Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Os grandes papes do Campeonato da I Diviso

SRGIO V. DIAS - 09 de Dezembro, 2019

Militares e petrolferos travam rivalidade na maior prova do futebol nacional desde os idos anos de 80

Fotografia: Arquivo Edies Novembro

O 8 de Dezembro reveste-se como uma data memorável para a maior prova do futebol nacional. Em 1979, quando foi instituída a competição que nos últimos anos ganhou o cognome de Girabola Zap, previa-se, inicialmente, fazer a sua disputa num mês de Outubro, algo que não foi efectivado, devido à morte inesperada do saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto, a 10 de Setembro.
Por esse facto, o Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, teve início apenas a 8 de Dezembro, por força também dos 45 dias de luto decretados, na altura, pelo Bureau Político do MPLA-Partido de Trabalho pelo passamento físico de Neto.
Na disputa da sua primeira edição, caberia ao 1º de Agosto, equipa adstrita as Forças Armadas Angolanas (FAA) e na época designada Forças Armadas Popular de Libertação de Angola (FAPLA), o mérito de chegar no final ao mais alto lugar do pódio. É verdade, o emblema do “Rio Seco” sagrou-se vencedor da primeira edição da maior prova do nosso “association”, assim como nas épocas de 1980 e 1981.
Com esse poderio evidenciado nas três primeiras edições do Girabola Zap, o D’Agosto dava, assim, mostras de querer se afirmar como um dos colossos do nosso mosaico desportivo, mas não fez muito tempo vir-se-ia confrontado com a concorrência do Petro de Luanda, que mal entrou para a festa do futebol nacional travou a marcha militar.
A equipa do “Catetão” não precisou de muito tempo para se afirmar na fina-flor do futebol nacional e logo em 1982 interpôs-se no caminho dos militares do “Rio Seco”, conquistando o primeiro título da sua história.
O período de bonança do Petro de Luanda voltou a imperar em 1984, quando chegou ao seu segundo título, deixando um sério aviso à concorrência. Depois, em 1986 reacende-se a chama dos petrolíferos do “Eixo-Viário”, que além do título desta época, conquistaram subsequentemente os de 1987, 1988, 1989 e de 1990.
Foi um reinado de cinco temporadas consecutivas, que se juntando aos anteriores título de 1982 e de 1984 faziam do tricolores o “maior papão” do futebol nacional. Nesse seguimento, surge a rivalidade que impera até os dias de hoje entre o Petro de Luanda e 1º de Agosto, considerados os maiores emblemas do nosso Girabola Zap.
Acto contínuo, veio depois a época de 1990, em que mais uma vez o 1º de Agosto subiu ao pódio no final do campeonato, uma proeza que vir-se-ia repetir em 1991.
A alternância de conquista e a rivalidade entre o Petro e 1º de Agosto passa ganhar maior consistência na década de 90. Por isso, não foi de estranhar que na sequência disso, a equipa do Catetão retomasse a senda do título, conquistando os trofeús das épocas de 1993, 1994 e de 1995 consecutivamente.
Em 1996 o 1º de Agosto conquista mais um título no seu historial, mas na época seguinte vê o rival Petro de Luanda a despojar-lhe do estatuto de campeão.
Porém, ao contrário de outras edições, o reinado tricolor nessa fase foi com sol de pouca dura, pois em 1998 e 1999 consecutivamente o título do Girabola Zap voltou a ir para as bandas do “Eixo-Viário”. Mas como que a provar o seu ascendente como equipa mais titulado do campeonato não se resumia em obra de mero acaso, o Petro voltou a conquistar as temporadas do Campeonato Nacional da I Divisão em 2000 e de 2001.
Depois de ao longo de duas décadas repartirem praticamente entre si os louros do campeonato, a partir de 2002, ano em que o Atlético Sport Aviação (ASA) chega ao primeiro título do seu historial no campeonato, o reinado deste dois “colossos” sofreu uma interrupção. Além dos aviadores, o Sagrada Esperança da Lunda-Norte, o Recreativo do Libolo do Cuanza Sul, o Interclube e a aguerrida formação do Kabuscorp do Palanca juntaram-se ao 1º de Maio de Benguela no rol de equipas, que conseguiram, a par do 1º de Agosto e Petro, subir ao pódio do Girabola Zap.
Portanto depois da já referenciada época de 2002, o Petro de Luanda logrou conquistar apenas mais duas edições do Campeonato Nacional da I Divisão, designadamente a de 2008 e a 2009, que lhe permitiu alcançar o seu 15º troféu na prova.
Já o seu arqui-rival 1º de Agosto, que voltou a subir ao pódio em 2006, passou por um “jejum” de 10 anos, mas em 2016 restabeleceu-se e chegando com naturalidade a se consagrar com vencedor sucessivamente das épocas de 2016, 2017, 2018, que foi disputada contra-relógio por conta da alteração do período da disputa do campeonato e assim como a 2018/2019, respectivamente. E é importante sublinhar que ao conquistar a edição passada da prova o clube do “Rio Seco”totalizou o décimo-terceiro troféu na mais alta-roda do futebol nacional, e, estando assim, muito perto de igualar o feito do seu rival do “Eixo-Viário”.

PERCURSO
Galeria dos Campeões

Em 41 edições já disputadas do Girabola Zap, o Petro de Luanda, com 15 troféus conquistados é a equipa mais titulada, seguida pelo rival 1º de Agosto que soma 13. O Libolo, com quatro títulos surge logo a seguir, à frente do ASA com três e de outras que somam cada dois e um título, respectivamente. Eis a seguir o palmarés dos vencedores: