Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Petro de Luanda volta às vitórias

Pedro Neto - 08 de Julho, 2012

Central tricolor deu os três pontos à sua equipa no confronto da 16ª jornada

Fotografia: Jornal dos Desportos

Depois de uma sequência de sete jogos sem ganhar, a equipa do Petro de Luanda derrotou ontem o Santos FC, por 1-0, golo do central Bastos, num desafio em que os petrolíferos sofreram por culpa própria, pois mostraram fraca pontaria nos momentos decisivos. Aos cinco minutos, os petrolíferos deram o primeiro sinal de perigo com Love a rematar ao lado do poste da baliza defendida por Gerson, após passar por Locó. Dois minutos depois foi a vez de Kêmbua e Katongo testarem o guarda-redes santista. No primeiro lance a bola foi defendida e na recarga o zambiano atirou ao poste.

O desafio pendia mais para o lado dos tricolores, com várias jogadas de perigo, mas sem contudo tirarem proveito. Os santistas defendiam-se como podiam e tentavam chegar à grande área adversária de forma tímida. Katongo, aos 17´, falhou um cabeceamento na pequena área, com a baliza à sua mercê, quando todo o mundo já se preparava para gritar pelo golo. Depois a partida entrou num ritmo morno, com o Santos FC a fechar bem os caminhos para a sua baliza, criando grandes dificuldades ao adversário, que parecia correr contra o tempo.

A equipa de Miller Gomes dava mostras de ser a mais interessada na vitória, pois os comandados de Luís Quintas esperavam o adversário e saíam em contra-ataque. Osório, aos 37´, através de um livre directo, rematou em jeito para uma excelente defesa de Gerson. Os tricolores demoravam a acertar e a ansiedade começava a tomar conta dos jogadores. Ao Santos FC interessava o empate e, por isso, jogavam sem grandes preocupações ofensivas, trocando a bola no seu meio-campo. O intervalo nem por isso fez com que o Santos FC mudasse de postura. Por isso, a forma como o Petro se apresentou nessa etapa do jogo (segunda) fez prever que com menores ou maiores dificuldades conseguiria o golo.

Kêmbua, aos 47´, deu esse aviso, porém, o seu remate foi correspondido por uma grande defesa de Gerson para canto. Aos poucos os petrolíferos tomaram conta do jogo e asfixiaram o último reduto dos donos da casa, que mais pareciam jogar fora, em função do maior número de adeptos dos tricolores. A bola teimava em não entrar na baliza de Gerson, Kêmbua e Katongo estiveram bem próximos mas as redes mantinham-se invioláveis.

Os dois técnicos mexeram nas respectivas equipas, com os santistas a preocuparem-se mais em defender o empate nulo, com a entrada do defesa central Diangani, enquanto a equipa do Catetão lançou Mateus e Mabululo para as saídas de Loló e Kêmbua. O técnico do Santos FC, Luís Quintas, apercebendo-se que podia arriscar mais, apostou no ataque com as entradas de Zé Kalanga e Rainho, que na primeira vez que tocou na bola cabeceou e o esférico embateu no poste direito de Jotabé, isso aos 75´. Na resposta, o Petro massacrou a defesa santista mas a bola teimava em não entrar.

GOLO
Os tricolores ainda gritaram golo, aos 78´, por Osório, após um remate de Katongo que embateu no poste, mas o árbitro anulou e bem a jogada. Todavia, o melhor estava para acontecer. Aos 90´, o defesa central Bastos mostrou aos avançados como as coisas devem ser feitas ao marcar o único golo do desafio, acabando com uma seca de quatro jogos sem os petrolíferos festejarem um tento.

MELHOR EM CAMPO
Mateus foi o maior


O médio ofensivo do Petro de Luanda, Mateus, foi o grande destaque do conjunto tricolor. O jogador da equipa do Catetão contribuiu bastante para que vencessem os santistas. Entrou no segundo tempo para o lugar do lateral direito Loló e deixou a sua marca no desafio com excelentes jogadas e recortes técnicos. Foi dos seus pés que saiu o passe do golo marcado por Bastos. Devido ao seu físico, muito franzino, Mateus, tratado por Matengó no Catetão, esteve em bom plano na construção das jogadas ofensivas da sua equipa ao lado de Osório.


ARBITRAGEM
Apito regular


O árbitro Venâncio Daniel saiu de cabeça erguida do desafio entre Santos FC e Petro de Luanda. Acompanhou de perto as jogadas e apitou apenas as irregularidades que viu. Não inventou nada e deixou os artistas da bola jogar. Os jogadores também não complicaram e fizeram poucas faltas passíveis de penalização. Mostrou apenas numa ocasião a cartolina amarela, a Ribeiro, jogador do Santos FC. Na jogada que resultou na anulação de um golo aos tricolores esteve bem.


DECLARAÇÃO DOS TÉCNCOS


Luís Quintas Santos FC
“Adversário forte”


“Fizemos um bom jogo, estivemos diante de um adversário muito forte, mas soubemos contrariar o seu favoritismo. Não defendemos, jogámos abertos e sabíamos desde o início que seria um jogo difícil. Podíamos ter saído daqui com um ponto, mas perdemos porque as substituições do Petro resultaram melhor em relação às nossas.”

Miller Gomes Petro de Luanda
“Precisávamos desta vitória”


“Foi um jogo sofrível. Os jogadores demonstraram alguma ansiedade durante o jogo, prova disso foi o golo marcado aos 90 minutos, quando podíamos ter feito no primeiro tempo. De qualquer forma era a vitória que precisávamos para encararmos os próximos jogos com maior confiança e acredito que vamos melhorar as nossas exibições e resultados.”