Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Polícias neutralizam aviadores

Augusto Panzo - 26 de Setembro, 2016

Dérbi entre aviadores e polícias encerrou a ronda vinte e cinco com a vitória a sorrir para a forçamão do Rocha Pinto

Fotografia: Nuno Flash

A terceira foi de vez. O Interclube regressou às vitórias num dérbi em que a formação da polícia entrou confiante e determinada a impor ordem para repor a tranquilidade ante um conjunto que acusou falta de concentração nos momentos vitais da partida. Sem ter efectuado uma exibição de grande nível valeu o resultado para quem precisava de vencer e manter um certo equilíbrio emocional para encarar com serenidade as últimas cinco jornadas que faltam para o término do campeonato, fracassada que foi a campanha nesta época.

Do lado contrário, o ASA que assumiu o comando do jogo em largos minutos da contenda, não conseguiu evitar o segundo desaire consecutivo, que no entanto, não belisca os objectivos traçados, mas deixa a equipa do aeroporto sem aquele fulgor que o catapultou para voos mais tranquilos em rondas anteriores.A vitória da formação do Rocha Pinto começou a desenhar-se muito cedo, com os respectivos atacantes a fustigarem quase que incessantemente a baliza aviadora que mais uma vez teve em Maguette, o grande travão.

Em função da boa confiança que o guarda-redes aviador oferecia, os seus colegas passaram a acreditar que também tinham hipóteses de chegar ao golo, passando a pressionar o Interclube com jogadas bem delineadas, mas que acabavam sempre por descambar em falhanços. Com esse andamento das coisas, os pupilos de Vdrasko Logarusic voltaram a espevitar-se, e mais uma vez vieram pôr à prova a perícia do guardião senegalês ao serviço da turma aviadora, que acabou por não resistir à fúria dos homens do Interclube e sofreu o primeiro golo aos 33´, apontado por Jaime Poulson.

O ASA tentou buscar o empate, mas os seus atacantes continuavam pouco certeiros na hora de finalização, o que arrastou as duas equipas para o intervalo, com o conjunto do Interclube em vantagem de um a zero.De regresso dos balneários os aviadores voltaram a acreditar que uma reviravolta seria possível, encetaram várias jogadas de contra-ataque, o que lhes valeu o golo do empate, apontado por Nelito aos 54´da partida.

Conseguido o empate, os aviadores queriam muito mais, porém, viram essa intenção gorada, porque à passagem do minuto 60´o Estádio dos Coqueiros ficou sem iluminação por cerca de 11 minutos, o que matou o ímpeto atacante da equipa.Quando a partida foi retomada o ASA tentou recuperar o fôlego, mas já não foi o mesmo e acabou por sofrer dois golos num espaço de 12 minutos, com Moco aos 82´e Chico aos 94´a dilatarem a vantagem dos polícias do Rocha Pinto, resultado com que se encerrou a partida.

ARBITRAGEM
Trabalho negativo


Aílton Carmelino efectuou um trabalho dentro da lógica de dois pesos e duas medidas, a julgar pela forma clara como evidenciou a parcialidade em desfavor do ASA, sobretudo na questão da chamada lei da vantagem. Notava-se que o árbitro tinha intenções claras de "matar" as jogadas da equipa do bairro Mártires de Kifangondo. E como se não bastasse, até em jogadas de um para um, Aílton Carmelino mostrou-se sempre a favor do Interclube, apesar dos seus auxiliares Ivanildo Lopes e Evanildo Martins o terem ajudado com uma boa actuação. 

MELHOR EM CAMPO
Incansável Nelito
 

O ASA perdeu, mas uma das suas pedras basilar do meio campo se destacou durante a referida contenda. Referimo-nos a Nelito, um dos atacantes do ASA que além de ter apontado o golo de empate aos 54´, foi muito útil na manobra dos aviadores. Pena é que, apesar de tanto esforço, a formação aviadora não conseguiu travar a pressão policial

 Declarações dos treinadores
“A equipa está de parabéns”


Abílio Amaral (Adj. Interclube)“Valeram os três pontos num jogo em que a equipa precisava de ganhar. Fruto da postura que os atletas apresentaram diferentes das outras partida, regressamos as vitórias. Valeu o empenho dos jogadores que entraram bem. Tivemos várias oportunidades que conseguimos concretizar ao contrário dos jogos anteriores. A nossa equipa está de parabéns por tudo que fez hoje e estamos felizes por conquistarmos mais três pontos”.


“Vamos continuar a trabalhar”

SÉRGIO PEDRO  asa“Uma derrota é sempre uma derrota e quem está no campeonato tem de estar preparado para estas situações. Estamos preocupados pela forma como a nossa equipa tem sofrido os golos, mas ainda faltam cinco jogos e acredito que vamos conseguir mais vitórias. Estamos ciente do momento que estamos a viver, mas temos um plantel com capacidade de inverter o quadro. Vamos continuar a trabalhar".