Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Regresso em pleno

10 de Julho, 2016

O desafio comeou quase com a polmica do primeiro golo de Gelson aos 13 com a mo

Fotografia: Kindala Manuel

Fortes emoções, pela negativa, marcaram o dérbi de ontem entre o 1º deAgosto e o Benfica de Luanda, onde o árbitro António Dungula foi aprincipal figura, ao validar um golo a Gelson marcado com a mão esquerda.

Apesar disso, a vitória dos militares por 2-1 não sofre grande contestação, pois foram prejudicados ao não verem assinalada uma grande penalidade a seu favor.

O desafio começou quase com a polémica do primeiro golo de Gelson, aos13´, com a mão, enganando o árbitro e o segundo assistente, uma situação festejada pelo conjunto rubro e negro, mas de forma enérgica rejeitada pela formação das águias, que em função disso, viram dois jogadores a receber o cartão amarelo, pelos constantes protestos.

Antes disso, o maior protagonismo no jogo pertencia aos pupilos de Dragan Jovic, que dominavam as acções dentro do relvado.

O dérbi decorria com grande expectativa pelos adeptos do 1º de Agosto presentes no estádio 11 de Novembro, em esmagadora maioria.

Não satisfeito com o primeiro golo, Gelson bisou aos 33´, numa rotação dentro da grande área, rematando rasteiro junto ao poste direito de Elber, que pouco pode fazer para evitar o pior.

Nesta altura, eram os militares que continuavam na mó de cima, mais motivados e procuravam  ampliar a vantagem, porém, os remates saiam com a direcção errada.

Com o intuito de alterar o cenário negativo que a sua equipa atravessava o técnico Zeca Amaral não perdeu tempo e operou duas mexidas, fez entrar dois avançados, Jacek e Amido Baldé, para pressionar o último reduto adversário.

Os encarnados da capital podiam ter chegado ao golo aos 40´, mas Jacek desperdiçou o brinde oferecido por Domique, foi lento de mais e permitiu a antecipação de Jumisse, num corte com muito mérito.

Foi assim que Douglas, aos 42´, aproveitou um cruzamento de Amaro e cabeceou para o fundo das redes defendidas por Dominique, relançando o dérbi para a segunda parte, já que veio dar esperanças aos benfiquistas no sentido de continuar a lutar pelo resultado.

No reatamento o primeiro sinal de perigo pertenceu as benfiquistas, o remate de Douglas só parou nas mãos de Dominique, já em cima da linha de golo, apanhando a “dormir” toda a defesa dos rubro e negros, que estrearam o maliano Diakité, em substituição do capitão Dany Massunguna.

O jogo ganhou ritmo com as duas equipas a perseguirem o golo, os benfiquistas adoptaram uma postura mais ofensiva, arriscando mais no ataque e abriam espaço na sua defesa para o 1º de Agosto contra-atacar.

Vendo que estavam a perder algum furor ofensivo Dragan Jovic fez a primeira mexida no xadrez da sua equipa, lançando Romaric para o lugar do jovem estreante Gogoró, refrescando as alas.

Aos 70´Gelson viu Gomito a negar-lhe o hat-trick, tirando a bola antes da linha de golo. O guarda-redes benfiquista Elber foi assistido durante oito minutos, depois de pisar mal na relva, numa jogada do ataque militar e não conseguiu continuar na partida, sendo substituído por Toy, estreando-se no Girabola Zap.

Toy respondeu a altura logo a seguir, com duas grandes defesas, os remates de Mingo Bile, o primeiro após uma grande penalidade não assinalada a Gelson já no período de compensação e o segundo, numremate de fora da área, impedindo que o conjunto militar aumentasse a vantagem.


Declaração dos treinadores

Filipe Nzanza (1º de Agosto)

“Cumprimos o objectivo”
“Valeu a entrega, queríamos ganhar o jogo e conseguimos. No segundotempo a nossa equipa falhou muitos golos e caso concretizassem o resultado poderia ter sido diferente. Mas estamos satisfeitos pelo resultado, cumprimos o principal objectivo que nos trouxe para este jogo, porque conseguimos manter a liderança com os mesmos cinco pontos de diferença em relação ao segundo classificado ”.

Zeca Amaral (Progresso Sambizanga)

“Fomos roubados”

“Foi uma autêntica roubalheira. É difícil ganharmos assim, porque trabalhamos durante a semana para perder desta forma. Fomos roubados. Alguém de direito tem de tomar conta dessa situação. O 1º de Agosto ganhou o jogo e nós ficamos sem quatro jogadores para o próximo desafio. O árbitro tem que ter a decência de admitir que errou, embora eu não aceite que os jogadores discutam com o juiz, mas ele não pode amarelar os meus atletas deste jeito”.