Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Razaq e Nandinho em dvidas

Benigno Narciso - Lubango - 24 de Novembro, 2018

Tcnico do Desportivo atribui favoritismo equipa adversria

Fotografia: Dombele Bernardo | Edies Novembro

A utilização ou não do avançado nigeriano Razaq, um reforço que na época passada defendeu as cores do 1º de Agosto, do médio ofensivo Nandinho que representou o Petro de Luanda, no último Girabola Zap, são dúvidas que o técnico Mário Soares tem até minutos antes do jogo de amanhã às 15h00, no Estádio do Ferroviário, no Lubango,  com o Kabuscorp do Palanca, a contar para a terceira jornada do Girabola Zap 2018/2019.
Na base da dúvida está o facto das duas “grandes” aquisições terem sido integradas apenas na quarta-feira, e por isso, sem entrosamento com relação ao resto do grupo. O técnico, com algum mistério, não garante, nem coloca fora de hipótese a utilização dos mesmos, mas garante constituírem unidades que fazem a diferença, no caso de serem utilizados.
O estatuto de candidato ao título, o nível competitivo, histórico e os pólos de forças opostos que separam o Kabuscorp do Palanca do Desportivo da Huíla, limitam o técnico Mário Soares a munir-se com capacidade de superação, força e crença na sua equipa como argumentos a utilizar para contrariarem o favoritismo do adversário e vencer amanhã.
“Reconhecemos todo o favoritismo ao Kabuscorp, apesar de jogarmos em casa. São equipas com objectivos opostos. Lutamos para não descer de divisão e o Kabuscorp, como habitual, declarou-se candidato ao título. Predispôs-se a conquistar o Girabola Zap. Resta-nos acreditar na confiança da rapaziada, na capacidade de superar as dificuldades e enfrentar o Kabuscorp. Temos argumentos para contrariarem ao máximo esse favoritismo”, manifestou.
Aludiu, que as contrariedades que assolaram a equipa, durante o interregno de três semanas que a prova registou, decorrentes da falta de jogos de controlo que pudessem elevar o nível competitivo, obrigam o Desportivo a lutar com as forças que possui, sustentado nas ideias e estratégias oferecidas dentro das limitações e adversidades.Por isso, espera um desafio de mais competitividade da parte do adversário, a julgar pela disparidade de preparação entre ambos conjuntos. Contudo, olha para o grupo e vê  virtudes que potencializadas afiguram-se capazes de se elevarem a níveis altos e causar desequilíbrios às forças adversárias.