Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Perdemos o ttulo por indisciplina

Jorge Neto - 28 de Outubro, 2015

Responsvel do clube militar defende coeso no plantel s ordens do tcnico Dragan Jovic

Fotografia: Santos Pedro

O presidente de direcção do 1º de Agosto, Carlos Hendrick, considerou que o mau início no Girabola e os dois empates inesperados na segunda volta, diante do Sporting de Cabinda e Académica do Lobito, ambos em Luanda, acabaram por influenciar na conquista do título da época de 2015. Em entrevista exclusiva concedida à televisão do clube,  o dirigente falou igualmente em "pouca sorte"

"Tivemos (equipa do 1º de Agosto) uma má actuação nos primeiros jogos das primeiras jornadas e também a pouca sorte de termos falhado dois penáltis em dois jogos da segunda volta, contra a Académica do Lobito e o Sporting de Cabinda. Isso, de facto, entristeceu-nos bastante, porque nós tínhamos a possibilidade de na segunda volta do Campeonato Nacional de conquistarmos mais pontos", disse. Carlos Hendrick confirmou que a direcção do clube e consonância com a equipa técnica, dispensou apenas jogadores, sendo três por opção técnica e igual número por questões disciplinares.

"Dispensas não houveram muitas. O guarda-redes Neblú, o médio esquerdo Mário e o defesa central Ndieu,  por questões técnicas, enquanto o avançado burundês Ndikumana, o avançado senegalês Ben Traoré e o médio angolano Nary, que vinha tendo um mau comportamento e também por não ser convocado para os jogos", esclareceu.

O "número um " da direcção do grémio reforçou que pretende um "alto nível de disciplina" no clube, daí que todo o comportamento negativo deve ser afastado das hostes militares, sob pena de ter influência negativa no trabalho a ser realizado pela equipa técnica. "Temos que ter um plantel em que a disciplina seja de facto uma realidade. Se o plantel não for disciplinado e nós não demonstrarmos que de facto temos um certo controlo disciplinar, não ajudaremos o treinador ou a equipa técnica a cumprir a sua missão.

Logo que eles cometeram o acto de indisciplina foram ouvidos rapidamente pelo nosso gabinete jurídico para dispensá-los", afirmou. A formação do 1º de Agosto terminou o Girabola de 2015 na segunda posição com os mesmos 60 pontos que o campeão Recreativo do Libolo, numa competição em que o vencedor foi encontrado apenas na 30ª e última jornada. Os agostinos atravessam um jejum de 9 anos, pois festejaram pela última vez o título de campeão nacional na época de 2006, sob comando do holandês Yan Brouwer.

“Mal está identificado”

O trabalho dos árbitros que ajuizaram no Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Divisão, referente a época de 2015, também mereceu uma abordagem do presidente de direcção do 1º de Agosto, Carlos Hendrick, na entrevista à televisão do clube que lidera. Carlos Hendrick reconheceu que existe irregularidades na arbitragem e que devem ser resolvidas dentro dos parâmetros legais. Prova disso, são as reclamações feitas pela equipa técnica em alguns jogos, com realce para os diante do FC Bravos do Maquis e do Kabuscorp do Palanca, em foram anuladas duas jogadas que resultaram em golos (limpos).

"Não gostámos muito de falar da arbitragem, porque temos factos evidentes. Todos os desportistas que amam e gostam do futebol, têm a consciência de que há irregularidades na arbitragem e temos que resolvê-las em fórum próprio", disse. O "número um" da direcção rubro-negra citou como exemplo, uma peça de teatro encenada na I Conferência Nacional de Futebol, em que ilustra a realidade que acontece com os juízes.

"Vimos uma peça na conferência do Ministério da Juventude e Desportos em que esta situação dos árbitros está à vista de todo o mundo. Nela demonstraram de facto o comportamento dos nossos árbitros e nós pura e simplesmente rimo-nos e demos grandes gargalhadas, com a peça que nos foi apresentada, mas essa peça determina que o mal está identificado. É necessário que lutemos para erradicá-lo", concluiu. 

A equipa do 1º de Agosto, vice- campeã nacional, inicia na primeira quinzena de Dezembro próximo, os trabalhos da época de 2016. A direcção militar agendou um estágio pré-competitivo para Joanesburgo, África do Sul, com vista a participação no Girabola e na Taça de Angola.
JN

VISÃO
Presidente Hendrick
elogia seleccionador

A excelente prestação da equipa militar na segunda volta do Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Divisão, Girabola, fez com o seleccionador nacional Romeu Filemon convocasse seis jogadores do 1º de Agosto. A decisão e visão do "pastor" dos Palancas Negras mereceu elogio da parte do presidente Carlos Hendrick. 
"Antes de os dispensarmos para os trabalhos da Selecção Nacional, falámos com os jogadores que o Girabola havia acabado e que por cima de nós, está a selecção. Eles são jogadores da Selecção Nacional, não podemos vê-los somente como atletas do 1º de Agosto, são angolanos, servem o país e que devem jogar melhor ainda do que jogam no clube, para que de facto levantem a bandeira nacional mais alto ainda", realçou o homem-forte da direcção agostina, referindo-se a Isaac, Manucho Dinis, Buá, Ary Papel, Mateus Galiano e Gelson.
O dirigente elogiou a visão inteligente que o seleccionador teve, ao aproveitar os jogadores da formação militar que acabaram o campeonato em grande forma desportiva. Aliás, como prémio, os atletas do 1º de Agosto (Mateus Galiano, Ary Papel e Gelson) foram os marcadores dos três golos de Angola na eliminatória diante da África do Sul - vitória na primeira mão (2-0) e derrota no segundo desafio (2-1).
"Acho que devemos (1º de Agosto) ter o maior número de jogadores na Selecção Nacional. O seleccionador foi inteligente, porque fomos o melhor ataque do campeonato, estamos a jogar bom futebol, tenho consciência disso", garantiu Carlos Hendrick, acrescentando que "somos a equipa que melhor futebol joga no Girabola e estes jogadores alinham no 1º de Agosto e faço votos para que façam uma boa prestação na Selecção Nacional".
JN