Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Petro mantm olhos no topo

Betumeleano Fer?o - 02 de Setembro, 2017

Petro de Luanda ao lado do 1 de Agosto

Fotografia: Jornal dos Desportos, Edies Nouvembro

O jogo de palavras foi incapaz de colocar o Petro de Luanda ao lado do 1º de Agosto, no topo da classificação. Os tricolores falharam o alvo com a derrota diante do Interclube, porém, hoje a partir das 16h00 no Estádio 11 de Novembro podem forçar o rival a partilhar a liderança, caso vençam o Clube Recreativo da Caála (CRC).

Sem margem de erro, para evitar municiar os militares, os tricolores têm de tirar tudo da cartola para somar os 3 pontos, e de agora em diante estão proibidos de desperdiçar pontos, porque a questão do título está prestes a entrar nas deliberações finais, e o Petro de Luanda tem de evitar atrasos desnecessários.

A pressão de vencer vai ser um bom teste para a mente da equipa técnica e do plantel do Petro de Luanda, a reacção tem de ser rápida e em força para que a confiança que parecia inabalável antes da derrota contra o Interclube não se transforme em descrença, e o título escape entre os dedos.

O CRC vem a Luanda com os dados necessários para abordar o jogo com boa atitude competitiva, ainda assim, paira a dúvida se vem para jogar aberto ou se vai adoptar uma atitude de espera,  para ser eficaz no contra-golpe.

Se o CRC for ao 11 de Novembro com profundo respeito do Petro de Luanda, é ponto assente que não tira proveito da pressão que o adversário se encontra. É verdade, que o Petro não perdeu o nome por perder com o Interclube na quarta-feira, mas é importante que a equipa do Huambo faça a sua parte,  para impedir que se jogue mais vezes dentro do seu meio -campo.

Os tricolores sabem, que têm de entrar em campo com um figurativo abre-latas, para abalarem os alicerces defensivos do CRC, aliás, o que se pretende é que o campeão dos campeões faça muito mais do que atacar, tem de fazê-lo com boas decisões no último terço do campo. Por mais posse de bola que venha a ter, pode resultar em nada se a finalização for deficiente, é condição indispensável que haja sangue-frio para marcar pelo menos um golo a mais que o CRC, caso contrário, a vaca pode começar a ir para o brejo.

DUELO  NO LESTE

O Sagrada Esperança e o FC Bravos do Maquis vão aproveitar o factor casa, para apagarem com vitórias, os desaires da jornada anterior. No plano teórico, as duas equipas têm muitas chances de ganhar, mas agora é preciso praticar durante os 90 minutos com os moralizados Académica do Lobito e Desportivo da Huíla, os jogos começam às 15 h00, nos Estádios do Dundo e do Mundunduleno (Luena).

A esperança do Sagrada, de permanecer no pelotão da frente do Girabola Zap, também passa por uma vitória sobre a Académica do Lobito. Os diamantíferos têm de juntar eficiência atacante à dinâmica de jogo, a equipa gosta de entrar com o foco nas balizas adversárias, mas falha muito e é muitas vezes é penalizado pelo fraco apetite de golos.

A fazer pela vida para garantir a manutenção, a Académica vai somar pelo menos um ponto em casa alheia, para tornar realidade o objectivo de não perder. O empate vai ser a meta inicial dos estudantes, mas se houver oportunidade pode pôr em prática a outra fase da sua estratégia, somar 3 pontos.

O FC Bravos do Maquis tem tarefa mais difícil, recebe o Desportivo da Huíla, uma das equipas mais imprevisíveis do campeonato,  oscila muito de rendimento e às vezes por questões extra-campo. Os maquisardes vão pegar no jogo para que a qualidade dos militares não sobressaia primeiro, e cause enormes dissabores.

As duas equipas são da mesma bitola, pelo que qualquer uma delas pode ganhar, a equivalência entre os planteis pode dar ao jogo o equilíbrio que se espera, embora seja normal em jogo dessa natureza, que haja alternância no comando do jogo.

O jogo entre maquisardes e militares é incapaz de ser cartaz no campeonato, ainda assim, os contendores podem protagonizar um bom jogo, dentro dos padrões de qualidade do nosso campeonato. A qualidade que existe nos dois planteis pode ser determinante para termos futebol de ataque entre duas equipas que têm no seu seio treinadores e atletas com vasta experiência na primeira divisão.


BETO BIANCHI
“Vamos enfrentar mais uma final”


O técnico do Petro de Luanda, Beto Bianchi, afirmou ontem em conferência de imprensa no Catetão, que a equipa encara todos os jogos que restam para o desfecho do Girabola Zap, como autênticas finais. Em face disso, o hispano-brasileiro espera vencer hoje o Recreativo do Caála, no Estádio 11 de Novembro, desafio  a contar para a 23ª jornada do campeonato.

Beto Bianchi garantiu que a derrota frente ao Interclube não abalou a estrutura psicológica dos jogadores, pelo que promete uma equipa motivada e disposta a redimir-se do deslize consentido na jornada anterior.

"Os ânimos estão em alta. Apesar da derrota, os jogadores estão muito bem e motivados. Perdemos o jogo com o Inter, mas o Petro jogou bem, e em muitos momentos do jogo fomos superiores, mas infelizmente o adversário aproveitou duas falhas cometidas por nós. Mas é importante dizer, também, que o guarda-redes Neblu esteve num dia excepcional", afirmou.

O técnico considera que alimentar a crença e o optimismo da equipa na conquista dos três pontos, esta tarde no embate frente aos caalenses, está o facto de os jogadores estarem cientes de que o resultado registado no Estádio 22 de Junho em nada reflecte a exibição patenteada pelo conjunto.

"Os jogadores fizeram uma boa exibição, mas infelizmente não conquistaram os três pontos. A nossa vantagem é que temos outro jogo, em seguida, e não dá tempo de curtirmos a derrota. Os meus atletas estão desejosos de vencer este jogo com o Caála, para recuperar os três pontos perdidos. A equipa está motivada", garantiu Bianchi.

Instado a avaliar as potencialidades do adversário, o treinador do Petro referiu que o Caála é uma equipa que está habituada a jogar muito bem,  vem de resultados bons, facto que permite antever uma partida complicada.

"Tenho dito sempre aos meus jogadores que não adianta olharmos para o nosso adversário pelas suas qualidades. Respeitamos todos, mas a gente deve ganhar  jogo a jogo, porque o campeonato está a terminar e a diferença de pontos é mínima. Todos os jogos serão para nós autênticas finais. Por isso, vamos com tudo, porque vamos enfrentar mais uma final", asseverou.                                                                          PAULO CACULO