Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Petro bate recorde do Interclube

Betumeleano Ferro - 23 de Maio, 2019

Campeo dos campees nacionais da primeira diviso completou uma dcada sem erguer o trofu

Fotografia: Vigas da Purificao | Edies Novembro

O novo fracasso do Petro de Luanda na corrida pelo título permitiu aos tricolores estabelecerem um novo marco no campeonato, tornando-se nos primeiros a ocuparem quatro vezes seguidas o segundo lugar do Girabola Zap. Antes do recorde negativo, o Petro tinha empatado o Interclube, os polícias foram os primeiros a terminar em três ocasiões consecutivas como vice-campeões, em 1984, 1985 e 1986, mas agora foram superados pelos tricolores.
A estatística negativa do Petro de Luanda tem o mesmo denominador comum, as quatro vezes seguidas em que terminou como vice viu o rival 1º de Agosto a abrir a champanhe do título. Os eternos rivais têm monopolizado a luta pelos lugares cimeiros da classificação, mas o desenlace tricolor acaba sempre por acontecer nas derradeiras jornadas do campeonato, esse ano a esperança morreu na última ronda, mas nas vezes anteriores o campeão apareceu de maneira antecipada.
A ditadura militar voltou a tomar conta do campeonato angolano. Ainda assim, a diferença pontual entre o campeão e o vice nem por isso tem sido abismal, a mínima é de 2 pontos e a maior 3. Via de regra, têm sido os confrontos directos entre o 1º de Agosto e o Petro de Luanda que têm separado o trigo do joio na hora da colheita, como fica evidente nas últimas 3 temporadas seguidas em que os militares somaram sempre 4 pontos contra 1 dos tricolores.
Os regulamentos do campeonato prevêem apenas dois jogos entre os contendores, são neles que têm ocorrido a iminente consagração do 1º de Agosto e a perdição do Petro de Luanda. É verdade que um campeonato não se resume a somente dois embates, mas a partir do momento em que numa luta a dois uma das partes consegue somar 4 pontos, torna-se muito mais difícil para o seu rival conseguir inverter o rumo dos acontecimentos.
Todos os campeonatos são como maratonas, nenhum dos competidores consegue manter o mesmo ritmo do princípio ao fim, a alternância de posições é bem normal, mas apenas o mais resistente consegue superar o concorrente. 
É isso o que aconteceu também no recém-terminado campeonato, o 1º de Agosto teve os seus momentos de oscilação, sobretudo durante a primeira volta, o suposto apetite pelo empate chegou a fazer soar o alarme, mas na hora da verdade o Petro de Luanda voltou a não ter pernas para conseguir aproveitar a intermitência dos militares.

"QUASE" CAMPEÃO
1º de Agosto lidera campeonato


O 1º de Agosto é a equipa que mais vezes terminou na segunda posição do campeonato nacional, foi vice-campeão em nove ocasiões. O livro da história do Girabola Zap coloca os militares na liderança do ranking iniciado em 1980, quando a maior prova do futebol nacional começou a ser disputado nos moldes actuais, para não variar o Petro vem logo atrás com oito, menos uma que o rival.
A estreia do 1º de Agosto como vice-campeão aconteceu em 1982, quando perdeu a hegemonia do futebol nacional para o Petro de Luanda. Os militares repetiram a dose na época seguinte, 83, e igualaram o recorde da TAAG, a primeira equipa a bisar dois segundos lugares consecutivos.
A chegada do século 21 acabou por coincidir com o período em que os rubro-negros terminaram mais vezes atrás do campeão, contas feitas, foram 6 vezes, 2002, 2007, 2008, 2012, 2013 e 2015 que adicionadas a 82, 83 e 87 dão a coroa negativa para o 1º de Agosto.
O Petro de Luanda se estreou no Girabola em 1981, porém, teve de adoptar uma paciente atitude de espera até 1996 para ser vice pela primeira vez. Curiosamente, nas 8 ocasiões em que os tricolores foram segundos, apenas uma vez, 2003, o carrasco foi o ASA, nas restantes vezes, 1996, 1998, 2003, 2006, 2016, 2017, 2018, 2018/2019, o Petro teve de assistir aos festejos do maior rival.
Quando o boa começou a rolar em 1979, o sistema de disputa era diferente, séries, meias-finais e final, mas a mudança dos moldes acabaram por trazer à superfície a primeira grande rivalidade do nosso futebol, 1º de Agosto e TAAG, hoje ASA. Depois de arredados da final em 79, os aviadores tiveram de se contentar em duas ocasiões consecutivas com o segundo lugar, 80 e 81, mas foi a partir de 1992, quando reassumiu a denominação inicial, ASA, que os aviadores mais vezes quase fizeram a festa do título, 92, 95, 2000, 2001 e 2005.
O campeonato angolana já teve a ditadura militar do 1º de Agosto e a ditadura do proletariado do 1º de Maio de Benguela, ora a famosa equipa da Rua Domingos do Ó viveu os seus momentos de glória nas décadas de 80 e 90. Os proletários começaram a ganhar o gosto pelo vice depois de começarem a acumular fracassos na corrida pelo título, contas feitas em 1989 com Nando Jordão, 1990, 1993 e 1994, o 1º de Maio se tornou na quarta equipa com mais segundos lugares, são 4.
Para fechar o ranking dos 5 primeiros aparece o Sagrada Esperança, os diamantíferos fizeram menos 2 pontos que o 1º de Agosto em 1991, 45 contra 42, e brilharam pela primeira vez no segundo lugar, depois repetiram a classificação em 1997 e 2004.