Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Patro eliminado da prova pelo Sagrada

PEDRO AUGUSTO - 13 de Fevereiro, 2020

Tricolores e diamantferos empataram a eliminatria a trs golos

Fotografia: CONTREIRAS PIPA | EDIES NOVEMBRO

O Sagrada Esperança da Lunda Norte garantiu, ontem, no 11 de Novembro, a qualificação para os quartos-de-final da Taça de Angola. O empate a duas bolas, diante do Petro de Luanda, acabou por tirar os tricolores da competição, pois as duas equipas haviam empatado a uma bola no primeiro duelo.
O avanço dos diamantíferos no marcador, golo marcado por Gaspar, aos 45+2´, acabou por valer ouro, ainda que os tricolores tenham conseguido, num espaço de 13´, fazer a reviravolta. Manguxi e Toni, aos 50 e 63´, levaram o estádio ao rubro.
Contudo, os festejos dos tricolores duraram apenas 4´, pois Dasfaa, aos 67´, fez o empate a duas bolas, numa jogada em que a equipa de arbitragem teve posição divergente. Ou seja, enquanto o segundo assistente Joaquim da Rocha anulou o golo, por alegado fora-de-jogo, o árbitro Benjamim Andrade considerou legal a jogada e consequentemente validou o segundo tento dos lundas.
O duelo entre tricolores e diamantíferos, que decidiu a entrada do Sagrada nos quartos-de-final da Taça de Angola, teve de tudo: golos, contestação ao trabalho da equipa de arbitragem, expulsão (Tó Carneiro viu o vermelho após o término do desafio) e bom futebol.
Mas não se pensa que a qualificação do Sagrada Esperança foi de mãos beijadas. Nada disso. Os lundas tiveram que mostrar grande capacidade de sofrimento, pois o Petro de Luanda, principalmente após o segundo golo dos forasteiros, exerceram uma forte pressão sobre o último reduto adversário. 
Porém, faltou ao Petro capacidade de discernimento para visar mais vezes a baliza do Sagrada e, deste modo, anular, isso em termos de golos marcados em casa do adversário, a vantagem dos lundas. Aliás, depois de Dasfaa ter feito o empate para os lundas, somente uma vitória qualificaria os tricolores para os quartos-de-final.
Nem mesmo os 7 minutos de compensação dados e bem pelo árbitro, em face as constantes paragens, chegaram para a equipa de Toni Cosano impedir com que Roque Sapiri e comandados saíssem a sorrir do 11 de Novembro.