Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Rivaldo fica um ano

14 de Janeiro, 2012

Rivaldo quer ser campeo com o Kabuscorp

Fotografia: Paulo Mulaza

O atacante brasileiro Rivaldo Victor Borba Ferreira foi apresentado, ontem, à tarde, provavelmente como última contratação da equipa do Kabuscorp Sport Clube do Palanca para a primeira etapa da temporada futebolística de 2012.

Numa conferência de imprensa bastante concorrida, em que estiveram presentes órgãos de comunicação social e diversos convidados, o jogador, de 39 anos de idade, disse que veio a Angola por uma razão muito fundamental, que é o idioma, pois, ele teve de abdicar de outras propostas de clubes da índia e também da Europa. “Estou feliz por assinar contrato com o meu novo clube. Tive outras propostas para jogar no meu país, na Europa e na Índia, mas preferi Angola, por ser um país que tem muita aproximação comigo devido à língua. Espero corresponder às expectativas como sempre fiz noutros clubes. Apesar da minha idade vou tentar dar o meu máximo para não desiludir”, disse o jogador.

A uma pergunta sobre o que sabia a respeito do futebol angolano antes desta sua contratação pelo Kabuscorp do Palanca, Rivaldo foi simplesmente claro, respondendo que tinha poucas informações. “Tenho poucas informações sobre o futebol angolano, tal como sempre aconteceu nas outras contratações que fiz com outros clubes. Mas, a partir do momento em que as negociações evoluíram eu também fui me interessando mais sobre o futebol de Angola”, afirmou o campeão do mundo pelo escrete canarinho em 2002.

Ao jogador, foi ainda perguntado o que se podia esperar de si quanto à transmissão daquilo que sabe fazer no futebol, para os jogadores que encontrou na sua nova equipa. “Vou procurar estar dentro destes talentos que estão cá em Angola e lutar para ser campeão, tal como sempre fiz nas equipas por onde passei. Vou tentar dar o meu máximo, e quiçá, ajudar o Kabuscorp na luta para a conquista do título”, respondeu. Além de Rivaldo, a direcção do Kabuscorp apresentou ainda Breco, Tchicuma e Ndó como sendo outros reforços da equipa para a temporada futebolística de 2012.


Adeptos
aplaudem o craque

A claque da equipa do Kabuscorp Sport Clube do Palanca aplaudiu, de forma satisfatória, a presença do internacional brasileiro, Rivaldo Victor Borba Ferreira, que confirmou a sua ligação com a turma vice-campeã do Girabola, em conferência de imprensa, ontem, numa unidade hoteleira da capital. “ Rivaldo, Rivaldo o Girabola é nosso” gritavam. Os adeptos presentes na cerimónia entoaram o cântico habitual da equipa que exalta o combinado, ouvindo-se com mais intensidade na sala nobre, quando o presidente da turma palanquina, Bento dos Santos Kangamba, ofereceu a camisola número nove, ao novo reforço brasileiro.

Kangamba disse que “a presença do internacional brasileiro, além de engrandecer a nossa equipa no Girabola, servirá também para negociarmos o seu nome, com a nossa marca. Quer isto dizer que, estamos a investir, para que tenhamos lucros, pois, esperamos que muita gente venha comprar os nossos equipamentos”, disse. Bento Kangamba acrescentou que “ estamos a elevar o nome da nossa equipa e de Angola no mundo inteiro. Por isso, espero que vocês, adeptos, assumam também o vosso papel. Queremos ter uma equipa em grande para vencermos todos os jogos”. No final da apresentação, os adeptos pediram autógrafos ao internacional de 39 anos, e posaram diante dos fotógrafos para uma recordação com o campeão de 2002.
    Hermínio Fontes


Ndó assina pelo Kabuscorp
e deixa cair campeão Libolo

O ponta-de-lança Ndó, que na época passada esteve ao serviço do Benfica de Luanda, onde também fez papel de médio, disse ontem ao Jornal dos Desportos que está satisfeito por este ano ter assinado pelo Kabuscorp do Palanca. O jogador, que confessou ter feito antes um pré-acordo com o campeão Recreativo do Libolo, afirmou que a sua contratação pelo Kabuscorp resulta de uma pretensão antiga. Por isso, adiantou, apesar de muitas outras equipas nacionais o terem contactado, “dei primazia à formação do Palanca”. “A minha possibilidade de jogar pelo Kabuscorp vem desde o Girabola passado, mas quer a direcção desse clube quer eu, só estávamos à espera do momento oportuno para selarmos um acordo e dar a conhecer ao público, deixando de parte o assédio pouco aliciante que recebi de outras formações”, afirmou.

