Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Petro empata e beneficia 1 de Agosto

Jlio Gaiano, em Benguela - 02 de Julho, 2018

Acadmica do Lobito e Petro de Luanda empataram sem golos no Ombaka

Fotografia: Dombele Bernardo | Edies Novembro

O doce sabor da liderança alcançado pelo Petro na passada quarta-feira foi efémero. Melhor, os tricolores não tiveram capacidade para manter os mesmos números de pontos que o campeão 1º de Agosto, pois ontem, no Ombaka, acabaram por repartir pontos com a sensacional Académica do Lobito, num jogo em que tiveram a protecção do árbitro que não sancionou um penálti a favor dos donos da casa.
A partida marcada por alto rigor táctico dos contendores, acabou empatado sem golos, e realça-se também a falta de acutilância e engodo dos atacantes que acabaram anulados pelos defesas contrários.
Os estudantes estiveram próximo do golo, não fosse a desatenção evidenciada pelo árbitro principal que no minuto 30, fez “ vista grossa” a um lance susceptível de falta na área das penalidades. À entrada da área, Miguel rematou forte e Wilson no caminho da bola, travou-a com a mão. O árbitro próximo do lance, ignorou e deixou seguir o jogo, ante o protesto dos adeptos e jogadores que, em vão, clamavam pelo sancionamento da infracção cometida na área petrolífera. 
Para lá desta incidência, o jogo em si não teve muita história por descrever, sobretudo na primeira parte, em que as duas equipas (mais o trio de árbitros) entraram trémulos e com receio de sofrer primeiro. Os resultados animadores da ronda passada terá pesado na atitude patenteado no jogo. Precisavam de manter o espírito de conquista, isto é, a pensar já nos próximos jogos. As incidências mostraram que, num jogo claro e sem a interferência de terceiro, o Petro de Luanda sairia de Ombaka sem um ponto. Aliás, os adeptos deixaram o estádio com a certeza de que os estudantes teriam motivos para festejar a uma vitória sobre um dos fortes candidatos à conquista ao ceptro. Contudo, tal não sucedeu, pois o empate a zero prevaleceu, até o soar do apito do árbitro que, a 10 segundos do fecho inviabilizou a marcação do pontapé de canto a favor dos visitantes.
A actuação do trio de arbitragem liderado por Feliciano Lucas pautou-se pela regularidade. Entrou nervoso e deixou-se iludir ao peso do jogo, tal foi na maneira como deixou seguir uma falta na área das penalidades defendida pelo Petro. Porém, acertou na segunda parte.