Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Sagrada agastado com presso

Armando Sapalo, Dundo - 25 de Novembro, 2015

Participao dos lundas na Taa da Confederao em substituio do Bravos do Maquis deve ser acautelada disse uma fonte mxima do clube diamantfero

Fotografia: Paulo Mulaza

A direcção do Grupo Desportivo do Sagrada Esperança considera que a pressão que está a ser exercida por alguns círculos ligados ao futebol, incluindo a comunicação social, com vista à participação do grémio diamantífero na Taça da Confederação do próximo ano, em função da desistência do FC Bravos do Maquis, não é benéfica para a equipa da Lunda Norte, soube o Jornal dos Desportos de uma fonte próxima ao finalista vencido da Taça de Angola 2015 e do governo local. 

De acordo com a fonte, é um risco tremendo empurrar a equipa da Lunda Norte para  participar nas Afrotaças do próximo ano na qualidade de finalista vencido da 34ª edição da Taça de Angola, por várias razões.  Um dos motivos invocados pela fonte que citamos, tem a ver com o facto da decisão da desistência do FC Bravos do Maquis ter sido tomada muito tarde, numa altura em que o Sagrada Esperança não tem as condições criadas para confirmar a participação na segunda maior competição de clubes africanos.

De acordo com a fonte que estamos a citar, as coisas devem ser vistas e analisadas de forma sensata e criteriosa, tendo em vista que o actual plantel do Sagrada Esperança que  disputou o Girabola 2015 e atingiu a final da Taça de Angola não apresenta níveis competitivos suficientemente à altura, de corresponder com as exigências de uma prova com o quilate da Taça da Confederação. A fonte contactada pelo JD, transmite uma posição  contrária  à participação do Sagrada Esperança na competição, cujo troféu homenageia o antigo Presidente da África do Sul, Nelson Mandela,  a decisão  foi tomada  com cautela para se evitar dissabores , aliás, a actual composição do plantel às ordens do técnico Zoran Maki , a equipa da Lunda Norte  corre o risco de ser eliminada logo na fase preliminar.

“As Afrotaças são competições exigentes, onde além do nível competitivo gasta-se somas avultadas de dinheiro que para mim, num momento como este, em que o Sagrada Esperança conta com um plantel que precisa de ser renovado, seria bom que não participasse porque logo na primeira eliminatória a equipa ficava de fora e, portanto, seria um investimento mal feito”, defendeu.

A fonte informou  que nesse momento não há dinheiro que permita o Sagrada Esperança ser um dos representantes do país nas Afrotaças, tendo por isso apelado a que o processo não seja tratado de forma emocional. “A Endiama (patrocinadora oficial do Grupo Desportivo do Sagrada Esperança) estava preparada para abrir os ‘cordões à bolsa’ para a participação dos diamantíferos na Taça da Confederação, caso vencesse a final da Taça de Angola, que infelizmente para o clube, assim não aconteceu ”, sustentou.

O Sagrada Esperança da Lunda Norte terminou o Girabola 2015 na 10ª posição, com 37 pontos, e perdeu (1-0) na final da Taça de Angola diante do FC Bravos do Maquis.A direcção do Grupo Desportivo do Sagrada Esperança considera que a pressão que está a ser exercida por alguns círculos ligados ao futebol, incluindo a comunicação social, com vista à participação do grémio diamantífero na Taça da Confederação do próximo ano, em função da desistência do FC Bravos do Maquis, não é benéfica para a equipa da Lunda Norte, soube o Jornal dos Desportos de uma fonte próxima ao finalista vencido da Taça de Angola 2015 e do governo local. 

De acordo com a fonte, é um risco tremendo empurrar a equipa da Lunda Norte para  participar nas Afrotaças do próximo ano na qualidade de finalista vencido da 34ª edição da Taça de Angola, por várias razões.  Um dos motivos invocados pela fonte que citamos, tem a ver com o facto da decisão da desistência do FC Bravos do Maquis ter sido tomada muito tarde, numa altura em que o Sagrada Esperança não tem as condições criadas para confirmar a participação na segunda maior competição de clubes africanos.