Ndó acrescentou que deu preferência ao Kabuscorp porque tem a família toda a viver em Luanda. “Ao ficar no Palanca tenho muito a ganhar, como jogador e como pai. Sou chefe de família, tenho muitos parentes próximos de mim e isso ajuda-me”, confirmou.“Não quero, por outro lado, perder mais um ano lectivo, desejo, além de jogar, dar prioridade à minha formação académica. Se tivesse que rumar para o Libolo estaria impossibilitado de continuar a minha formação académica”, esclareceu.

Satisfeito com o vínculo de um ano com Kabuscorp, Ndó considera que militar na formação do Palanca é sempre melhor, porque tem-na como uma equipa a mostrar um crescimento significativo na sua forma de jogar. “O Kabuscorp está a democratizar o futebol nacional, só não vê quem não quer. Cada equipa tem a sua filosofia de jogo, mas na minha formação nova o assunto é diferente quando se trata de atacar e defender. Tanto os laterais, médios e avançados chegam ao golo, uma realidade que pouco se vê nas demais formações do Girabola”, adjectivou o jogador. O ex-jogador do Benfica de Luanda disse que está mais maduro e confiante para a actual equipa, apesar de, na época passada, ter sido pouco utilizado por razões de saúde.

“Superei a fase em que me encontrava por razões de saúde. Graças a Deus estou melhor e bastante preparado para mais um desafio”, garantiu, pedindo a todos os colegas para se empenharem nos treinos e acatarem as orientações técnicas e tácticas do técnico Victor Bondarenko. “Estamos aqui para levar o nome da equipa muito longe, fazer melhor que no ano passado, como o professor bem quer e disse há dias”, desejou. Ndó, que obteve a sua formação futebolística na escola do Benfica de Luanda, onde, entre muitos, teve como colega o médio ofensivo Breco, disse que “é sempre bom jogar ao lado de atletas que conhecemos porque nos sentimos mais íntimos para vencermos qualquer adversário”.


Proposta de Calulo
foi pouco aliciante



À insistência do Jornal dos Desportos, Ndó reconheceu que, além de questões familiares e académicas, declinou a proposta para jogar no Libolo porque o valor para o contrato não o satisfazia. “Realmente, cheguei a fazer um pré-contrato com o Recreativo do Libolo, ainda na primeira volta da época passada, mas, como o valor da proposta que o técnico Zeca Amaral me apresentou não justificava a minha qualidade como jogador profissional, na segunda volta do Girabola decidi que assinaria pelo Kabuscorp do Palanca”, esclareceu Ndó não revelou quando vai receber pelo contrato e salário no Kabuscorp. Limitou-se a dizer que “devemos jogar onde nos fazem uma proposta contratual melhor, porque, no meu caso, além de jogador, sou chefe de família e devo pensar nisso”.



Animação domina
balneário palanquino


Muita animação, determinação e vontade de superar a prestação da temporada passada é o ambiente a que, ao longo desta semana, se assistiu nos treinos da equipa orientada pelo técnico Viktor Bondarenko. De segunda até ontem, a equipa realizou treinos bi-diários. Contou com a participação de apenas 15jogadores, mas notou-se espírito de união e força, que na próxima semana pode ainda aumentar com a integração do grosso dos jogadores contratados, já que alguns destes poucos se fizeram presentes, pois, outros estavam à espera da apresentação oficial da equipa.

O lateral direito Lunguinha, o sub-capitão e médio central Milex e melhor marcador da equipa, o avançado Sawú, tiveram a missão de receber os novos colegas. No essencial, as sessões basearam-se em alongamentos e exercícios de salto. Poucas vezes fizerem exercícios com bola. Viktor Bondarenko, apesar de ainda não estar a aplicar exercícios tácticos, deixou entender que conta este ano com uma equipa a jogar mais para o ataque face às disponibilidades de que dispõe nesse sector.
Hermínio Fontes