferro - 21 de Julho, 2018

Tricolores e militares jogam amanh num duelo expectante para o objectivo das duas equipas

Fotografia: Paulo Mulaza|Edies Novembro

Um clássico para definir o campeão ou nem tanto? A pergunta tem razão de ser, em função daquilo que aconteceu nas últimas duas épocas, em que quem ganhou vantagem no confronto directo, abriu a garrafa de champanhe e festejou o título de campeão, no fim do campeonato.
O Petro de Luanda - 1º de Agosto é amanhã às 16h00, Estádio 11 de Novembro, mas há todos os motivos para acreditar que vai ser o jogo do campeonato. Os eternos rivais sabem da importância de fugir agora, para ficar numa posição inacessível.
A tão aguardada separação de águas é capaz de acontecer no clássico, quer os tricolores quer os militares estão a passar pelo momento competitivo mais difícil no campeonato. Porém, a partir de amanhã, as coisas podem ganhar novos contornos, se os contendores forem capazes de colocar no relvado a qualidade abundante, que existe nos seus planteis.
A equipa anfitriã vai cantar o clássico com muita pressão, pois, as más lembranças do passado ensinaram lições valiosas a equipa do Catetão. Um novo desaire neste domingo, pode significar uma via aberta para o arqui-rival marcharem, sem oposição, até à revalidação.
Ninguém nas hostes tricolores quer uma repetição da história, mas para tal  têm de fazer tudo diferente para evitar continuar a ser a cobaia dos títulos do rival.
O doce passado dá sim motivos de satisfação para os militares, mas isso de modo algum significa que vão adormecer na sombra das coisas anteriores.  A equipa rubro negra vai fazer pela vida, para impedir que os papeis se invertam, embora ainda faltem muitas jornadas.
O campeão sabe que se os tricolores alargarem a vantagem, alguém vai ter de correr atrás do prejuízo. As duas equipas chegam ao clássico em pé de igualdade e nenhuma delas pode apresentar uma prova sequer de que está na sua zona de conforto.
Cada um dos contendores vai arriscar à sua maneira, mas o diferencial é o mesmo de sempre, a eficiência em jogar no último terço do campo, atacar de maneira intensa ou agressiva é garantia de alguma coisa, contudo, quando não se acerta na baliza, é o mesmo que nada.
As duas equipas estiveram em acção a meio da semana passada, com viagens de ida/volta pelo meio. É ponto assente que os jogos e as deslocações efectuadas vão cobrar o seu tributo, ainda assim fica claro que quem souber recorrer as suas reservas energéticas vai conseguir sair de cabeça erguida, e corrigir o mau desempenho do jogo passado.
A figurativa sociedade dos empates em que os tricolores e militares estão como sócios, aumenta o foco em torno do clássico. Para as duas equipas não existe melhor altura para voltarem a ganhar e esta é a melhor oportunidade, para acabarem com as coincidências. 
Os adeptos andam com motivo de queixa, mas o domingo pode ser dia de compensação para um dos lados. Tudo agora vai depender de quem vai fazer a festa da vitória, que é sempre vista com outros olhos por causa da enorme rivalidade entre o Petro e o D\'agosto.
Os muitos passos em falsos das duas equipas é capaz de ter reflexos nas bancadas, há poucos motivos para acreditar que, o 11 de Novembro, vai receber amanhã a assistência do Girabola ZAP 2018.
A incerteza na corrida pelo título foi provocada pela onda de empates de tricolores e militares, a repetição do resultado da primeira volta vai aumentar a expectativa no seio dos amantes do Girabola ZAP, mas não é este o pensamento dos rivais, o que eles querem é fugir com antecedência, de preferência no jogo que lhes sempre mais motivação de ganhar.


ESTATÍSTICA
Tricolores dominam duelos

O Petro de Luanda e o 1º de Agosto jogam no próximo domingo, no estádio 11 de Novembro, o 76º clássico entre si na história do Girabola, campeonato nacional de futebol da I divisão, com as atenções voltadas para liderança, já que o desfecho pode alterar as posições na classificação.
No cômputo geral, os ‘’petrolíferos’’ somam 31 vitórias, contra 23 dos militares e 21 empates, totalizando 75 jogos entre si. Em campo estarão dois emblemas com 26 títulos conquistados, sendo 15 dos petrolíferos e 11 dos militares, bi-campeão em título e que luta para revalidação.
As duas formações, nas últimas jornadas, têm vindo a alternar na tabela de colocação com sucessivos empates. O vencedor do desafio desta ronda, poderá dar um salto importante, quando faltam cinco jornadas para o fim da competição.
Petro e 1º de Agosto empataram na primeira volta e o resultado desta tarde pode influenciar no desfecho da classificação final, na eventualidade de se recorrer aos jogos entre si.