Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Progresso da Lunda Sul tira pontos ao Kabuscorp

Paulo Caculo - 24 de Maio, 2015

Progresso da Lunda Sul mostrou ontem nos Coqueiros a fora e qualidade do seu futebol no ano de estreia no Girabola

Fotografia: Kindala Manuel

O Kabuscorp voltou a ceder pontos em casa. Ontem, na recepção ao Progresso da Lunda Sul, o vice-campeão não teve forças para suplantar o "novato" do Girabola. Num jogo em que os palanquinos voltaram a ficar em branco no marcador, realce para a grande postura espelhada pelos lundas durante o desafio.

A jogar em casa e perante os seus adeptos, não admirou que fosse pertencer ao Kabuscorp a iniciativa de jogo. Os pupilos de Miller Gomes muito cedo deram sinais de querer chegar ao golo. Para tal, contribuíram as inúmeras situações de perigo criadas pelo ataque junto ao último reduto dos lundas.

Mas a verdade é que o Progresso não se limitou a assistir aos "donos da casa" a jogar. Muito pelo contrário. A equipa da Lunda Sul muito cedo passou a imagem de ter chegado a Luanda com a lição muito bem estudada. Os pupilos de Kito Ribeiro jogavam sem complexos, a trocar bem a bola e a criar jogadas com princípio, meio e fim, capazes de provocar sérios calafrios à baliza de Mário.

Dada a postura atacante adoptada por ambos os conjuntos, foi com alguma naturalidade que a história da primeira parte tivesse traduzido uma partilha de posse de bola e de criação de oportunidades de golo. A mais flagrante de todas aconteceu aos 20´, com Tchikuma a surgir em posição privilegiada de fustigar a baliza de Mário, tendo o remate deste provocado grande sensação de golo nas bancadas, maioritariamente preenchida por adeptos do Kabuscorp.

Enquanto a equipa do Palanca revelava dificuldade em descobrir as melhores vias de acesso à baliza contrária, o conjunto da Lunda Sul espelhava força colectiva e solidez competitiva para sacudir toda e qualquer pressão a que esteve sujeito durante a etapa inicial. Umas vezes por Meyong, outras por Mano e Lami, o caudal ofensivo do vice-campeão provocava incómodos ao quarteto defensivo dos lundas.

A segunda parte trouxe duas equipas muito mais dinâmicas, embora sempre com a bola a ser muito "mastigada" na zona intermédia do relvado. Fruto deste estado de coisas, a bola andou largos períodos a rondar ambas as balizas, com a sensação de golo a ser vivida em cada um dos lados.

Os últimos minutos foram endiabrados, com a bola a rondar constantemente as áreas. Muito mais ofensivo esteve o Kabuscorp nesse período, de tal forma que o Progresso deve agradecer ao seu guarda-redes, Modric, pela grande entrega e dedicação aos lances. Na última jogada, muito bem o guardião dos lundas a evitar que Patrick chegasse ao golo, ao antecipar-se ao avançado dos palanquinos e fechar-lhe o ângulo para a baliza.

Do Kabuscorp ficou a imagem de ter reclamado a inexistência de arte e engenho no seu meio-campo, ao passo que do Progresso sobressaiu a perspicácia de um colectivo que soube interpretar muito bem a desvantagem de jogar fora de casa.


OPINIÃO DOS TÉCNICOS


Miller Gomes
(Kabuscorp)


"Pecámos na finalização"
"Fizemos um bom jogo, não conseguimos marcar, porque pecámos muito na finalização. Hoje (ontem) a equipa esteve muito bem, controlámos o jogo perante um adversário muito bem organizado, mas o resultado foi este (empate), porque quando a gente não marca, não tem como vencer os jogos. Quanto ao trabalho do árbitro não comento".


Kito Ribeiro
(Progresso)

"Penso que fomos superiores"
"Acredito que foi um bom jogo. Procurámos estudar bem o adversário e acredito que jogámos contra o campeão. Penso que fomos superiores, não foi possível ganhar o jogo hoje (ontem), mas os meus jogadores estiveram muito bem. Quanto ao árbitro, acredito que qualquer um de nós faz o seu trabalho e cada um de nós deve fazer a sua parte, porque eu fiz a minha".


ARBITRAGEM
Bom trabalho


O trio de arbitragem, proveniente da Huíla, encabeçado por Inácio Rangel, fez um trabalho que não merece contestação. O juiz acompanhou sempre as jogadas de perto, evitando deixar margens para dúvidas ou gerar lances polémicos, que pudessem comprometer o jogo. Esteve também bem no capítulo disciplinar, na medida em que os cartões justificaram as entradas à margem das regras. Esteve também bem, quanto a nós, no ajuizamento da última jogada da partida, em que o Kabuscorp pediu penálti por alegada falta sobre o Patrick.


MELHOR EM CAMPO
Faustino
surpreendeu


A estreia do lateral esquerdo Faustino nos titulares do Kabuscorp foi a grande surpresa da equipa do Palanca. Mas podia ter passado despercebido no jogo, se o jovem estreante dos palanquinos não enchesse o "pulmão de oxigénio" e protagonizasse uma exibição de encher os olhos, que a dada altura ajudou a esquecer Issama. O facto é que o camisola 24 do vice-campeão desempenhou muito bem a sua missão, tendo sido fundamental na forma como anulou as jogadas dos lundas no corredor esquerdo sob sua responsabilidade. Boa exibição!