Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Petro vence e pressiona 1º de Agosto

Paulo Caculo - 21 de Março, 2017

O trabalho do árbitro Carlos Silva não merece qualquer contestação, na medida em que esteve a altura do espectáculo, estando sempre por cima das jogadas, punindo todas as jogadas produzidas à margem das regras.

Fotografia: Jornal dos Desportos

Com golos de Job, aos 6\', Manguxi, aos 78\' e Tiago Azulão, aos 86\', o Petro de Luanda regressou ontem às vitórias e redimiu-se, da melhor forma, da derrota averbada frente ao Kabuscorp, na jornada anterior. Apesar da goleada (3-0), os tricolores enfrentaram dificuldades para suplantar uma formação do JGM que veio disposto a vender cara a derrota.

A boa atitude evidenciada pelo conjunto do Planalto Central nos instantes inicias permitiu a equipa orientada por Águas Zeca Silva a sonhar num desfecho airoso, mas o sector defensivo numa desatenção acabou por trair os colegas ao perder a bola na zona de rigor, logo aos 6\', oferecendo o golo ao médio ofensivo Job.

A vantagem madrugador espevitou os tricolores que criaram as condições para tomar de assalto os três pontos. Volvidos quinze minutos, os visitantes cresceram de produtividade, facto que permitiu aos pupilos de Beto Bianchi enfrentarem períodos de incómodos na sua baliza e com dificuldades para dilatar a vantagem.

Apesar de chamar a si a maior posse de bola e ocasiões de golo, o Petro teve quase sempre no JGM um adversário capaz de dar uma pronta-resposta. Era, na maioria das vezes, pelas jogadas de contra-ataque que a equipa do Huambo tentava visar a baliza contraria. Das poucas vezes que conseguiu, por intermédio do incansável Guri, faltou serenidade necessária ao ataque para chegar ao golo nesse período.

A segunda parte foi um paradigma da etapa inicial, com os tricolores ansiosos em chegar ao golo e o conjunto do Huambo seguro a sacudir a enorme pressão a que esteve sujeito, mas também pouco esclarecedor na construção de jogadas ofensivas.

A verdade é que os anfitriões tiveram dificuldades em manter o controlo do jogo nos minutos derradeiros, sobretudo a julgar pelas situações de embaraço criadas à sua defesa pelo ataque contrário. Os tricolores tiveram de sofrer para chegar ao golo da tranquilidade, rubricado por Manguxi, aos 81\', na sequência de uma jogada de belo efeito.

A perder por 2-0, nem por isso a equipa do Huambo atirou a toalha ao tapete, tendo lutado até ao fim, embora sempre denotando dificuldades a descobrir os caminhos do golo. E quando se pensava que o resultado estava definido, houve ainda tempo para Tiago Azulão fazer o terceiro golo, num remate de cabeça a sentenciar a partida.

O trabalho do árbitro Carlos Silva não merece qualquer contestação, na medida em que esteve a altura do espectáculo, estando sempre por cima das jogadas, punindo todas as jogadas produzidas à margem das regras.
PC