Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Polcias de vento em popa

Paulo Caculo - 16 de Maio, 2016

Polcias foram superiores aos benfiquistas num dos drbis da capital referente 12 jornada do campeonato

Fotografia: Jos Soares

O golo apontado por Dasfaa possibilitou ontem ao Interclube a obtenção da quarta vitória consecutiva no Girabola Zap, no jogo diante do Benfica de Luanda, disputado no estádio 22 de Junho, válido para a 12ª jornada.

Disposto a manter o ciclo de vitórias que mantém desde à nona jornada, os polícias entraram para o desafio com as águias decididos, com um futebol pressionante e imprimindo grande velocidade às jogadas. Tal postura permitiu ao conjunto às ordens de  Zdravko Logarusic tomar a iniciativa de jogo.

A verdade é que apesar do relativo domínio do Interclube, o equilíbrio foi quase sempre a nota predominante. O Benfica surgiu com uma equipa atrevida, muito bem a trocar a bola e a explorar os espaços em branco para ganhar terreno em zonas nevrálgicas da defesa contrária.

Umas vezes por Amaro, outras por Bena, a equipa de Zeca Amaral mostrava-se impotente para incomodar o último reduto dos donos da casa. Mesmo a pressionar, o Interclube encontrava quase sempre dificuldades em furar a defesa do Benfica. A grande muralha defensiva montada pela águia não permitia ao conjunto da Polícia provocar calafrios à baliza de Fernando.

Mas quando se pensava que os primeiros 45 minutos fosse terminar empatado, eis que Dasfaa, aos 38´, numa jogada de contra-ataque consegue colocar de sentido a defesa do Benfica, ao bater Fernando, após insistência.

Inconformado com a desvantagem no marcador, as águias surgiram do intervalo muito mais preocupado em inverter a tendência de jogo e empatar o resultado. Zeca Amaral mexeu na equipa, refrescou o meio-campo, mas nem por isso teve muita sorte com as substituições que efectuou.

A perder pela margem mínima, nem por isso o Benfica baixou os braços, pois procurou sempre chegar ao golo sobre todas as formas, mas as tentativas em visar a baliza de Nelson não surtiram o efeito desejado, pois os polícias foram felizes na forma como conservaram a posse de bola e a vantagem no marcador, construída ainda na primeira etapa de jogo.

Com o Benfica a manifestar esperanças em igualar a partida, o Interclube mostrou-se muito mais cauteloso, tendo jogado no seguro, ao efectuar mexidas que permitiram "amarrar" o resultado.

DESPORTIVO VS ACADÈMICA
Estudantes ultrapassam militares da Região Sul

Apatia, ausência de soluções e falta de objectividade na finalização ditaram ontem a primeira derrota caseira do Desportivo da Huíla no Girabola Zap 2016. Os militares da Região Sul, perderam por 2-1, diante da Académica do Lobito, no estádio do Ferroviário, no Lubango, em desafio válido para a 12ª jornada da prova.

Com uma postura sem vida e uma equipa debilitada, a equipa de Ivo Traça foi incapaz, de no seu próprio reduto, colocar fim à sequência dos maus resultados  (três derrotas consecutivas e um empate).

Do lado oposto, esteve uma Académica do Lobito que entrou para o jogo com a lição bem estuda. Ciente das suas obrigações e objectivos, os estudantes colocaram em prática uma estratégia objectiva, traduzida em jogadas rápidas de contra-ataques, e que só não surtiu o efeito desejado nos instantes iniciais da partida por falta de calma e concentração dos seus avançados, que diante da descoordenada defensiva do Desportivo, não souberam tirar proveito.

Contudo, a equipa de casa também repostou com uma ou outra investida mas sem a objectividade necessária.Por isso, foi sem surpresa quando, aos 42´, Ibraim, na cobrança de um livre do lado direito conforme atacava a equipa do Lobito, atirou para o fundo das redes batendo de forma inapelável o guarda-redes Nuno.

Foi com alguma agressividade que os Militares da Região entraram para a segunda parte. Ivo Traça motivou a rapaziada e lançou o avançado Beto para o lugar do central e capitão Chiwe e Lito para o lugar do apagado Mendes na frente de ataque.

Aos 58´, Ivo Traça respirou de alívio. A agressividade aliada às mexidas efectuadas surtiu efeitos desejados. Estava resposta a igualdade. Dani Traça concluiu com êxito o prosseguimento de um livre directo quando na pequena saltou mais alto e desferiu um portentoso cabeceamento para o fundo da baliza do guarda-redes Fani.

Mas na luta pelo desempate foi a Académica do Lobito quem levou da melhor. Fiéis à sua estratégia, os estudantes não se abalaram pelo tento sofrido. Apostaram na paciência e foram neutralizando com sucesso as investidas do ataque adversário.

Aos 75´, surgiu o memento decisivo do desafio. Um corte imperfeito do defesa Bonifácio deixou a bola perdida na pequena área e diante da hesitação do guarda-redes Nuno, surgiu o avançado Femi, da Académica, que em "velocidade de cruzeiro", deixou a defesa contrária, alcançou o esférico, superou o guardião e fez o 2-1.
BENIGNO NARCISO, NO LUBANGO