De acordo com a fonte que estamos a citar, as coisas devem ser vistas e analisadas de forma sensata e criteriosa, tendo em vista que o actual plantel do Sagrada Esperança que  disputou o Girabola 2015 e atingiu a final da Taça de Angola não apresenta níveis competitivos suficientemente à altura, de corresponder com as exigências de uma prova com o quilate da Taça da Confederação. 

 A fonte contactada pelo JD, transmite uma posição  contrária  à participação do Sagrada Esperança na competição, cujo troféu homenageia o antigo Presidente da África do Sul, Nelson Mandela,  a decisão  foi tomada  com cautela para se evitar dissabores , aliás, a actual composição do plantel às ordens do técnico Zoran Maki , a equipa da Lunda Norte  corre o risco de ser eliminada logo na fase preliminar.

“As Afrotaças são competições exigentes, onde além do nível competitivo gasta-se somas avultadas de dinheiro que para mim, num momento como este, em que o Sagrada Esperança conta com um plantel que precisa de ser renovado, seria bom que não participasse porque logo na primeira eliminatória a equipa ficava de fora e, portanto, seria um investimento mal feito”, defendeu.

A fonte informou  que nesse momento não há dinheiro que permita o Sagrada Esperança ser um dos representantes do país nas Afrotaças, tendo por isso apelado a que o processo não seja tratado de forma emocional. “A Endiama (patrocinadora oficial do Grupo Desportivo do Sagrada Esperança) estava preparada para abrir os ‘cordões à bolsa’ para a participação dos diamantíferos na Taça da Confederação, caso vencesse a final da Taça de Angola, que infelizmente para o clube, assim não aconteceu ”, sustentou. O Sagrada Esperança da Lunda Norte terminou o Girabola 2015 na 10ª posição, com 37 pontos, e perdeu (1-0) na final da Taça de Angola diante do FC Bravos do Maquis.

INSCRIÇÃO NA CAF
Prazo é desfavorável à equipa


O Grupo Desportivo Sagrada Esperança da Lunda Norte, de acordo as indicações da equipa técnica, tinha um plano ambicioso para contratação de atletas que podiam ajudar o clube a representar condignamente o país nas Afrotaças do próximo ano, mas as pretensões ficaram frustradas com o resultado da final da Taça de Angola, que não foi favorável ao conjunto diamantífero.

De acordo com uma fonte próxima à direcção do clube e do governo da Lunda Norte, o curto tempo que a Federação Angolana de Futebol (FAF) tem para inscrever os seus  representantes e a consequente inscrição de jogadores na Confederação Africana da modalidade (CAF), o prazo vai até o dia 30 do corrente, é curto para o Sagrada Esperança. Além disso, a fonte assegura que  até ao momento o clube não conseguiu qualquer reforço para o plantel de 2016, devido a escassez de verbas.

 “O tempo é  curto e apertado. Repare que no quadro das contratações para o reforço do nosso plantel para 2016, nenhuma ainda foi concretizada por falta de dinheiro, porque a crise financeira que atinge o país afecta todos sectores,  independentemente do nosso patrocinador ser uma empresa diamantífera”,  sublinhou. Ainda de acordo com a mesma fonte, é possível  que a direcção do Sagrada Esperança liderada por Osvaldo Van - dúnem confirme a  participação por via de uma decisão política por parte do governo provincial da Lunda Norte que pode pesar na decisão.

Contudo, a fonte insiste que não devia ser uma decisão correcta o Sagrada Esperança participar nas Afrotaças, a julgar pelas condições que apresenta actualmente, quer no capítulo administrativo, como desportivo. “ Existe uma boa intenção por parte da Endiama e da  direcção do Sagrada Esperança em criar bases para se resgatar a mística do clube, por via de novos investimentos e projectos, voltados à formação de novos jogadores e à criação de infraestruturas  que vão sustentar esses intentos”, disse.Na próxima época futebolística, conforme a fonte, a direcção do clube da Lunda Norte aposta num Sagrada Esperança entre os primeiros cinco lugares do Campeonato Nacional (Girabola).

