Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Proletários e estudantes lutam pela permanência

22 de Outubro, 2016

Dérbi 1º de Maio - Académica decisivo para ficarem no Girabola ZAP

Fotografia: José Soares

O dérbi 1º de Maio de Benguela - Académica do Lobito é capaz de ser decisivo para o futuro dos rivais, no Girabola ZAP. As duas equipas entram em campo e têm de vencer. A que falhar o objectivo arrisca a sair da jornada com a certeza de que desceu de divisão.

Os estudantes vão a casa alheia com 2 pontos de vantagem, mas sem o conforto de encarar com tranquilidade um adversário, que também faz pela vida, no campeonato de aflitos.

Os proletários estão muito mais pressionados, mas podem sair do Municipal com esperança renovada, pelo menos até à próxima jornada.

A iminente possibilidade de Benguela, maior praça do futebol nacional depois de Luanda, ficar sem equipas no campeonato, é capaz de ser  real, no final do dérbi, entre proletários e estudantes.

Os rivais dependem de terceiros, para garantirem a permanência, não têm como evitar  um jogo que desejavam evitar, se tivessem como contornar o sorteio.

O  atraso pontual dos proletários e estudantes no campeonato,  permite antever um jogo de nervos, as duas equipas têm de arriscar para marcar pelo menos um golo, mas ao mesmo tempo têm de adoptar todas as cautelas necessárias para se defender com eficiência,  toda a vantagem que venham a obter.

O 1º de Maio  tirou uma vez o pé do acelerador,  para ajudar o vizinho Desportivo de Benguela, mas agora, não tem como repetir a generosidade de 1989, porque precisa como nunca antes, de quem lhe dê um prestimoso empurrão para permanecer na primeira divisão.

As duas equipas mudaram de treinadores ao longo do campeonato, as mudanças no comando técnico foram incapazes de esconder outros problemas que afligem os dois clubes.

As contratações Hélder Teixeira, 1º de Maio, e António Lopes “Chiby”, Académica, em nada mudou o desempenho competitivo de proletários e estudantes.

O 1º de Maio e a Académica mantêm as mesmas posições da primeira volta, os estudantes continuam um lugar acima dos proletários. As duas equipas terminaram as 15 jornadas iniciais, com 15 pontos, média de um por ronda.

As contas de proletários e estudantes estão condicionadas ao mau campeonato que fizeram, sobretudo, nesta segunda volta. A três jornadas do fim, é fácil ver que o 1º de Maio somou apenas oito pontos, em 12 jogos, enquanto a Académica amealhou dez, no mesmo período.