Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Sabor a Petro (leo) na primeira volta

Betumeleano Ferr?o - 23 de Maio, 2017

Petro comea segunda volta frente do rival 1 de Agosto

Fotografia: Vigas da Purificao | Edies Novembro

A hora da verdade é capaz de chegar ao Petro de Luanda, na segunda volta do Girabola Zap 2017, até lá, os tricolores continuam como líderes do campeonato. Graças à prestimosa ajuda do Kabuscorp que venceu o 1º de Agosto, por 2-0, os tricolores apearam o eterno rival do topo da classificação, para se sagrar campeões da primeira volta, feito que não alcançavam há algumas épocas.

Os tricolores sabiam, antes da disputa da derradeira jornada da primeira volta, que estavam diante de uma porta de oportunidades, pois tinham tarefas mais facilitadas que o 1º de Agosto. O Petro, demorou a engatar contra o 1º de Maio de Benguela, mas quando acelerou só parou em 4-1, em meio de um penálti inexistente, nos instantes finais que desafogou o marcador, depois dos proletários reduzirem para 2-1.

Sem precisar de recorrer ao seu reportório, o Petro cumpriu a sua missão, e  sentou-se no sofá a apostar  na derrota do 1º de Agosto, uma possibilidade que os tricolores viram coroada no final da primeira volta. 

A expressiva vitória do Petro de Luanda, acabou por servir de elemento de pressão para o 1º de Agosto, no dérbi com o Kabuscorp do Palanca. Os militares sabiam que jogavam sob pressão, de derrotar os palanquinos para forçar uma vez mais, o rival a aceitar a mudança natural na liderança do campeonato.

Até certo ponto, o Kabuscorp foi ao dérbi mais pressionado, tinha de somar três pontos para se manter na corrida ao título. Um desaire, contra o 1º de Agosto, podia ser determinante para  diminuir as chances matemáticas, da equipa do Palanca depender de si para ser campeã.

O dérbi mal tinha começado, e não se registava nenhuma tendência, até que os palanquinos usaram a cabeça para provar que iam recorrer ao mesmo expediente do passado, para festejar à custa dos militares. A perder desde o sexto minuto, o 1º de Agosto não conseguiu reagir, para inverter o que parecia ser uma sina nos jogos contra o Kabuscorp, sofrer golos e perder quando aparenta ter as coisas sob seu controlo.

O Kabuscorp chegou à vantagem e ficou à espera da reacção do 1º de Agosto, mas sem  perder o controlo do dérbi. Os militares tentaram encontrar o norte, os palanquinos nunca  deram muitas hipóteses para  apagar o que parecia estar escrito, ninguém pode acusar a equipa de Dragan Jovic de não jogar ao ataque, ainda assim, a eficiência apareceu mais vezes em campo nas acções ofensivas do Kabuscorp, motivo por que fez dois e falhou outras chances flagrantes.

A vitória do Kabuscorp do Palanca relançou a corrida pelo ceptro do Girabola Zap,  mais do que ajudar o Petro de Luanda, campeão da primeira volta, o triunfo dos palanquinos faz que os 3 primeiros entrem para a segunda volta de mãos dadas, ou seja, Petro 34 pontos, 1º de Agosto 33 e Kabuscorp 32 pontos.


PRIMEIRA VOLTA
Tricolores resgatam
mística na competição


O Petro de Luanda está a dar mostras este ano, de resgatar a mística do clube mais titulado do país (15), cumpriu com o seu objectivo nesta primeira etapa do Campeonato Nacional de futebol da primeira divisão (Girabola Zap 2017), em que terminou na primeira posição, com 34 pontos, mais um que o rival 1º de Agosto, em segundo, e mais dois que o terceiro Kabuscorp do Palanca.

O Petro conseguio o “feito”, com 11 vitórias, um empate e três derrotas. São  os mais concretizadores, com 25 golos,  o seu avançado brasileiro Tiago Azulão é o melhor marcador da prova, com oito tentos rubricados, seguido de Jacques (Kabuscorp) e Jiressé (Académica do Lobito), com sete cada.

A tendência de ascensão, da formação do Eixo -viário já vem da época transacta, onde discutiu o título até à penúltima jornada com os militares do Rio Seco, altura em que as esperanças ficaram pelo caminho, ao empatar a zero com o Benfica de Luanda, enquanto os “agostinos” venciam os aviadores, por 3-0, garantiram o almejado troféu, que também já fugia às hostes rubro -negras há nove anos.   

Este ano, o Peto de Luanda superou os números de 2016 em alguns itens, em etapa idêntica (primeira volta), altura em que conseguiu 27 pontos, de oito vitórias e três empates. Perdeu ainda por quatro ocasiões. Marcou 15 vezes e sofreu nove.  

Estes dados mostram, claramente, que a formação treinada pelo hispano -brasileiro Beto Bianchi está bem melhor esta época, adivinha-se luta renhida com os seus mais directos perseguidores.

Ao contrário do Petro, mas não muito longe dos números alcançados no Girabola 2016, está o 1º de Agosto que termina esta fase com 33 pontos, menos dois pontos, em relação à época anterior.

Além de baixar um degrau na classificação, a agremiação afecta às Forças Armadas Angolanas (FAA) obteve ainda menos uma vitória (10 em 2017 e 11 em 2016), mais um empate (3/2). A pontaria esteve igualmente menos afinada, 24 - 30, a dar a entender que as saídas de Gelson e Ary Papel ainda não foram bem colmatadas. Ao oposto do ataque está a retaguarda, que sofreu sete golos esta temporada, contra 13 tentos anteriores.  

Outro forte candidato assumido, ao título, é o Kabuscorp do Palanca, que realiza uma prova a bom nível, não larga o pelotão da frente. A prova disto, foi a vitória alcançada por 2-0, frente ao 1º de Agosto, no fecho desta primeira volta, no domingo.

Por esta altura, os palanquinos mantêm a mesma posição da edição anterior,  agora com mais cinco pontos. Apesar de ter mais uma vitória (9 - 8), o ataque está menos concretizador, 17 - 24, embora o seu avançado congolês Jackes faça parte da lista dos que mais marcam.  A defesa sofreu 13 golos, mais dois que 2016.

O Libolo  está actualmente na sexta posição, com 25 pontos. Pode chegar ao quarto lugar (posição ocupada pelo Sagrada , com 28), caso vença os dois jogos em atraso. um diante do Petro e outro com o Caála. Se  acontecer superá os 30 pontos de 2016.
PASCOAL BERNARDO | ANGOP