DIA 30 do corrente
Inscrições das equipas
terminam no fim do mês


Angola ainda não tem os  representantes inscritos na Confederação Africana de Futebol (CAF) para competirem na próxima edição da Liga dos Clubes Campeões (Recreativo do Libolo) e na Taça da Confederação (equipa por indicar), cujo prazo termina a 30 do corrente mês, em virtude da desistência do FC Bravos do Maquis, vencedor da Taça de Angola.A equipa maquisard e que por direito ganhou a vaga para competir naquela que era a sua estreia nas provas continentais, falha o objectivo por falta de recursos financeiros, tal como anunciaram os seus responsáveis na última semana.

Em face da decisão tomada pela direcção do grémio do Moxico, após uma reunião realizada no Luena, quinta e sexta-feira últimas, entre a direcção da Mesa de Assembleia-Geral, representada pelo primeiro vice -presidente, João Luís Neto “Xietu”, e a direcção executiva do clube, presidida por Augusto Manuel Quitadica “Docas”, o Sagrada Esperança da Lunda Norte, finalista vencido, aparece como segundo legitimo representante à vaga. Contudo, tudo indica que os diamantíferos também não estão interessados em jogar na Taça da Confederação no próximo ano.

A reunião dos maquisardes propôs a realização de uma assembleia-geral extraordinária para o dia 19 de Dezembro, para decidir-se o futuro do clube.
Durante o encontro concluiu-se igualmente que o clube desceu de divisão por razões financeiras “causada pelo patrocinador que sem aviso prévio, efectuou um corte ao patrocínio, mediante um comunicado procedente do gabinete do director-geral da Caixa de Segurança Social das FAA, patrocinador oficial”.

Recomendou instar a Caixa Social de Segurança Social das FAA, a rever a situação do patrocínio, porquanto o “estado calamitoso do clube foi criado pelo próprio patrocinador, que sem qualquer metodologia, razões plausíveis  ou antecedência devida, retirou o patrocínio quando tinha aprovado o orçamento”.A reunião convocada com emergência para decidir a participação do Maquis na Taça da Confederação, contou com a participação de 22 membros da assembleia geral, direcção, corpos sociais, vogais e autoridades tradicionais.

TAÇA DA CONFEDERAÇÃO
1º de Agosto aguarda convite da FAF


A direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto aguarda o convite formal da Federação Angolana de Futebol (FAF) para representar o país na Taça da Confederação de 2016, caso o Sagrada Esperança da Lunda Norte, finalista vencido da Taça de Angola, decline participar por falta de condições financeiras e não só, à semelhança do FC Bravos do Maquis, legitimo "dono" da vaga, de acordo com uma fonte do grémio militar ao Jornal dos Desportos.

De acordo com a fonte, os rubro -negros ainda não foram abordados directamente sobre esta questão, dada a condição de segundo classificado no Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Divisão, Girabola, cujo campeão foi o Recreativo do Libolo.A fonte disse ainda que "antes da direcção do clube receber o convite da FAF é preciso que o Sagrada Esperança abdique da condição de segundo possível representante por ser o finalista vencido da Taça de Angola, um facto que ainda não temos conhecimentos que tenha acontecido", disse a fonte.

Nas hostes militares, aguarda-se a proposta da Federação angolana, pois, de acordo com a fonte, "um clube como o 1º de Agosto não pode rejeitar um convite como este, por vários motivos, e porque representar o país nas Afrotaças é sempre uma grande honra", disse em poucas palavras, a fonte dos agostinos contactada pelo jornal.

Em 2016, o país pode ser representado apenas por duas equipas, o campeão do Girabola, Recreativo do Libolo, na Liga dos Clubes Campeões, e outra na Taça da Confederação, ainda por se definir, dada a desistência do FC Bravos do Maquis e da possível renúncia do Sagrada Esperança da Lunda Norte.Em função dos resultados negativos obtidos nos últimos anos, pelos clubes angolanos nas competições sob a égide da CAF, o órgão que rege o futebol a nível do continente reduziu o número de equipas nacionais, nas duas principais competições de clubes.

Os militares estão expectantes, porque caso participem nas Afrotaças, a competição pode servir para dar maior ritmo competitivo aos seus jogadores, dar uma dimensão continental ao clube e expor os seus atletas, já que a prova é vista como uma grande montra para o plantel orientado pelo técnico sérvio Dragan Jovic.
JORGE NETO