Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Petro e Interclube sem muitos riscos

Betumeleano Ferro - 21 de Agosto, 2016

Os adversrios dos tricolores e dos polcias esto desesperados.

Fotografia: Santos Pedro

O Petro de Luanda e o Interclube são de longe favoritos nas deslocações aos redutos do Porcelana e 1º de Maio. Os adversários dos tricolores e dos polícias estão desesperados. Precisam de pontos para sair da zona de despromoção, uma condição favorável para as duas equipas da capital fazerem o seu jogo sem muitos constrangimentos, pois, quem joga em casa é que está entre a espada e a parede.

A diferença de qualidade é evidente. Os petrolíferos vão ao Cuanza Norte e confiantes e numa fase em que no Catetão agora se fala de Azulão, médio brasileiro aparentado com os golos. É caso para dizer que a morte da andorinha não vai fazer falta a primavera, já que os tricolores ainda dispõem de muitos trunfos para incendiar o estádio e facturar três pontos.

O desempenho dos tricolores na segunda volta coloca o Porcelana sem muitas alternativas de experimentar o contra-ataque. O Petro quando pega no jogo consegue ser equilibrado e esta postura não permite adversários como o Porcelana ver pontas para puxar pelo contragolpe.

Os comandos de Sarmento Seke lutam pela sobrevivência e aceita correr todos os riscos necessários para acalentar a esperança da permanência.

Alguns dos bons resultados caseiros contra equipas fortes dão motivos para encararem a hipótese de pelo menos empatar, mas para conquistar o ponto é importante que sejam humildes e aceitem as suas limitações, este é o caminho mais seguro para evitar a derrota. A ditadura do proletariado há muito desapareceu do futebol angolano, e é por isso que os polícias vão esta tarde ao Municipal como favorito. A aflição do 1º de Maio é capaz de proporcionar ao Interclube todo o espaço necessário para jogar e ganhar sem pressão.

Os dono da casa não têm plantel para olhar nos olhos do adversário. A eficácia dos visitantes nos últimos três jogos dá pouco ânimo para os anfitriões fazerem do contragolpe a sua tábua de salvação. O Interclube é um adversário indesejável para a equipa benguelense, mas os adeptos caseiros querem que os seus atletas arranjem formas de chegar a vitória, para adiar a despromoção, cada vez mais evidente.

Os polícias têm como escolher a postura que vão adoptar em campo. Assumir as despesas do jogo ou entregá-las aos proletários podem dar no mesmo, se a costumeira eficácia fizer a diferença. Se o Interclube não vencer, vai haver motivos para colocar o 1º de Maio nos píncaros da glória. O desempenho dos contendores no Girabola ZAP dá poucos motivos para se acreditar numa surpresa.


HUAMBO E HUÍLA
Caála e Desportivo
pressionados


O CR da Caála e o Desportivo da Huíla têm a árdua missão de impedir que o 4 de Abril e o ASA saíam incólumes dos seus campos. As duas equipas forasteiras são das mais indesejáveis do campeonato, já que são capazes de derrubar gigantes, pelo que os seus adversários têm de atiçar o seu espírito competitivo, a partir das 15H30, para evitarem passar pelas mesmas experiências amargas dos outros vergados pelos estes dois adversários.

O CRC fugiu com êxito da zona da despromoção e enfrenta um opositor que luta pelo mesmo objectivo. Os caalenses conseguem ler o pensamento contrário, mas nada melhor que esperar pelo fim dos 90 minutos para concluir, com exactidão, se agiu com o que sabia de antemão.

A equipa de Alberto Cardeau gosta de se agigantar no seu campo, mas esta tarde vai ter de correr com muitas cautelas porque o conjunto de João Machado é das equipas mais velozes do campeonato. São rápidos a executar e nem sempre precisam de ter muitos homens a atacar, para fazer o adversário perceber que precisa defender com rigor.

A jogar em casa tem obrigações acrescidas, mas tem de estabelecer muito bem o ponto de equilíbrio, ou ataca com paciência ou se arrisca a ser surpreendido. O 4 de Abril não tem as mesmas armas do CRC, mas como é de hábito vai se esticar em campo para não perder. Um empate seria um bom resultado, porque permitiria acrescer mais um ponto importante na fuga à despromoção.

O Desportivo da Huíla está a espreitar os lugares da despromoção, mas a qualidade do plantel contrasta de maneira clara com a má classificação da equipa. O ASA não é o adversário ideal para quem está necessitado de pontos. Os aviadores estão no momento de forma ideal e demonstram ter argumentos para disputar pontos em qualquer campo.

O Desportivo está pressionado porque está a ser puxado por baixo por questões extra-desportivas, mas o ASA esteve na mesma situação e conseguiu resolver os seus problemas e voa com segurança no Girabola ZAP. A ascensão dos aviadores é motivo suficiente para se lhe atribuir mais doses de favoritismo, aparenta ter muito mais chances de sair vitorioso do Ferrovia.

A situação periclitante dos militares da Região Sul é evidente e têm de vencer porque o tempo da recuperação começa a escassear. A qualidade do plantel é abundante, falta apenas aos atletas se concentrarem e jogarem o que sabem.


PETRO DE LUANDA
Jiresse reintegra disponíveis


O regresso do avançado Jiresse ao grosso de disponíveis e a recuperação de Miguel, Duarte e Diógenes é a nota de destaque na equipa do Petro de Luanda, para o jogo desta tarde, em Ndalatando, diante do Porcelana do Cuanza Norte, válido para a 22ª jornada do Girabola Zap.

Motivado pela vitória convincente (3-0) muito bem conseguida na jornada anterior, os tricolores, parafraseando o seu treinador, Beto Bianchi, parte para este jogo ciente das dificuldades, mas crente que pode manter a senda vitoriosa no campeonato, onde ocupa actualmente a terceira posição.

Com todos os jogadores disponíveis, o técnico do Petro pode dar-se por feliz pelo facto de ter conseguido preparar o jogo sem qualquer sobressalto. De regresso às opções estão, agora, mais unidades fundamentais na manobra ofensiva do conjunto, ausentes no desafio passado por razões distintas.

Consta que Beto Bianchi pode recorrer à velha máxima que sobrevive no futebol e ainda faz morada na mente de alguns técnicos, segundo o qual em equipa que ganha não se mexe, para justificar a aposta no mesmo "onze" que recebeu e venceu o Sagrada Esperança na jornada transacta.

A boa imagem deixada pela equipa no duelo com os diamantíferos e o excelente labor patenteado pelos jogadores podem ter agradado, em absoluto, o treinador hispano-brasileiro, razão pela qual durante as sessões de treinos foi evidente a presença no provável "onze" dos mesmos jogadores que ajudaram a dar corpo à última vitória.

Embalando neste prognóstico, o Petro de Luanda pode jogar hoje, no Cuanza Norte, com a seguinte equipa titular: Gerson à baliza, Mira, Ari, Elio e Wilson, no quarteto defensivo, Francis, Fabrício, Manguxi, Job e Herenilson (ou Jiresse), no meio-campo, e Tiago Azulão, na frente de ataque.
                                                PAULO CACULO


PORCELANA FC
Plantel augura nova era


O plantel do Porcelana FC está optmista e acredita numa nova era no Girabola Zap. A motivação do grupo é boa e apontam o jogo desta tarde, às 15H00, no Estádio dos Dinizes, frente ao Petro de Luanda como o da viragem rumo a permanência no campeonato.

O lateral esquerdo Lara afirmou que não existe nada de anormal na equipa do Cuanza Norte, apenas não têm tido sorte o que tem influenciado para o percurso nada abonatório da equipa na prova. Assegurou que estão unidos e focados para conquistar os três pontos esta tarde.

 “Por vezes há falta de atenção nossa, o professor já conversou connosco durante a semana e vamos procurar melhorar para não voltar a acontecer”, esclareceu.

Na mesma linha de pensamento está o médio Armando, actualmente a unidade de maior rendimento da equipa. O atleta considera o momento que atravessam como coisas que acontecem, mas está convencido que o Porcelana permanecerá na primeira divisão. “Tudo será feito nos nove jogos que faltam para permanecermos”, destacou.

Quando em Julho passado, Sarmento Seke assumiu o comando técnico do Porcelana F C de Cazengo, previa-se que por essa altura a equipa já estivesse numa posição cómoda, longe do espectro da despromoção, mas nada ainda mudou.

Contudo, não é menos verdade que depois de seis jornadas disputadas na segunda volta do Girabola Zap a formação de N’Dalatando já troca mais a bola, defende-se ligeiramente melhor, mas é ainda a lanterna vermelha.

A melhoria defensiva está longe da eficácia para evitar que, por exemplo sofra com frequência golos nos minutos derradeiros das partidas, colocando a equipa como a segunda defesa mais batida com 29, só superada pelo 1º de Maio com trinta. Em média consente quase um golo e meio por cada jogo.

Com tal cifra dificilmente se alcança a permanência.

Os atletas, apesar de assumirem que a recepção ao Petro pode marcar uma nova era no representante do Cuanza Norte no Girabola Zap, entre os adeptos começa a diminuir o optimismo quanto a mudança do quadro classificativo.

Na óptica do treinador nada ainda está definido e quem está na última posição hoje, daqui à quatro jornadas pode estar no nono lugar e vice-versa.
“ Está tudo em aberto, tanto em cima como em baixo. O campeonato vai se definir até a última jornada e, nós não queremos esperar pela última jornada. Vamos fazer todos os possíveis para ver se conseguimos pontuar”, disse Sarmento Seke     I. N


VISITA AO PORCELANA
Bianchi antevê dificuldades


O técnico do Petro de Luanda assumiu que não espera por um jogo fácil frente ao Porcelana por diferentes razões. Além de acreditar que o "factor casa" tem algum peso, Beto Bianchi admite que as condições do relvado do estádio dos Dinizes pode complicar a tarefa da equipa em tentar jogar um bom futebol.

"Sabemos que não será um jogo fácil. O Porcelana tem uma equipa bastante forte, sobretudo a jogar em casa. As condições do relvado também não são boas e acho que, pelas características do futebol que a minha equipa pratica, pode influenciar um pouco no nosso desempenho. Não se trata de nenhuma desculpa, mas é apenas a realidade", esclareceu.

O treinador acrescentou ainda que a equipa tem uma característica própria de jogar futebol e estando a jogar num relvado "ruim", pode sentir algumas dificuldades. Ainda assim, Bianchi advertiu que a vitória na jornada passada deixou o plantel muito mais motivada do que antes.

"Penso que estamos confiantes e atravessamos uma fase muito boa no campeonato, quer pela vitória na jornada anterior, quer pela posição que ocupamos na classificação. Tudo isso, serve de motivação para os jogadores continuarem a trabalhar para os objectivos traçados".                                                                                                                                                        PC